5 de fev de 2015

F1 Testes (até agora)

Foram-se quatro dias de testes em Jerez de La Frontera.
Se no primeiro texto sobre os testes por aqui o que mandava era a estética, agora o assunto são os testes em si.
Valem muito?
Não. Os tempos nem devem ser levados muito em consideração
São testes para verificar se os carros andam, se tudo está funcionando e o que precisará ser arrumado. Além de outras coisas como mostrar os patrocinadores ou tentar arrumar alguns.

Nesta última linha está a Sauber.
Equipe sem grana e sem patrocínios de vulto, vivendo do que trazem os pilotos e estampando em sua pobre carenagem apenas o patrocinador master do piloto brasileiro e alguns fornecedores.
O time testou bastante, deu muitas voltas e fez o segundo tempo em uma das baterias.
Até ai...
Confiabilidade nunca foi o problema e a “velocidade” mostrada pareceu mais algo do tipo: “Vejam! Nosso carro é confiável e rápido também”.
Vai que cola e alguma empresa se anima em estampar sua marca por lá em troca de alguns trocados?

Na McLaren a coisa ficou escura.
Os testes do time lembraram fortemente os testes da Red Bull no ano passado: poucas voltas, muitos problemas.
Se continuar assim o ano vai ser complicado.
E tem Alonso, o Rei Midas ao contrário.
Desde que saiu da McLaren em sua primeira passagem, todos os carros que guiou viraram bombas.
Por sorte ele é talentoso e como dizem seus fãs xiitas e chaatos: “Alonso é Alonso, tira leite de pedra...”.

Red Bull aparentemente começou o ano como terminou o outro.
Mas a camuflagem pode estar escondendo mais do que a pintura nova e soluções técnicas.
Ricciardo espera que sim.
Do outro piloto ninguém espera nada.

A Ferrari parece ter melhorado consideravelmente.
Andou muitos quilômetros e ainda conseguiu ser mais rápidos - grande coisa - com os dois pilotos.
Uma nuvem pesada parece ter saído de cima da equipe. (Como se diz nuvem em espanhol?)
Vettel vem para tentar provar que há vida longe de Newey.
De Kimi esperamos que compareça as corridas este ano. E acordado, claro.
Na Mercedes tudo parece igual.
O carro é confiável, parece continuar rápido e tem tudo para manter o domínio.
Se mantiver, os dois cones que pilotam lá não tem com que se preocupar.
Se depender deles para algo mais que sentar no cockpit, ai fudeu.

A Lotus não tinha carro, aquilo era horrível, não tinha motor e nem pilotos.
Este ano continua sem pilotos, mas ao menos mostrou que tem um carro mais bonito e um motor campeão.

A Williams também parece estar no mesmo caminho que trilhou em 2014.
É pouco?
De jeito nenhum... Só de saber que não piorou já é um alívio.
Massa está pronto para ganhar corridas e já pediu para e equipe pensar grande.
Bottas também está pronto. Aliás, parece ter nascido assim.

Toro Rosso já disse que vem para tentar o quinto lugar no campeonato.
Já chegou pensando pequeno...
A Force Índia nem chegou ainda.

Agora é esperar pelos próximos testes.

4 comentários:

Rafael Schelb disse...

Nuvem em espanhol é "ALONSO"... rsrs

Javi disse...

Essa e nova..o responssavel de a ferrari ser uma merda e do alonso..entao se com uma carroça um mala como alonso foi 3 vezes subcampea esse ano com um carro bom e um genio como vettel vai ser bem facil ser campeao

Marcelonso disse...

Groo,

Vamos aguardar pela próxima rodada de testes para ter uma ideia mais proxima da realidade...

Mas uma coisa ficou clara, a Mercedes está sobrando. Quando resolver virar rápido, não vai ter pra ninguém.


abs

Anselmo Coyote disse...

1. Se a Red Bull tiver no mesmo nível de 2014 o Smileboy vai dar show de novo.
2. O cone que guiava o Red Bull e que foi enrabado sem dó nem piedade por um novato imberbe vai ser enrabado agora sem dó nem piedade por um bebum, ex-aposentado, dorminhoco e que foi campeão sem ter o melhor carro (o nobre blogueiro conhece algum piloto da atualidade que tenha essa façanha em seu currículo? claro que não).
3. Por falar em cone, ou melhor, cones, uma equipe que apelou para Rubinho, Maldonado e Massa com certeza tem entre seus torcedores os maiores especialistas nesta figura geométrica.
4. Alonso? Muito bom, inegável. Mas sem o Briatore como o auxílio luxuoso de um pandeiro não passou de vice.
5. Quanto ao blogueiro... muito difícil, meu filho. Muito difícil.
Abs.