19 de ago de 2014

O companheiro de equipe que poderia ter vencido Alonso

Fernando Alonso é osso duro de roer.
Pega um, pega geral, ainda vai pegar você.
Assim os fãs de Alonso (com voz esganiçada, claro) dizem para todo e qualquer piloto que ouse querer ou ter sido companheiro de equipe do asturiano.
Mas ele próprio também não alivia.
Na última semana, Fernando Alonso deu uma entrevista e disse que seu companheiro de equipe mais duro foi Jarno Trulli e ainda justificou: "-Ele era realmente rápido em uma volta.”.
Mas não é que tenha menosprezado este ou aquele piloto, ou que seja uma simples questão de marra.
Se na opinião do cara, Jarno Trulli foi mais duro de bater – e ainda assim ele bateu - que os campeões mundiais com quem correu. (A saber: Jacques Deusmelivre em 2004 na Renault e Kimi Raikkonen este ano.).
É porque o último italiano vivo da F1 tinha lá suas qualidades.

Mas é curioso que ele tenha deixado de citar um piloto que – muito mais que Trulli – foi uma real ameaça a sua carreira.
E não estou falando de Tarso Marques que em 2001 conseguiu dois nonos lugares como seus melhores resultados contra um único décimo lugar de Fernando;
Nenhum marcou ponto, mas tecnicamente Marques ficou a frente do espanhol e se fosse hoje seria considerada uma surra e poderia ter feito com que os donos da equipe fossem atrás de alguém com mais talento, se é que entendem... ($$$$). Mas eram outros tempos...
Também não é sobre Hamilton que em 2007, apesar do empate em pontos (109 para cada) as quatro vitórias do inglês contra duas do espanhol garantiram-lhe o vice-campeonato.
Uma posição a frente do marrento.

É sobre Nelson Ângelo Piquet, vulgo Nelsinho ou Piquetzinho...
Ok, o moleque terminou o campeonato doze posições atrás do asturiano, mas, naquele episódio do Crashgate em que abriu a boca para denunciar as safadezas de Pat Simonds e do torresmo de sunga Briattore, se tivesse sido mesmo macho e contado que Alonso sabia de tudo... Ah se tivesse contado.

6 comentários:

Anselmo Coyote disse...

Nada como um dia após o outro. Quem era Vettel e quem é Vettel agora? Perdeu a metade dos fãs e ano que vem perderá o resto.
Abs.

PS. Fãs porque ele nunca teve torcedores e sim gente que gosta de quem está ganhando. O cara não torcia, sentava a bunda gorda na poltrona e ficava comendo chips até a bandeirada final e o champanha espirrar no pódio depois da dedada.

Anônimo disse...

Lembro de Silverstone, quando o Piquet Jr tirou o Alonso para bailar embaixo do temporal. Pena que mais tarde pegaria um riacho na pista e deu adeus a corrida, junto com o Kubica. Em Magny Cours também chegou na frente do falastrão. Everson Abreu.

Marcelonso disse...

Groo,

Nelsinho foi um aborto da natureza, um piloto fabricado que acabou em nada...se é que podemos classifica-lo como tal.

Lembro o quanto o Coyote idolatrava o filho de Nelson. Pois é, nada como um dia após o outro.

Quanto ao adversário mais duro de Alonso, não há como negar, foi Hamilton.


abs

Ron Groo disse...

O Coiote torce para um ex piloto em atividade...

Agora, perigoso mesmo foi o Nelsinho... Se ele abre a boca, tchau Alonso.

Rubs Cascata disse...

Ninguém bateria e ninguém baterá Alonso na Ferrari. Não por que se trata de El Cid Alonso Cigano, mas simplesmente porque ninguém bate o primeiro piloto da Ferrari, seja ele quem for, mesmo quando este primeiro piloto estiver com a perna quebrada e fora da competição. Além disso, desde que passou a patrocinar a equipe, o Santander jã colocou algo em torno de 350 mi na equipe.
Por motivos semelhantes, ninguém bateria Alonso em uma equipe chefiada por um mafioso meliante sinistro, como Flávio Briattore. Embora alguns se disponham a bater alguma para Alonso.
Em minha fantasmagórica doxa, Piquet foi o piloto brasileiro mais genial de todos os tempos, capaz de ganhar de pilotos, engenheiros e mecânicos. Imagino que se tivesse feito dupla com Adrian Newey antes dos carros serem teleguiados, triplicaria seus títulos.
Coyote gosta de Kimi simplesmente porque os dois são amigos e bebem hidromel de Salinas juntos. O que não entendo, é que ele poderia reconhecer que Pedro Piquet tem muito mais talento do que o irmão sem, com isso, deixar de ser torcedor e admirador do clã.
Eu troco uma tropa inteira de Nelsinhos por um único Pedro Piquet.

Quanto ao Cigano, todas as vezes que enfrentou companheiros em condições idênticas, perdeu.

Abs.

Anônimo disse...

O Coyote fala do Vettel, criticando-o por ter ganho seus títulos tendo ao lado um companheiro mediano, mas se esquece que fora 88, Senna ganhou os seus correndo contra Berger. Ou Berger foi o segundo maior piloto de todos os tempos, em todas as galáxias, e esqueceram de avisar o resto mundo? kkkkkkk