20/10/2014

F1 2015 - Alonso: faça seu boato

Desta vez está chato, muito chato...
Se havia uma coisa boa em Fernando Alonso, fora seu talento, era a capacidade de gerar boatos discutíveis e apaixonantes.
Ora... Vá dizer que não entrou nenhuma vez em alguma discussão quando a imprensa espanhola começou – dois anos antes do fato se concretizar – a colocar o espanhol em um cockpit da Ferrari?
Foram tanto boatos em tantos momentos diferentes que até encheu o saco.
Agora, quando está de saída da equipe rossa o máximo que foi ventilado é de que foi mandado embora por se oferecer para outros times. Ou para a Mercedes, dependendo de quem conta a coisa.
Também houve a conversa de que o asturiano iria se juntar a duas empresas e comprar vinte e cinco por cento da McLata.
Seria uma jogada de mestre, voltar como dono a um lugar onde não o trataram muito bem...
Convenhamos é bem pouco.
Então vamos inventar boatos. Tem gente que faz e leva um crédito danado quando algum cola ou dá certo.
Alonso disse que não iria pilotar um carro com motor Mercedes no ano que vem.
Isto tiraria da lista a Williams, uma pena. A Lotus, sorte dele. Red Bull, para tristeza de Newey e, claro, a própria Mercedes, mas... Ele também disse um tempo atrás que a Ferrari seria sua última equipe e como vemos agora, não era verdade, logo:

Alonso na Mercedes!
O time alemão descontente com as atitudes de Nico Rosberg e Lewis Hamilton resolveu mandar os dois embora ao fim da temporada, campeões ou não.
Para o lugar das duas prima-donas que só ganham quando o carro é muito superior o time prateado resolveu contratar Fernando Alonso para um dos cockpts.
A outra vaga no time campeão mundial de 2014 será preenchida pelo ego do espanhol.

Alonso na Red Bull!
Uma reviravolta no time rubro taurino a pedido de Adrian Newey.
Daniel Ricciardo continua no time para 2015, mas Danil Kvyat perde o lugar para Fernando Alonso e deve seguir como piloto de testes.
Não, opa... Boatos de ultima hora!
Após breve reunião com Vladmir Putin, Kvyat recupera o lugar no time, Alonso segue sem equipe e Newey é visto embarcando para a Sibéria.


Alonso na Caterham.
Alonso compra a equipe verde e disponibiliza os dois cockptis para novos pilotos para 2015.
Segundo o espanhol: “-Eu é que não me sento naqueles lixos...”.

Alonso monta equipe própria.
Alonso compra dois GM Ágile 2010, pinta de amarelo e consegue licença de taxista no RJ.
Perguntado do porque de dois Ágile o piloto respondeu: “-Porque são feios iguais aos F1 de hoje em dia...”.

17/10/2014

Financiamento e consórcio: diferenças e vantagens

Não é grande o número de pessoas que conseguem adquirir um automóvel pagando o valor integral à vista; aliás, é um número bem pequeno. Muito em virtude disso que os consumidores à caça do sonho do veículo próprio vêm aderindo cada vez mais a duas modalidades mais amigáveis para tornar o sonho realidade: o financiamento e o consórcio de carros. Neste artigo, você saberá as diferenças entre os dois e as peculiaridades de cada um.

Como funciona o financiamento de carro
O financiamento de carro é o modo “clássico” de aquisição de bens, não apenas de automóveis (o financiamento é muito utilizado também para imóveis). O nome “científico” é Crédito Direto ao Consumidor (CDC) e funciona da seguinte maneira: o consumidor contrai um empréstimo junto ao banco para adquirir o seu carro e toma posse do bem, mas o veículo só será, de fato, propriedade do comprador quando ele quitar todas as parcelas do financiamento.
Essa modalidade requer o pagamento de uma entrada à vista, geralmente de 40% do valor do veículo desejado – quanto maior o valor da entrada, menor o valor das prestações e, por conseguinte, a tendência é uma diminuição das parcelas e dos juros cobrados pela instituição financeira.

Como funciona o consórcio de carro
O consórcio de carro, em um curto resumo, é uma poupança coletiva destinada à aquisição de bens – e assim como no CDC, não apenas de automóveis. Os consorciados (também chamados de cotistas) contribuem com parcelas que formam uma poupança comum a todos os cotistas, que periodicamente são contemplados com crédito destinado à aquisição do bem almejado.
No consórcio de carro, os cotistas adquirem o bem através de sorteio mensal ou lance mais alto, seguindo sempre os termos do contrato celebrado entre os consorciados. Ademais, as parcelas do consórcio tendem a sofrer alterações, consoante a valorização ou desvalorização do veículo objeto do contrato.

As principais diferenças entre financiamento e consórcio de corro
A principal diferença entre o financiamento e o consórcio de carro é que, no primeiro, o consumidor recebe o veículo dentro de semanas; no consórcio de carro, somente após a contemplação, seja por sorteio mensal ou lance mais alto. Assim, o financiamento de carro seria a opção mais indicada para quem tem certa urgência na aquisição do automóvel, enquanto o consórcio é o meio mais indicado para quem deseja planejar com mais calma e não tem tanta urgência na aquisição.
Outra diferença fundamental diz respeito aos juros, que só existem no CDC – com efeito, trata-se de um empréstimo contraído pelo consumidor junto a uma instituição financeira. O consórcio, embora não pratique juros, cobra uma série de taxas (adesão, administração, seguro, etc.), que ainda assim tendem a ser menores do que os juros de um financiamento.

A título de comparação, em agosto de 2013 a revista Época Negócios realizou simulações para a compra de um veículo de R$ 30.000,00 junto à Caixa Econômica Federal. No CDC com prazo de três anos e entrada de R$ 10.000,00, o custo total do financiamento seria de R$ 37.087,94; no consórcio com prazo de 70 meses (pouco mais de cinco anos), o custo total seria de R$ 35.420,40.
Enfim, é mais vantajoso financiar ou consorciar carro?
Pelo que expusemos acima, as vantagens entre essas duas modalidades de aquisição de bens ficaram bem nítidas.
A principal vantagem do financiamento de carro é que o consumidor toma posse do veículo em um curtíssimo período de tempo e, como o contrato é celebrado diretamente junto à instituição financeira, os juros do acordo podem ser negociados livremente.
O consórcio de carro, embora condicione a posse do bem ao sorteio ou lance, não pratica juros, não exige entrada e possui uma série de garantias para o caso de eventuais cotistas deixarem o acordo. Apesar de cobrar várias taxas, elas dificilmente chegarão ao mesmo patamar dos juros cobrados em um financiamento junto a um banco.
Conclusão
Este artigo expôs as principais características, diferenças e vantagens do financiamento e do consórcio de carros. Para que você encontre o que é mais adequado ao seu perfil, recomendamos que você realize cotações junto a diferentes bancos e consórcios.
Se você tem urgência para adquirir o automóvel, o financiamento é a melhor opção. Por outro lado, se você não tem tanta pressa e prefere planejar mais e pagar menos, decididamente o consórcio é o meio mais indicado.

15/10/2014

Insistência que chateia - ou - Chatice que insiste

O chato nem é a indefinição sobre o futuro de Fernando Alonso.
De jeito nenhum...
Sua saída da Ferrari já era vista como possibilidade a algum tempo, só não da para acreditar que tenha sido sumariamente demitido.
O asturiano falador/chorão/marrento e talentoso para cara*ho já teria colocado a boca no mundo e com as chances de título ou mesmo de vitória que tem neste ano, já teria pegado o boné e ido pescar.
Ou pegado a namorada e ido pra qualquer lugar... O que quase se equivale já que a menina tem o shape de uma vara de pescar mesmo...

Mas dizia que não é isto que chateia...
Também não são os rumores que vá correr na Lotus.
Rumores estes detonados pela declaração do próprio que não guiará um carro com motor Mercedes em 2015.
A Lotus vai ter, logo...

Ainda não é isto que chateia...
E nem a teoria maluca de que vai comprar vinte e cinco por cento da Mclata junto com algumas empresas e correr nos carros de Ron Dennis.
Se fizesse isto, teríamos que tirar o chapéu para o espanhol.
Voltar para um lugar onde não foi bem quisto e nem bem aproveitado e ainda por cima como um dos donos é coisa de profissional.

Mas... Nem é...
O que chateia mesmo, de verdade, a fundo...
É ver gente que ganha a vida usando palavras (no plural) refém de uma única palavra em textos e mais textos. Site após site, jornal em cima de jornal...
Igualzinho quando Kimi ficou um tempo fora.
Sabatico é a putaqueopariu, senhores jornalistas diplomados.
Arrumem um sinônimo pelamor.

14/10/2014

Crônica do GP: Contribuição para melhorar a procissão

O GP da Rússia, segundo a lógica da F1 de Ecclestone, foi um sucesso.
Quanto mais chata a prova, mais sucesso é.
Vide Abu Dhabi, Bahrein, Singapura...
E sendo assim, tende a ficar ao menos dez anos no calendário.
Jornalista na sala de imprensa em Socchi
Preocupado com a perpetuação da chatice, o BligGroo recorreu a especialistas (mentira, foi só o escriba mesmo) para, dentro da atmosfera surreal que rege o país e os absurdos que acontecem por lá, achar soluções para animar a prova russa nos próximos anos.
Vamos lá então.
Que tal:

Ter stormtroopers atirando com aquelas armas de laser nos pneus dos carros na reta enquanto o Manowar toca "Battle Hymn":
“Kill, kill óóóó. Kill, kill óóóó”
 
Vladmir Putin retira o exército da fronteira com a Ucrânia e posiciona ao longo das curvas.
Se o piloto que estiver na frente abrir mais que dois segundos para o que vem atrás, fogo nele...

Promover um MMA entre lutadores russos parecidos com o Zangief (do Street Fighter) para trocar porrada com ursos na curva “da vitória”.
Ou melhor... Promover uma luta com russas seminuas, mas com chapéus de pele de urso na reta dos boxes.

Trocar o conteúdo das garrafinhas de isotônico dos pilotos por vodca e, claro, obrigar a beber um gole por volta.

Promover uma seção de selfies para o público russo.
Mas com a prova em andamento.
Não duvide que aparecesse muita gente para tirar, não duvide.

Obrigar os mecânicos, durante a troca de pneus, a ler trechos de livros de Tolstoi, Checov, Dostoiéviski, Bulgakov, Gogol, Pasternak...
No caso das Mercedes irem aos pits, seus mecânicos terão que ler um terço de “Guerra e Paz” para cada pneu trocado.

Colocar Boris Yeltsin totalmente breaco no lugar de Charles Whaiting para dirigir a prova.

Mas aqui no BligGroo nós (porra, só tem o escriba, por que o pronome no plural?) sabemos que a única forma de deixar a prova divertida é acabando com ela definitivamente e esquecer que um dia existiu...

13/10/2014

Lado B do GP - Rússia: Uaáááááááá... (bocejo profundo)

O GP da Rússia já começa trollando.
Quando se dispuseram a fazer a corrida, fizeram.
Sem choro, sim mimimi e sem atrasos ou desculpas.
Trollaram quem?
Manja aquele GP de Nova Jersey nos EUA que nunca sai do papel?
Então... Socchi mandou um abraço.

Felipe Massa parou logo na segunda volta.
A ideia parecia ser ir até o fim com os pneus, já que desgastam pouco.
Mas no meio da prova, parou de novo.
Explicação? Talvez a estratégia incluísse um SC que não veio e não viria nem se um caça russo caísse na pista, de tão larga.
Outra explicação? Burrice talvez...

Kobayashi, o japonês pidão, abandonou a prova bem cedo.
Perguntado sobre o porquê, respondeu: “-Sinceramente não sei...”.
Apostas desta coluna: tédio, chatice da prova, falta de motivação de ficar ali sem ter emoção nenhuma, ir tomar vodca com uma russa bonita, ver uma briga de ursos,

Uma coisa chamou a atenção.
Nico travou as rodas com os pneus na primeira volta e parou para trocar os pneus.
Lewis travou as rodas com pneus de dezenove voltas de uso e ainda assim fez volta mais rápida.
Conspiração?
Sim, afinal estão na Rússia mesmo...

Começo a suspeitar que Putin não seja tão durão assim.
Se fosse, mandaria o exército invadir a pista e colocar Kvyat na ponta da prova.
E Putin manda um recado aos vencedores da prova.