17 de set de 2014

Comédias da vida real na F1 #14: A primeira vez em Cingapura

Aquela era a primeira corrida noturna na história da categoria.
Se o traçado não era lá grande coisa (traçados de rua raramente são) a novidade de um circuito iluminado artificialmente já garantia a curiosidade suficiente para que a prova fosse um sucesso.
Todos queriam ver os carros correndo no escuro, o que convenhamos, era uma besteira já que não havia pontos escuros na pista.
A largada limpa e a monotonia de trenzinho começaram a dar o ar da graça cedo e tudo caminhava para ser uma prova mais do mesmo no ano de 2008, só que a noite.
Mas na volta número treze da corrida o panorama começou a mudar.
Nelson Piquet Jr., também conhecido como Piquetzinho, bateu na entrada da curva 17, que é até simples.
Ao sair do carro batido, o brasileiro soltou pelo rádio um constrangido “sorry guys”.

Até ai nada demais.
Ficaria a curiosidade apenas por, algumas voltas antes, Fernando Alonso, então companheiro do Piquet Jr. ter ido aos boxes, trocado pneus e reabastecido, podendo ficar na pista de forma tranquila após o acidente, enquanto todos os outros competidores aproveitavam a entrada do safety car para fazer seu pit stop.
Com isto, claro, o asturiano pulou para a ponta do cortejo e acabou ganhando a prova.

Onde está a comédia?
Algumas provas depois, o brasileiro foi limado do time (por incompetência, segundo o time) por Flávio Briatore e atiçou a ira de Piquet pai, que com o filho e junto ao jornalista Reginaldo Leme, fizeram a denuncia de que a batida na curva 17 tinha sido proposital e orquestrada por Briatore e Pat Symonds, para que Alonso levasse a vantagem que levou.

O caso foi a julgamento pela FIA, a equipe ficou de sursis e Briatore juntamente com Simonds foram banidos da F1.

Pena depois revertida para afastamento por X anos e mais tarde perdoada como se nada tivesse ocorrido abrindo caminho para a volta de Symonds, hoje na Williams e Briatore, que – ainda – não voltou.

Punido mesmo acabou sendo apenas o brasileiro (que segundo a FIA nada sofreria por fazer uso da delação premiada), pois saiu da categoria, nunca mais foi cogitado para voltar e acabou sendo visto como persona non grata ou traíra por muita gente lá.
Sem contar a fama de capachão que aceita até bater o carro para manter lugar no time...

Mas porra Groo! Onde está a comédia nisto tudo?
Isto ai foi trágico, ruim para o esporte, para a imagem da F1 e tal...
Tá bom... Concordo.
Então ficamos com uma passagem do 1B original que, naquele dia ao tentar jogar sua balaclava para a torcida, viu um golpe de vento levá-la para dentro do rio que separa a arquibancada da pista.
A cara de frustração dele foi hilária.

5 comentários:

Francisco J.Pellegrino disse...

Noite inesquecível que o "inocente" aqui aceitou a suposição que a inexperiência do jovem piloto foi o motivo da rodada....

diogo felipe disse...

Hahaha. A cena do 1B foi hilária!

Vander Romanini disse...

É... a corda arrebentou do lado fraco.
Mesmo com o sobrenome forte...

Marcelonso disse...

Groo,

Aquela corrida entrou para a história de forma negativa;
O então idolo do Coyote acabou com sua carreira na categoria.

abs

Por Dentro dos Boxes disse...

kkkkkkkk, sempre tem o 1B pra salvar o dia...