23 de mar de 2015

GP da Alemanha fora. A Mercedes não se importa?

É uma coisa bem curiosa...
A Red Bull, como se sabe, é uma equipe austríaca embora tenha sede na Grã Bretanha.
Tanto que o hino que toca/tocava após as vitórias de Weber, Vettel e Ricciardo, era o monótono e sonolento hino austríaco, com todo o respeito.
Quando dominava a categoria, o time das latinhas de energético, até onde sei, comprou, restaurou uma pista icônica da F1: A1-Ring, outrora Österreichring e o rebatizando como Red Bull Ring promoveu o retorno do tradicional e de tão boas lembranças Grande Prêmio da Áustria.
Ainda que o tiro tenha saído pela culatra e a vitória no retorno do país a ser sede de um GP tenha ficado com a rival Mercedes (Nico Rosberg), a promoção foi incrível e o autódromo esteve bem longe de estar vazio como em outras pistas europeias.

E óbvio que não é e nem tem de ser regra, mas – como dizia – é bem curioso que agora, ganhando até as partidas de porrinha, cuspe à distância e campeonato de tirar ranho do nariz enquanto espera o fim das corridas, a Mercedes nem sequer cogitou a hipótese de ajudar (apenas ajudar!) para que a prova alemã de F1 seja realizada este ano.
Não há necessidade de fazer propaganda em casa? É isto?
Se a corrida realmente não acontecer, será a primeira vez em cinquenta e cinco anos que a Alemanha não aparecerá no calendário.
Quando a coisa era só com Hockenheinring, não achava ruim não. Depois da mutilação aquilo perdeu todo o charme e a graça, mas ficar sem nada, nem mesmo Nurburgring é de doer.
Já se foi à França, há tempos... Agora a Alemanha.
Nesta batida, logo teremos só os asiáticos, os países árabes e a porcaria das pistas espanholas sediando GP´s.
É pouco heim? Muito pouco.

4 comentários:

Marcelonso disse...

Groo,

Daqui a pouco, como você bem disse, restarão somente as pistas porcarias.
É uma pena, mas é preciso dizer, Bernie Ecclestone tem uma grande parcela de culpa pelos valores estratosféricos que pratica.


abs

Manu disse...

É verdade, a Mercedes nem se mexeu. Mas né, para quê, se quem vencerá é o piloto inglês?

E os os GPs árabes, asiáticos e as pistas espanholas são as mais chatas de todas... ¬¬'

Falta muito para o retorno da NFL?

Abs!

Rubs disse...

Nada há de novo por debaixo do sol. Tudo é dinheiro e vaidade.
A Red Bull tem dois braços: Red Bull Racing (a equipe de pista) e Red Bull Technology (a fabricante, em Milton Keynes). Diante do interesse da Audi, o bilionário Mateschitz pediu a bagatela de 300 milhões de euros pela RBR apenas, deixando de fora a RBT, que emprega o demoníaco Adrian Newey. Como todo movimento de dinheiro tem de passar pelo poder do Tio Eca, o negócio não deslanchou e a Audi passou a torcer para o bom velhinho virar representante comercial de Lúcifer.
A Renault, por outro lado, cogita em comprar a Toro Rosso, enquanto ajuda a afundar a Red Bull. E a Mercedes passa a boicotar os interesses da poderosa Volkswagen boicotando a categoria na própria casa!
Carái véi! Já que a F1 vem se tornando um entretenimento para o Coyote se divertir no asilo, enquanto joga bingo insone, deviam fazer uma série do tipo "House of Cards" sobre a vida de Eca Bostone.
Abs.

Francisco J.Pellegrino disse...

Vcs tem razão nos comentários e o blogueiro-master tb quando fala do circuito alemão retalhado. . Não tirando Spa, Monaco, EUA (cá entre nós bela pista,se falta público é outro problema,mas ainda tem Indianapolis),Canadá, Monza, amico! Japão, o restante pode ir tudo prás cucuias...#prontofalei