10 de fev de 2016

Enter 2016

O ano acabou, começou outro.
Janeiro e por fim carnaval.
Durante este período o blog ficou parado, de férias mesmo.
Merecido? Sei lá... Desde que foi fundado em 2007 é a primeira vez que isto acontece.
Foi bom?
Pracaralho!

Começa uma nova temporada.
Os assuntos serão abertos, como sempre... Não vejo necessidade de prender os temas em F1.
Claro, ela estará presente, mas se achar que tenho de por uma receita de frango com cerveja, vou por.
E se achar que não tenho que escrever nada sobre certo assunto, ficarei quieto.
Todas as opiniões serão bem vidas (e todas serão lidas).
Algumas serão respondidas, se bem ou mal dependerá da educação com que ela for exposta.

A intenção é divertir e com isto, divertir o autor.
Não é um blog de humor, mas vai fazer uso da ferramenta toda vez que achar necessário.
Não é um blog de política, mas vai ser incorreto com ela toda vez que... Ah, dane-se.

Por fim é bom voltar e segunda feira o ritmo normal retorna.
Espero que os amigos e leitores do espaço não o tenham esquecido.
That´s all folks! (For now, of course).

Ps. Esqueçam o frango com cerveja…

24 de dez de 2015

Conto de natal: Santa Claus is smoking reefer

Sempre que ia passear na região do Parque Dom Pedro, em São Paulo, ficava encantado com os armazéns importadores de secos e molhados. Desde muito pequeno.
Os aromas, a variedade de produtos como azeitonas, azeites, vinhos, vinagres, queijos e principalmente: mortadelas.
Mas não de uma forma comum, encantavam mais pelo fato de estarem dependuradas no teto.
Passava por baixo das “bexigas” de mortadelas e peças de queijo provolone enormes sustentadas apenas por um cordãozinho.
Porém o sentimento que tinha não era de medo. Não temia que uma das peças despencasse lá de cima e acertasse sua cabeça, mas um troço confuso. Queria agarrar uma das peças e arrancá-la. Sair correndo do armazém com a mortadela nas costas.
Óbvio que não precisava disto, nunca precisou.
Se pedisse quando criança, provavelmente, seu pai teria comprado uma delas e lhe daria de presente. Um presente não convencional, mas um presente.
E agora, depois de crescido, já formado e muito bem empregado, uma peça de mortadela que custa noventa reais não lhe seria problema comprar. O que queria era realizar aquele sonho louco de infância que nunca contou a ninguém.

Naquele natal teve a idéia que alguns chamarão de brilhante, outros de “coisa de jerico”: iria até um dos armazéns que costumava visitar quando criança e colocaria seu plano em prática.
-Boa tarde, posso ajudar?
-Pode sim, eu quero mortadela...

-Senhor, desculpe... Não vendemos fatiados.
-Não, não... Eu quero uma peça inteira.
-Ah sim... E qual?
-Pode ser desta aqui... – aponta com os dedos.
-Bologna ouro defumada... É uma ótima escolha... Vou pegar a faca para tirar ela daí.
-Olha não...  Desculpa, mas eu quero arranca do cordãozinho, e sair da loja com ela sem embrulhar.
-O senhor quer roubar a mortadela? É isto?
-Não... Eu vou pagar... Aliás, quanto custa?
-A peça toda? Noventa e seis reais... É um produto importado da Itália.
-Que bom... Que bom... Então... Eu vou pagar, mas quero eu mesmo arrancar ela daí e sair com a peça sem embrulhar.
-O freguês é quem manda.
-Aceita cartão?
-Claro, claro... Crédito ou débito?
-Débito. Aqui está.

O funcionário do armazém faz a operação e com um sorriso lhe aponta a peça de mortadela que agora pertence ao freguês.
-Só mais uma coisa... O senhor pode fingir que está distraído?
-Como?
-Fingir que está distraído... Assim, sei lá... De costas, olhando para a janela...
-Bem... Tá certo. Já começamos com a loucura, vamos até o final, não é?
Vira e se ocupa com a limpeza das garrafas de azeite extra virgem em uma bancada mais afastada, mas não sem, de vez em quando, dar uma olhada no maluco.
Maluco, aliás, que tentava de todas as formas arrancar a mortadela de seu cordão sem sucesso. Puxava com calma, depois nervosamente, com fortes trancos e chegou até mesmo a se dependurar nela.
Mas nada... Continuava presa a seu forte barbante e pendurada ao teto.

-O senhor quer uma ajuda?
-Acho que vou precisar. Do que são feitos estes cordões? Aço?
-Não, não... Acho que é de algodão cru, mas não sei...
O homem estava abraçado à mortadela como um goleiro que encaixa uma bola.
-O que pode fazer?
-Bom, posso pegar uma faca e dar um talho no cordão. Não cortar ele todo, mas dar um trisco nele, assim acho que fica mais fácil de sair se o senhor puxar com força.
-Tá! Eu aceito.
E o funcionário pega sua faca e dá um pequeno corte no fio. O homem então põe as mãos na mortadela e ameaça puxar, mas se detém.
-O que foi? Tem que cortar mais?
-Não, acho que não... Mas... Queira se distrair por favor? – diz ele com um sorriso.
-Ah... Tá... Tá... Tenha um feliz natal e um próspero ano novo. – e se vira para continuar limpando as garrafas.
O homem se agarra à peça e força com seu peso todo para baixo, chegando mesmo a tirar os pés do chão e ficar dependurado junto com a mortadela até que por fim o cordão cede e o homem cai sentado no chão. Mas com a mortadela junto ao peito.
Então se levanta, desajeitado e dolorido, abraçado à peça e sai da loja como se fugisse.
Do outro lado do balcão o atendente sorri pensando que um dia morre, mas não vê tudo.

Ao chegar a seu carro, um bonito sedan importado, abre o porta malas e joga lá dentro sua aquisição. Seu presente de natal para si próprio.
Entra no carro onde lhe espera sua esposa e lha dá um grande abraço e um beijo.
-Amor, cê demorou... Todo este tempo para escolher uma mortadela?
-É que são tantas! – e sorri satisfeito.
-E que horror... Você esta cheirando a mortadela! Como foi que escolheu? Abraçando?
Ele não responde.
Apenas sorri enquanto vai acelerando o carro pela Avenida. Senador Queiroz enfeitada para homenagear o bom velhinho.

16 de dez de 2015

Pegue o pombo

Num domingo qualquer destes, creio eu, em sua coluna na Folha de São Paulo o poeta Ferreira Gullar escreveu em defesa dos pombos. Aqueles ratinhos de asa que empesteiam as grandes cidades.
Pois eu vou à contramão do poeta.
Lá ele dizia que era contra que se caçassem os bichinhos.
Eu sou a favor.
Sim eu sou a favor da cassação em massa deles. O que, convenhamos é um negócio difícil para caramba!
Cassar pombos... Humpft!

Primeiro. Sabe-se que estes bichos voam por ai em bando.
Da ultima vez que fiz uma contagem de um bando deles voando tinha para mais de quarenta!
É! Quarenta e são uns bichinhos corporativistas que nem comento...
Para se cassá-los é preciso aprovação da maioria. E como disse são uns bichos corporativistas. Ficam naquela encolha:
“-Cassar, sei não. De outra vez quando precisei dele, não me faltou...”.
“-Hum... Cassar, não a gente pode no máximo dar uma reprimenda... Tive negócios com ele e cassar eu nem cogito”.
E assim eles vão se defendendo.

É sabido também que eles têm o desprezível hábito de sair por aí fazendo ‘caca’ em nossas cabeças. Mas vá acusar algum deles disto, vá!
“-Eu repilo. Veemente eu repilo... E repilarei (sic) sempre!”
E tem também a porcaria do voto secreto.
É eles se escondem atrás de uma prerrogativa constitucional que lhes permitem decidir em voto secreto o que fazer com aquele que por acaso falte com o decoro.
Decoro, aliás, é coisa que parece cada vez mais surreal.
Pombo que se presta a receber milho na praça, da mão de velhinho suspeito de ser bicheiro? Que nada isto não fere decoro nenhum.
“-Decoro... Decoro! Pra que decoro? É só um milhozinho, e era pra alimentar meus pombinhos”.  
E são caras-de-pau estes bichos. Negam e juram inocência...
E não adianta gritar espernear. Pombo definitivamente não entende voz humana.
E se esta voz humana vier do povo então.
Pombo não acredita na velha frase ‘vox populi, vox Dei’.

No que acreditariam os pombos?
É certo que existem bons pombos. Já tivemos pombos heróis.
Pombos correio, que prestaram serviços de grande relevância para a humanidade. Agora e aqui é que estes bichos se mostraram uma praga.
É por isto que desta vez me permito ser contrário à opinião de Ferreira Gullar.
Mestre, com estes bichos não podemos dar muito mole não. O melhor era nem deixar nascer. Abater ainda na urna.
Depois só a tiros.
É por isto que sou a favor de se cassar pombos.