25/07/2014

Sobre quatro rodas no exterior

Quem curte notícias sobre o mundo automotivo e não perde a chance de estar sobre quatro rodas, pode usufruir desse gosto quando viaja para o exterior e aluga um carro.  O número de turistas que opta por esses passeios, digamos, com maior liberdade – você é dono do seu tempo, tem crescido muito e com ele o número de locadoras para clientes do Brasil.
O que mais entusiasma o brasileiro a alugar um automóvel em outro país, principalmente na Europa, é a qualidade das estradas e a segurança. Quem gosta de dirigir não hesita em experimentar as autoestradas europeias com seus altos limites de velocidade. Mas para tal façanha há um planejamento que deve ser feito com antecedência para não sentir tanto no bolso.

1- Antecedência – esta é a grande diferença
Mesmo que você ache um saco ter que coletar informações, comparar preços e pesquisar, abra uma exceção – pense no seu bolso. Deixar para escolher o carro assim que chegar no país fora do Brasil vai aumentar em pelo menos 40% seus gastos, portanto quanto antes melhor.

2 – Não engula todo tipo de oferta
Só pague pelo que você vai precisar e usar. Quando você se dirigir ao posto da locadora para pegar seu carro alugado e sair dirigindo, o funcionário certamente vai oferecer um rol de serviços, cada um tem um preço, use somente o que faz parte da sua necessidade.
Se você reservou um modelo X e ao chegar ser informado que algum problema ocorreu, só aceite outro carro caso o preço não seja tão elevado do que você estava disposto a pagar.

3 – Faça a reserva e economize
Quando você fizer a reserva do automóvel, confira descontos que são possíveis obter. Faça uma cotação do seguro do carro para garantir os melhores preços. Como as locadoras sempre estão de olho em turistas preparados para usar seus serviços, o atendimento online e por telefone é uma chance de conversar e pedir os descontos.

4 – Faça sua vistoria
O documento com as informações sobre o carro alugado deve estar de acordo com a realidade, ou seja, no momento de pegar a chave do veículo, dê uma olhada se há avarias e se elas existem devem estar expressas na papelada. Caso contrário, no fim das contas você vai pagar por elas.

5 – Abasteça mais barato
Um grande dilema é se é melhor sair da locadora com o tanque cheio ou não. Mais uma vez, você deve se informar quanto custa o valor por litro do combustível local. Muitas vezes a locadora aproveita a comodidade do turista para entregar o carro com o tanque cheio, porém aplica no preço, uma pesquisa pela net dá para solucionar a questão. Só pague o que precisa usar, esse é o pensamento.

Você já dirigiu no exterior?

23/07/2014

A crônica do GP: E se a transmissão da F1 for para outra emissora?

A emissora oficial da F1 no Brasil resolveu, sabe-se lá porque já que não houve explicações, não transmitir a classificação oficial do GP da Alemanha no sábado (21/07) e logo começaram as especulações sobre o futuro das transmissões em TV aberta.
Não sem um fundo de razão, já que com a queda da audiência o produto (que não é barato) desencoraja possíveis novos anunciantes a continuar injetando dinheiro.
Há a possibilidade de que a categoria vá apenas para a TV fechada ou a esperança de que possa mudar de casa televisiva, indo parar em outra emissora qualquer de grade aberta.
E como seria a transmissão em outras emissoras?

No SBT, Galvão, Burti, 1B, Mariana, e Courrege seriam trocados por:
Matheus e Aninha, do Bom dia e Companhia.
Na classificação, os pilotos ligariam para o programa e depois de participar do jogo da velha o japinha perguntaria se o cara prefere o biscoitinho da sorte ou o papagaio do realejo e depois rodaria a roleta e todos ficariam gritando: “pole, pole, pole”.
Mas cairia na quinta posição.
Ah! Detalhe... O tio do realejo seria o Pizzonia (SBT adora contratar nego sem expressão pra ser comentarista) que diria para o papagaio: “Dá um beijinho...”

Na Band teria a Renata Fan, o Denílson Show, o Edmundo Animal e todos seriam capitaneados pelo Milton Neves.
Renata Fan diria que entende muito de automobilismo porque estudou “deterioração de pneu” assim como disse que fez curso de tática de futebol. Só nunca explicou onde.
Denílson Show falaria um monte de merda sem sentido porque é só o que sabe fazer.
Edmundo Animal faria comentários mais centrados, não muito...
E Milton Neves daria um jeito de assinar contrato com tudo que é patrocinador de tudo que é carro do grid. E também de colocar a água “pureza vital” como principal sponsor do Massa.
O ruim é que a cada duas voltas teria parada para comercial que duraria pelo menos sete minutos.


Não dá para saber como seria na Record, afinal, quem assiste aquela bosta?

Na Cultura, a cada corrida, alguém seria convidado para o centro do Roda Viva.
Só o Kimi que não.
Ele iria para o Provacações, do Abujamra.
Infelizmente, Abu não conseguiria provocar reação alguma no finlandês... A não ser, claro, se o proibisse de beber antes e durante o programa.

22/07/2014

Lado B do GP - Alemanha.

O Lado B abre com mais uma panca do Massa na primeira volta.
Koba, Kimi, Magnussen...
Curiosamente, as batidas do Massa abrem o Lado B e fecham suas corridas.
Azar?
Também... Claro!
Mas ficar longe destes caras também é recomendável.
Porém, se continuar assim, logo o Massa vai ter que ficar longe de mais da metade do grid.
Impressionante como todo mundo bate, toca ou atrapalha o Massa em alguma parte do fim de semana.
A foto está do lado correto.

Há quem diga que a F1 não emociona, não atrai mais adolescente que – ao que parece – não estão mais ligados em carros como tempos atrás.
Então a categoria resolveu inovar e ousar.
Fez uma nada sutil junção de velocidade e pornografia.
Se não foi isto, como explicar as “DP” em cima do Kimi Raikkonen?
Em certos momentos parecia pornografia sueca.
Uma loirinha no meio de dois...
Deixa pra lá.
F1 erótica: Brazzers ou pornô sueco?

E Hamilton?
Pô... O cara sai dos boxes, passa todo mundo e ainda vai parar no lado B?
Claro!
O cara vem passando do jeito que dá.
Toca em um, toca no outro.
Bate a roda dianteira em um, quebra a asa do outro...
É um espetáculo à parte, claro, mas a bem da verdade nem precisava: com o carro que tem, as ultrapassagens seriam naturais.
Mas o cara age como se tivesse ejaculação precoce e não conseguisse se segurar.
Por fim, perguntinha:
Não estivesse pilotando esta Mercedes sensacional, que lugar teria chegado o Zé Gotinha da Petrobrás largando lá de onde largou?
Apostaria em décimo, se chegasse, claro.

Menção honrosa à falta de critério da FIA que deixou de por pontos na carteira de Adrian Sutil.
Ah! Tá estranhando o pedido de punição para um cara que teve o azar de rodar e quebrar o carro na pista?
Óbvio!
O cara deixou o carro parado na pista, em lugar perigoso e nem sequer teve a consciência de colocar o triangulo para avisar quem vinha de trás...
Imagem antiga mostrando que Sutil sabia sim o que tinha de fazer.

20/07/2014

F1 2014 - Alemanha: Tradição, ainda que mutilada

Um GP na Alemanha, mesmo no mutilado Hockenheim é sempre esperada com ansiedade.
Tradição - às vezes – conta muito.
E tradição é coisa que se constrói com o passar do tempo, com muita paciência e história.
Só que na F1, tão rápida, até tradições se criam velozmente.
Ou como explicar então que, mais uma vez, Massa fique de fora de uma corrida na primeira volta?

O acidente envolvendo o duble de piloto foi visto pelos comissários como “de corrida” e ninguém foi punido.
Em termos.
Foi de corrida sim e mandaram muito bem em não dar punições a ninguém já que a maior delas (ficar fora de uma prova muito promissora) já tinha sido aplicada.
Resta ao Felipe esperar pela Hungria e ao Magnussem que aprenda a pilotar.

Em outros pontos da prova a tradição alemã de boa provas também esteve presente.
Brigas em diversos pontos da pista e por vezes envolvendo três carros ou mais.
Sobrou para Kimi Raikkonen que está fazendo hora na F1 tomar passões duplos por duas vezes.
E não sem algum prejuízo além da perda da posição: foi tocado de todos os lados.

Hamilton também foi um show à parte.
Largando dos boxes, recuperou posições com a força do melhor carro do ano e com sua já tradicional (olha a tradição aqui também) falta de paciência e afoiteza.
Hamilton pilotando parece aquele cara que leva a menina para o motel e pergunta: “-Vai ser bom, não foi?” caindo de lado e dormindo.

Ainda houve boas brigas entre Alonso e Daniel Ricciardo, que muita gente (eu incluso) tem que admitir: o australiano é muito melhor do que se pensava.
Sabe ultrapassar e sabe se defender.
Embora defesa, geralmente, tenha prazo de validade atrelado à vida útil dos pneus.

E acaba que a vitória ficou com Rosberg de ponta a ponta.
Será que é este ano que a tal tradição (olha ai de novo...) de que um país que ganha o mundial de futebol não ganha o de F1?
Eu aposto que sim.

17/07/2014

A copa em charges (que ainda não aprendi a por marca d´água)

Não é uma tentativa de contar a copa, mas sim algumas de suas passagens.
E também para resgatar algumas coisas que só coloquei no facebook.


A copa começou com a lembrança da primeira copa, 1930 e da Bolívia tentando fazer média com os donos da casa...

Brasil se dá bem na estreia e a Inglaterra nem tanto, mas a Espanha....

Daniel Ricciardo sabe que existe algo mais na vida além de futebol...

E Kamui sabe que perder no mundial nem sempre é a maior vergonha

O Brasil iria enfrentar o México na segunda rodada, Massa já tinha enfrentado antes e... Se dado tão mal quanto.

E Kimi mostra toda sua empolgação, seja lá com o que for...

E quando Portugal foi eliminado na primeira fase, Alonso começou suas vinganças.


Só que a Espanha durou ainda menos no torneio.



E teve também o Luiz Suarez mordendo um italiano...
 E, claro, pedindo desculpas.

E quando o Brasil tomou uma sonora sapatada, a voz (e que voz) da razão deu as caras.

E Alonso pode se vingar da pachecada brazuca.

E o quando a Argentina eliminou os Suiços...

Porém a taça ficou mesmo foi com os alemães e um antigo desafeto do goleiro campeão do mundo deu o troco em um cara que foi até o estádio, lá no Ceará, só para xingá-lo.