27 de ago de 2014

A mentira de Lewis e a Mercedes totalmente perdida...

Assim que acabaram as comemorações pelo fim da corrida com a grande vitória de Daniel Ricciardo, incluindo a entrevista coletiva protocolar, a Mercedes convocou os dois pilotos para dar explicações pelo incidente ainda nas primeiras voltas, onde Lewis Hamilton saiu prejudicado por um toque com Nico Rosberg.
E Nico tem a pontaria de Guilherme Tell
Pano rápido: na entrevista coletiva Nico disse (e todos ouviram e viram) que o incidente foi toque de corrida.

Voltando ao pós-corrida.
Acaba a tal reunião e o primeiro a sair correndo para dar declarações é Lewis Hamilton.
Diz para a imprensa inglesa que Nico admitiu ter batido nele de propósito.
Está criada a celeuma.

Lewis vem reclamando continuamente de estar sendo desprestigiado no time e que Nico tem feito manobras desonestas (aquela escapada em Mônaco é um exemplo do chororô) para garantir suas vantagens.
Manobrou de forma espetacular ao manipular a opinião pública contra o alemão que todos ouviram dizer que foi coisa de corrida na coletiva, mas ninguém ouviu admitir nada sobre ter sido de propósito.
Uma declaração sob as luzes e outra nas sombras.

Por seu lado, o time (que deveria ter sido o primeiro a se pronunciar e não o fez) não teve outra opção senão calar sobre o assunto. O que até aquele momento valia como admitir que Lewis estava certo.
Dando razão a Lewis, afagava-se seu ego e sufocava – em primeira instância – a crise.
Hamilton posaria de vitima, ficaria com a “razão”.
Rosberg com os pontos da corrida e meia mão na taça.

Se naquele momento o time desse razão a Nico desmentindo Lewis, daria argumentos para que o inglês continuasse a choramingar pelas páginas e sites que estava sendo sacaneado.
Algumas horas mais tarde, Toto Wolf, em nome da equipe, disse publicamente que o toque não havia sido proposital, mas que isto não mudaria o cenário.
Rosberg também viria a desmentir que tivesse admitido algo e reafirmar que havia sido um incidente de corrida.
Ou seja, Hamilton mentiu.

E vale lembrar que não é a primeira vez que Hamilton se vale de uma mentira.
Na Austrália em 2009 foi excluído da corrida por mentir ao dizer que não havia recebido uma instrução e o rádio da equipe lhe entregou de bandeja para as ações da FIA.
O que lhe valeu uma reprimenda.

Em seu último ano de Mclaren, Hamilton divulgou no twiter os dados da telemetria de seu carro como forma de protestar pelos maus desempenhos, o que irritou o time.
Neste ano, já tentou desestabilizar Nico Rosberg acusando-o de ser desleal em disputas na pista, forçando uma bandeira amarela no Q3 em Mônaco quando estava em volta rápida pela pole position, dizendo que sempre tem problemas (como na classificação do GP belga) e até declarando que Nico nem é alemão, mas nascido em Mônaco.
Por estas é que Lewis também pode ser chamado de Pinóquio de Ébano.

Por outro lado, o imbróglio é bom para todos os expectadores que ainda vão se divertir muito com as cabeçadas da Mercedes que está perdidinha na guerra de vaidades.
E isto porque nem tem rivais pelo título, imagina se tivessem...

7 comentários:

Tiago Montoya disse...

Irônico como alguns personagens fazem questão, por puro narcisismo e egoísmo, transformar o circo do espetáculo em circo de polêmicas.
O Hamilton é um grande piloto, mas aquela coisa de "vencer a qualquer custo, e vender caro toda(ou nenhuma) derrota" parece fazer parte do caráter e do temperamento desse cidadão, e o pior que tem sites expecializados em notícias por aí que dão a maior moral pra esse cara, eu hein, lamentável.
Foi bem lembrado o episódio na Austrália, e tem também um no GP da Europa em Valência em que o "Malonso" chia por ele acelerar em bandeira amarela, só depois de tantas voltas que ele foi punido e o Mala chegou ao disparate de dizer que o GP foi manipulado, se retificando depois.
Mas que é engraçado, se ele erra naturalmente se cala, mas se acontece com ele, é toneladas de polêmicas, o piloto em questão.

Manu disse...

É tanta frescura que dá uma preguiça... É perigosíssimo que com essa bobagem toda, o Hamilton saia vitorioso ¬¬'

Abs!

Hamilton disse...

Hamilton é o Barrichello inglês.

Vander Romanini disse...

Eu na verdade não sei quem está certo, mas que a imprensa tâ forçando a barra, tá!
Querer transformar os dois em Senna e Prost, é testar minha inteligência!

Vinicius disse...

Hamilton é um chorão de primeira grandeza...

Jorge Ortiz disse...

Pode até ser "toque de corrida" como estão argumentando... mas na segunda volta???

É bem estranho.

Quando o Senna choramingava as "viúvas" (que agora descem a lenha no Hamilton) achavam certo.

É engraçado, né não?

Marcelonso disse...

Groo,

Hamilton guia muito, mas não sabe lidar com a pressão, é fato.

E como disse nosso amigo no comentário acima, a imprensa insiste em tentar recriar uma disputa que está muito longe de ser como foi o duelo entre Senna e Prost.

abs