10 de ago de 2015

Pequena maldade

-E ai cara!  Beleza?
-Sussa... E você?
-Cansado. Mas levando. O que está fazendo por aqui?
-Vim no cartório. A patroa está pressionando para casar.
-Achei que você já era casado.
-Não, não... Apesar do tempo que estamos juntos, dos filhos...
-E resolveu casar agora?
-É... A patroa andou falando, insistindo... Pressionando. Quer casar.
-Acho legal.
-Mesmo?
-Claro...  Sem duvida. Mostra compromisso e tal. É bacana.
-Não sei se vamos não... Fui ver o preço do casamento, uma facada.
-É. Barato não é não.
-Acho que é por isto que tem tanta gente na minha situação.
-Não é de se duvidar. Bom, vou indo.
-Tá... Foi bom te ver... Mas... Espera!
-Hum?
-Cara, quanto será que sobram por aquele casamento com um montão de gente?
-Comunitário?
-Deve ser... Não sei o nome. Aquele que ficam os noivos numa corda e tal.
-O conceito é de “casamento comunitário”, mas tem outro nome.
-Espera ai, me deixa pensar um pouco que eu lembro.
-Tá...
-Ah, lembrei! União homo afetiva.
-Sério?
-É.
-Vou voltar lá no cartório.
-Vai lá...
-Obrigado, viu.
-Não tem de que...

4 comentários:

Magnum disse...

¿Só eu que não entendi?

Marcelonso disse...

O cara sacaneou legal, Groo...


abs

Manu disse...

Hahahahaha... sim, maldade. Mas, quem nunca?? xD

Rubs disse...

Então, essa eu já tinha lido.
Abs.