23 de mar de 2016

F1 2016: para se prestar atenção

Este espaço nunca foi de ficar esperançoso com equipes novatas.
Quando de uma vez só vieram para a pista as três equipes mais fundo de grid já vistas, o pacote foi tachado de F1 da pouca grana.
HRT/Hispania, Virgin e Lotus Malaia eram umas vergonhas sem fim corrida após corrida.
HRT chegou a ser considerada perigosa pelos outros pilotos de tão lenta.
E é bom confessar que a principio também não levava muita fé no projeto Haas.
Talvez escaldado com o outro fiasco – USF1 – americano, mas aos poucos se começou a enxergar que por trás do ambicioso projeto estavam pessoas sérias já envolvidas em um alto grau com automobilismo. Ainda que fosse o automobilismo americano e suas corridas de taxistas manetas.

Eis que a Haas estreia e faz uma corrida consistente, com bons tempos de volta e consegue terminar com um de seus carros nos pontos. E num sexto lugar muito mais que honroso, diga-se.
Vale lembrar, que na tal “época de ouro” da F1 só se marcava pontos até a sexta colocação.
E pode-se arriscar-se a dizer que se não fosse o acidente entre Alonso e Esteban Gutierrez, o time americano terminaria com os dois pilotos nos pontos, ou na pior das hipóteses, muito perto disto.
E mais: desde o surgimento da Toyota, lá em 2002 - com Mika Salo também chegando em sexto - que um time vindo do nada não estreia tão bem.
Com a diferença que em 2002 apenas oito (de vinte e dois) carros terminaram a prova. Agora apenas seis (dos mesmos 22) abandonaram a corrida.

Se no ano passado a brincadeira era ver qual a profundidade do poço em que a McLaren chegaria, este ano a diversão aparenta ser outra bem mais saudável até: ver qual a altura em que a novata americana conseguirá dar seu salto.
Eu aposto que vai bem o ano todo...

3 comentários:

Marcelonso disse...

Groo,

Foi um bom começo é verdade, mas teve o lado pontual, pela interrupção da corrida.

Prefiro esperar mais algumas corridas em condições normais pra ter uma ideia mais clara da Hass. Por outro lado, é preciso reconhecer o grau de comprometimento e boa estrutura dos ianques.

abs

Anônimo disse...

A HAAS, foi bem, aHAASou ! Piadinha.
Meu nome não está na lista da Odebréxi ! Não sou ladrão ! Só sou chato.

HA !



M.C.

Rubs disse...

Ron, um bom começo é mais da meta do todo.
Uma Ferrari montada na fábrica da John Deer provavelmente ia andar mais do que um Chrysler 300. O mais difícil ia ser o João Groosjoão não bater.
Doravante, torço para o Alonso. Aquele homem só pode ser santo ou descendente do profeta Daniel, cujas proezas foram detidamente investigadas e publicavas por Sir Isaac Newton.
Abs