10 de mar de 2017

Um Who que não é nem sombra...

Se há uma coisa que ninguém pode negar é que Keith Moon é um cara legal.
O baterista do The Who não só influenciou um zilhão de outros operadores de baqueta, amassadores de aro e espancadores de prato ao redor do mundo, como também deu nome ao Led Zeppelin. (-Vocês fazem um som pesado como chumbo, mas voa... Que tal se...).
Na folha corrida de seu folclore também consta banheiros de hotel explodidos (Não podia se hospedar no Sheraton, no Hollyday Inn, no Waldorf Astoria e em nenhum da cadeia Hilton de hotéis...), objetos incendiados atirados de janelas (moveis, TV´s etc) e até dirigir um Lincoln Continental para dentro de uma piscina em sua festa de vinte e um anos.

Keith até deu a chance a um fã de tocar no seu lugar com o The Who em um show nos EUA em 1974.
Depois de chapar o coco com muita vodka e – acredite ou não – tranquilizantes para cavalos, desabou sobre os tambores de sua bateria.
Ao notar que o baterista havia dado PT (perda total) Pete Towshend foi ao microfone e meio sem jeito disse: “-Tem algum baterista na plateia?”.
Ainda mais sem jeito, Scott Halpin se apresentou e acabou ganhando seus quinze minutos de fama ao tocando três músicas com seu grupo predileto.
Tem como negar que Keith Moon é um cara legal?

E é por estas e muitas outras que este The Who que foi confirmado para a edição (mais fraca de todos os tempos) do Rock in Rio não me empolga.
Não tem – já há tempos – Moon e nem John Entwistle, já falecidos....
Uma multidão de músicos convidados em seu line up e nada de relevante há anos. São só e apenas, uma banda cover.
Não é que não goste da banda, mas irrita este oba oba dos “novos” fãs que só sabem quem são por conta das aberturas das diversas séries CSI ou no máximo, pela “música do moleque cego que joga fliperama”.

4 comentários:

Rubs disse...

A primeira ópera rock da história da música popular.
Roger Daltrey e Peter Blandford Townshend não são responsáveis pela popularização de manada que se apropriou de suas criações, assim como David Gilmore não pode ser responsabilizado por ser celebrado em discotecas e entre farofeiros.
Respeite os remanescentes Ron Groo, ou admita que não gosta de poesia.
Be good.

See me, feel me, touch me, heal me
See me, feel me, touch me, heal me
See me, feel me, touch me, heal me
See me, feel me, touch me, heal me, heal me

Listening to you I get the music
Gazing at you I get the heat
Following you I climb the mountain
I get excitement at your feet

Right behind you I see the millions
On you I see the glory
From you I get opinions
From you I get the story

Listening to you I get the music
Gazing at you I get the heat
Following you I climb the mountain
I get excitement at your feet


Ohh, right behind you I see the millions
On you I see the glory
From you I get opinions
From you I get the story

Listening to you I get the music
Gazing at you I get the heat (heat)
Following you I climb the mountain
I get excitement at your feet

Right behind you I see the millions
On you, oh I see the glory
From you I get opinions
From you I get the story

Ohh, listening to you I get the music
Gazing at you I get the heat
Following you I climb the mountain
I get excitement at your feet

Right behind you I see the millions
On you I see the glory
From you I get opinions
From you I get the story

https://drive.google.com/open?id=0B9C5621e-0A1UFU5dU1zbEN0Qkk

Rubs disse...

David Gilmour* fuck touchscreen.

Anônimo disse...

86400 segundos. 3 segundos. Quebrava casa de amigos também. Matou o motorista/ segurança dele. Daí a loucura nas drogas e álcool aumentaram. Não era tão legal assim. A destruição acelerou após o episódio, dito por um amigo às 4 horas da manhã depois de muita cerveja nus corne, fanzoca do The Who. deixe eu lembrar porque estava cheio de malt 90 e bem zirigidum naquela madrugada. Seu Lua estava numa cidade inglesa, num pub quando, reconhecido, o inferno instalou-se na Terra. O motorista botou ele prá dentro do carro mas a turba apaixonada e ensandecida, tão pirada quanto o ídolo, partiu prá cima do carro. O motorista virou o que era e saiu do veículo, virando segurança mas um contra sei lá quantos bobocas não tem jeito. Imagino( meu amigo disse e repito suas palavras) os caras tentando entrar dentro do carro, batendo nos vidros, fazendo de joão bobo o automóvel. Apavorado, cheio de drogas e bebida, deve ter visto monstros( zumbis...), Moon assumiu o volante do carro e acelerou. Foi embora. Quando parou, longe, o segurança estava preso debaixo do carro, morto, claro. O Lincoln Continental na piscina deve ser verdade. Agora, não me lembro se foi antes ou depois da morte do motorista/segurança.
Legal nada. Um malucaço ! Mas um baita baterista apesar de não ver grandes diferenças entre os outros baitas bateristas. Dizem que o baterista do Led é o melhor. Tá. Fico com o Ringo e o Phill. E o João. Abe Laboriel Jr, falam pouco mas todo o show do Paul, a felicidade estampada na cara do beatle( o senhor está certo, não existe ex-bitou) para com seu baterista é impressionante. E é uma figuraça ! Sem drogas...


600 segundos porque parei para bocejar.


M.C.L.

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.