6 de ago de 2015

Comédias da vida real na F1 #18: Mônaco 2006, o gol de mão que não valeu

“-Foi como o gol de mão do Maradona em 86.” – disse Eddie Jordan.
E foi quase isto mesmo...
A briga do ano era entre o alemão da Ferrari e Fernando Alonso, então piloto da Renault e que lutava pelo bi campeonato.
A vantagem dos franceses era evidente.
Línguas maldosas diziam e apostavam em irregularidades nos carros da equipe Renault dirigida por Flávio Briatore, o popular “Torresmo de Sunga”.
De fato, realmente, seja pelo talento de Fernando Alonso ou pelas falcatruas do vendedor de roupas carcamano, a Renault nunca mais fez um campeonato que prestasse, mas isto é assunto para outra crônica.

Aqui se trata da manobra de Michael Schumacher ao parar seu carro propositalmente na Rascasse alegando ter errado.
Não seria nada demais se não fosse a última parte da classificação e se a pole provisória não fosse dele.
Seria menos ainda se os tempos de Fernando Alonso em sua volta lançada não fossem suficientemente bons para catapultá-lo para a posição de honra do grid, deixando o alemão para trás em uma pista sabidamente complicada para se ultrapassar.

Com ajuda das imagens on board da Ferrari de Schumacher e mais da telemetria, os comissários de prova decidiram anular os tempos do alemão nas três fases da classificação fazendo com que tivesse de largar da última posição.
Curiosamente, Schumacher terminaria a prova em quinto lugar, herdando algumas posições, conseguindo algumas nos pit stops e fazendo também algumas ultrapassagens deixando a dúvida no ar: se não tivesse usado o artifício para se garantir e – muito provavelmente – perdendo a pole para Alonso e largado logo atrás dele, não teria tido chances reais de vitória?
Não vamos saber nunca...
Foi mesmo como o gol de mão do argentino contra a Inglaterra na copa de 86, só que não valeu.

4 comentários:

Roberto Prado disse...

Piloto bom é o que é malvado.
Bonzinho não é campeão e nem é lembrado.
Viva o alemão.

PH Miniaturas disse...

Curioso, muito curioso mesmo.

Só podemos conjecturar. Mas é provável que sim, que Schumacher pudesse ter tido chances reais de vitória se não tivesse feito esta malandragem.

Marcelonso disse...

Groo,

Nessa fase o alemão já estava mais sereno, quase um bom moço...

Concordo com o camarada acima, piloto bom é malvado. Bonzinho é o Luca Badoer, o Fisichella...


abs

Magnum disse...

Hehe, essa frase ficou mal:

"seja pelo talento de Fernando Alonso ou pelas falcatruas do vendedor de roupas carcamano, a Renault nunca mais fez um campeonato que prestasse"??

Acho que você quis dizer que nunca mais fez um campeonato que prestasse depois da saída desses dois, mas ficou parecendo que disse que nunca mais fez um campeonato que prestasse por causa de um deles!

De qualquer forma, para lembrar falcatruas do vendedor de roupas, é só lembrar da profusão delas quando o mesmo Schumacher foi campeão em 95...