23 de ago de 2015

F1 2015: Bélgica - Morno

O fim das férias da F1 não poderia ser em lugar melhor.
Um dos mais desafiadores e espetaculares circuitos da F1 é o preferido dos pilotos e dos fãs da categoria.
Incluso eu.

E para este ano um desafio a mais para a geração leite com pera: o fim da ajuda dos boxes na largada.
E começou que a primeira largada já foi abortada: um Force Índia não estava no local correto de largada.
A equipe sugeriu que Hulkemberg não completasse a volta de apresentação e fosse aos boxes, mas no meio do caminho trocou de ideia.
Acabou largando dos boxes mesmo.
Na segunda largada, Sainz Jr também foi para os boxes largar. Estava com problemas de potência.
Dois buracos na fila de largada.

Hamilton não zurrou na largada, mas o salto de Perez atrás foi impressionante, se tivesse contornado a Eau Rouge um pouco melhor, seria líder ao fim da Kemmel.
Em menos de cinco voltas, três motores abriram o bico: um Renault e dos Mercedes.
Alerta ligado.

Enquanto o cone #44 pulava na frente e desaparecia, carro bom é outra coisa e só deixa de funcionar quando seu motorista zurra, a corrida ia se desenrolado.
Os pits começaram na volta nove por conta do alto desgaste dos pneus.
Neste ponto as duas Mercedes já lideravam a corrida.
Daí para trás ao menos a coisa era divertida.
Algumas boas brigas, boas ultrapassagens e a Williams sendo Williams nos pits e misturando pneus macios e médios no carro do Valteri Bottas.
Resultado: um drive throug para o bichinho de goiaba finlandês.
Curiosamente, o desequilíbrio tão esperado do carro não apareceu.
Ao menos não tão evidentemente

Há um pequeno problema com o GP belga que poderia ser resolvido com a proibição do uso da asa móvel por lá.
Não há nenhuma chance de defesa de posição na reta Kemmel, o que acaba com toda e qualquer disputa por lá.
Quando o carro de trás vem, a única coisa que o da frente pode fazer é abrir como se faz em qualquer rodovia do mundo.

A corrida entrou em modo de espera para a bandeirada até o fim.
A única nota digna de citação foi o estouro do pneu de Sebastian Vettel uma volta antes do fim.
Vettel que tentou fazer a corrida toda apenas com uma troca de pneus acabou se dando mal na corrida número 900 da Ferrari.

E a vitória ficou com os carros da Mercedes já que nem seus cones onboard conseguiram atrapalhar desta vez.

4 comentários:

Anselmo Coyote disse...

Essa da Williams foi a la Ferrari.
E a Ferrari, hein, ferrou o Kimi ontem e o Vettel hoje. Cadê o babaca do Arrivabene?

O pior é que esses erros ridículos das equipes fazem alguns incautos pensarem - e o que é pior - publicarem que os erros foram dos pilotos.

O Vettel correu normalmente. O erro foi nos cálculos da equipe.

Sobre o Kimi, veja o que a F1 Mania publicou:

"Os problemas da Ferrari foram compostos também pela falha de Kimi Raikkonen ao completar uma volta rápida no Q2, quando seu carro ficou preso na pista, com problemas no motor na Stavelot."

Eu pergunto:
Então o piloto falhou, o motor quebrou e por isso o carro ficou preso na pista? É o que o texto diz.

O cara escreve uma bobagem desta e depois informa que sabia das seguintes informações:

1. As primeiras informações da Ferrari eram que houve uma queda na pressão do óleo, que levou à falha.

2. (Declaração do piloto) “Problema com a unidade de potência e tive que parar. Perdi a potência e senti que tinha que parar. Quando o carro voltar para a garagem, veremos o que acontece”, disse Raikkonen.

É osso. Depois ressaltou que o Kimi foi advertido por ter ido com muito ímpeto sobre o Grosjean.

Ora, primeiro, eu não vi isso (nem o ímpeto nem advertência - mas pode ter acontecido). Em segundo lugar, o cara custa a ter um ímpeto... (rsrsr). Em suma, se não tem ímpeto está dormindo. Se acorda, leva advertência. É muito desconhecimento mesclado com má vontade.

Agora, se quiserem manter coerência tem de insistir na burrice e publicar que o Vettel é o culpado pelos pneus não terem aguentado. Se não publicarem algo nessa linha vai ficar a impressão de que a preferência deles pelo Vettel (eles tem direito a isso) os cega e lhes corta uma perna, fazendo com que andem mancando (dando mancadas, seria?) desta forma.

É dureza.

Nem um nem o outro piloto mereciam ter suas corridas comprometidas por erros tão primários. O do Bottas então foi de doer.

Abs.

Marcelonso disse...

Groo,

A corrida foi morna, mas teve alguns momentos interessantes na parte final. Kvyat passou uns quatro no mesmo ponto - fim da reta, o moleque russo foi muito bem.

A Williams foi juvenil demais..


abs

Manu disse...

Dureza, como disse Coyote acima.

Mas olha, Spa não merecia uma corrida dessas não, de forma alguma. Foi horrível! ¬¬' Salvo ver uma careta "semi-nova" no pódio, nunca eu diria que era uma corrida de Spa. :(

Rubs disse...

Depois dessas asas, só falta aquele mecanismo usado por Dick Vigarista, que elevava a suspensão para passar por cima do carro da frente. Foi isso que fizeram com Spa. Ao menos veríamos muitas ultrapassagens em Mônaco.
Aquele mecânico da Williams... eu podia jurar que era o Larry dos três patetas com capacete. Quando nada dá certo, só resta uma coisa a fazer: trazer o homem do acerto. E o melhor acertador de todos os tempos é o Inacreditável Barrica.
Kimi está só usando a mesma estratégia do Viking Ragnar Lothbrock: fingindo-se de morto para comer o Sebastião.

E Amiltinho não perde uma. O homem é um lima KF, um esmeril. Pega todas, desde bêbadas sem dono até loiras inglesas maduras e conservadas que ainda dão um caldo. Dizem que a Gretchen e Preta Gil estão de olho no GP Brasil.
Abs.