30 de mar de 2016

F1 2016: Think before you make rules

“Think before you drive” – diz a carranca de Bernie Ecclestone espalhada por todos os circuitos onde corre (corre?) a F1 moderna.
O velho Bernie, que fez da F1 o que ela é em termos de espetáculo e importância se refere ao que vão dizer os pilotos nas entrevistas, ou mais profundamente pensando, para o motorista comum ser mais prudente nas ruas. Tudo depende do ponto de vista.
Mas pensar – mesmo – parece que não tem sido o forte da rapaziada que comanda o espetáculo.
Depois da pixotada que foi a primeira classificação do ano, o mínimo que se esperava é que o maldito sistema de “dança das cadeiras” fosse defenestrado de vez.
Não foi...
Estuda-se a possibilidade de implementar a patacoada mesclada ao sistema antigo, ou quem sabe dar um garibada nele com regras que obriguem os motoristas a irem às tomadas de tempo.
Artificialidade é o nome do jogo.
A pilotaiada já fez sua declaração através da GPDA dizendo que quer exercer de forma mais incisiva a sua voz na categoria.
Já não era sem tempo: pilotos fazem o espetáculo e não hotéis que mudam de cor.
Charlie Whitting respondeu que os pilotos não precisam de outro “palco” para apresentar suas opiniões, que eles já são suficientemente ouvidos.
Não parece... E não parece porque não são.
Aparentemente vem por ai uma queda de braços e tomara que seja das grandes.

Um aparte pessoal: não acredito que a corrida rumo ao oriente engendrada por Ecclestone e seus asseclas (cada vez mais corridas em lugares endinheirados e sem nenhuma tradição) seja “apenas” por mais dinheiro. Deve ter algo a mais nisto tudo.
A declaração do velho Bernie de que a F1 não precisa de um GP na Itália é um indicio.
A F1 pode sim ficar sem corridas na Itália, Inglaterra, Alemanha e até mesmo Mônaco assim como está sem corridas na França há tanto tempo e sobreviver, mas quem iria dar importância?
Estas atitudes do chefão da bagaça faz lembrar aquele episodio de Everybody Hates Chris em que Rochelle diz para o Chris: “-Eu te trouxe para este mundo e posso muito bem te tirar dele.”.
Limar a Itália do calendário seria, definitivamente, o começo do fim.

2 comentários:

Anônimo disse...

Serei sincero. Tá um saco a F1. Quem entende um pouco do assunto não pode achar aquilo bom. Junte grana aos jovens torcedores imaturos do oriente( tirando os japas) e tio Bernie vê dindin entrando !
'Jovens' não necessariamente meninos e meninas de 15 anos, por favor. Sim, posso explicar a falta de GPs em certos lugares do planeta devido a falta de grana mas, tirando a Argentina, com seus fanáticos torcedores durebas da turismo carretera, a França, a Itália e até Mônaco( odeio... mas reconheço. Turisticamente falando, é show ! Tem que chover todo ano lá), quem não vai mais está como M.C. aqui: de saco cheio de regras tolas, de asinha que abre e fecha na reta, de fiscais pentelhos de olho no pilotos que colocarem um pneuzinho na faixa branca, na saída do box, aplicam-lhe uma penalidade. 10 segundos rodando no box. De pneus hiper macios, mega macios, extra macios e super macios. Na tv, de Gagalvões e seus buenetes ! Todos chatos ! Cês acham que é só um a encher o saquinho na tv ? Na tv fechada, assistir corrida no sporteve é um ouvidicídio ! Lá fora, também é um horror. Polla, ouvi um espanhol que dá pena dos galegos. Saco também de circuitos horríveis ! Os autódromos até que ficaram bonitinhos mas as pistas, meu Jesus ! No México, tiraram a Peraltada... A Peraltaaaada ! Alemães, franceses, italianos, que entendem do babado, não vão e dane-se se ficarem sem GP de F1. Estão nem aí pro tio Bernie, o 'Deus' da F1 ! 'Eu trouxe tutu para este circo e posso muito bem te tirar dele também '! Anda querendo vender a F1. Tá vendo lá na frente a desgraça do monstro que criou e quer ficar com a grana. Velho safado ! Bom, os americanos, idem. Entendem de carros e de corridas, e de shows. Entretenimento. Botaram no norte, a F1 ? Que que deu, lá, em Indianapolis ? Para estar cheio, precisa ser no Texas, não ? Bota um GP no Ceará prá ver se não vai indiano, sul coreano, 'adudabino' , 'bahreirense', chinês, 'singapurano', e, óbvio, baiano, paraibano, maranhense, paraense e cearense de montão assistir uma corridinha ? E os turistas paulistanos. Um bando de entendido em F1 ! 99,9% dos cariocas não entendem porra nenhuma de F1 e são 100% durebas. Só um carioca entende. Calculadinho por Oswald de Souza. Eu. E estou 'mais ou menos'. Quer dizer, 'mais para menos'. Diiiillllllma !

HA !


M.C.

Marcelonso disse...

Groo,

Essa F-1 complexa e complicada dos dias atuais, com uma disparidade enorme, está fazendo a categoria perder seguidores dia após dia.

abs