13 de jul de 2015

Dia mundial do Rock

Em 13 de julho 1985, Bob Geldof organizou um concerto que – segundo ele – chamaria a atenção para a fome na Etiópia.
Deste concerto, chamado apropriadamente de Live Aid, participaram monstros sagrados do rock: Queen, Scorpions, David Bowie, Paul McCartney, The Who, Dire Straits, uma quase reencarnação do Led Zeppelin que contava com Phil Collins no posto que pertenceu a John Bonzo Bohan, o então emergente U2 entre outros.
As apresentações foram em dois palcos, um em Wembley, Londres e outro na Filadélfia, no estádio JKF.
Houve também artistas se apresentando em Tókio, Moscou e Sidney.
A esta data foi atribuído dia mundial do rock.

Provavelmente não foi o primeiro concerto coletivo com fins beneficentes, mas foi com certeza o mais famoso, o mais visto ao redor do mundo.
Segundo alguns historiadores e pesquisadores musicais, o evento serviu definitivamente, para alçar o gênero - já há muito consolidado - à condição de musica adulta, séria e não mais um arroubo de adolescentes e baderneiros.

Balela…
O rock sempre foi e sempre será música libertária, desencanada e descompromissada, mesmo servindo a fins humanitários.
Tanto que perguntado ao fim do evento se o concerto conseguiria mudar a atitude do mundo em relação à situação do país africano, Bob Geldof não titubeou ao responder:
“-Não!”.

Mas que foi divertido, ah isto foi…

4 comentários:

Manu disse...

Não faz dois meses, assisti um documentário na TV Escola que tratava do Live Aid, creio que por conta da data, já que fazem 30 anos.
De fato, foi o festival mais falado com fim humanitário, mas também discordo dos estudiosos que disseram que serviu para colocar o rock como música séria, exatamente pelo comentário do Geldof. No tal documentário ele ainda continua ciente de que o evento foi grandioso, mas não resolveu uma grande parcela dos problemas enfrentados pela Etiópia e outros países africanos. Até o documentário é bom, e mostra alguns habitantes (meio militantes) da Etiópia que de certa forma, criticam o evento que para eles ficou mais na causa que no resultado.
Ainda que esperávamos a parte de entretenimento do evento, das bandas e tudo mais, se fala ainda das críticas e das reuniões diplomáticas do Bono Vox - que pode até ter boas intenções, mas é cheio de "mas".

E foi, sim, com toda certeza, divertido. :)

Abs!

Al Unser Jr. disse...

É só eu quem achou isso ou... esse cara e banda eram fraquiiiiinhoooooos?!?!

Ron Groo disse...

Só conheço está deles...

Marcelonso disse...

Groo,

Entrou para a história. E foi sem dúvida alguma uma boa diversão para todos.

abs