28 de mar de 2016

Pequenas tragédias humanas (3)

Dona Gabriela já era uma respeitável avó quando ocorreu o caso.
Moradora de Mauá, região do ABC Paulista, ia diversas vezes no ano até bairro do Brás para comprar roupas com uma das filhas e seus netos, Dona Gabriela não era muito de ter compaixão com o que via dentro dos trens da – hoje CPTM – RFFSA.
E creia, havia de tudo: crianças vendendo doces, adultos vendendo jornais (Noticias Populares e Diário Popular – hoje Diário de S. Paulo- escorriam sangue pelos vagões), mendigos com pernas cobertas com ataduras putrefatas, camelôs de todas as espécies de produtos, incluindo um que chegava ao vagão e antes de apregoar seu produto lia o horóscopo em voz alta além, claro, dos populares “ceguinhos do trem”.
Era incrível como nos meados dos anos 80 havia cegos nos trens paulistas.
Às vezes entravam dois ou três diferentes em uma viagem de Mauá até a Estação da Luz.
E numa destas viagens um deles entrou na estação do Ipiranga e calhou de Dona Gabriela estar sentada em um dos bancos do vagão que estava cheio. Não lotado, mas cheio.
Ao vê-lo passar com sua cantilena clássica (“-Ajude o ceguinho pelamordedeus!”) aconteceu o inesperado: Dona Gabriela se apiedou e sacou uma nota de cem cruzeiros de sua carteira e colocou em seu chapéu tocando-lhe de leve as costas para avisar que havia feito uma doação.
O homem sorriu e virou o rosto para o outro lado continuando a pedir.
Porém percebendo que havia dado uma nota maior do que queria realmente oferecer, Dona Gabriela num gesto rápido tirou de volta a nota de cem do chapéu e colocou uma de dez sem que o homem percebesse e se sentiu confortável ao olhá-lo seguir seu caminho.
Até que ao sair da estação Mooca alguém tropeçou no cego:
-Ô amigo, não olha por onde anda? – disse o cego.
-Desculpe, foi o balanço do trem.
-Sei... Tá querendo meu roubar?
-Não, não... Foi absolutamente sem intenção, desculpe.
Foi ai que cometeu o ato falho.
-Sem intenção? Então cadê a nota de cem que tava aqui agora há pouco?

Na estação do Brás, um jovem e sua mãe esperavam a chegada da avó no vagão marcado quando ao abrir as portas da recém-chegada composição uma cena no mínimo inusitada se apresenta.
Aplicando uma gravata no pescoço e quase montada nas costas de um cidadão com óculos escuros e bengala na mão, Dona Gabriela exigia em altos brados que lhe devolvesse o dinheiro dado e com a mão que estava livre batia na cabeça do indivíduo com um guarda chuva de cabo de madeira bem antigo (e por consequência pesado).
Os agentes da estação trataram de grampear o falso cego e não viram maior problema em liberar a senhorinha que já estava de posse de seus dez cruzeiros quando chegaram.
Nunca mais vi minha avó fazendo uma caridade sequer depois disto...

5 comentários:

Anônimo disse...

Viajar de trem é bastante interessante para quem gosta de observar as pessoas. Central do Brasil, ramal Deodoro. Anos atrás( êpa !). Um amigo, indo para a Piedade, entrando no trem na Praça da Bandeira, tijucano é, da gema, disse-me ter ido, da estação seguinte, São Cristovão, até Engenho de Dentro, na hora do rush, 6 da tarde, como um saci, sem poder colocar o pé esquerdo no chão devido a lata de sardinha que o vagão se transformou. Sim, saci, porque, depois, sua perna fica formigando e, se não se sentar ou uma massagem muito rápida, cê cai no chão ! Ri, fiz graça. Me esqueci, e, num curso de verão que fazia, exatamente às 6 da tarde, lá ia eu da gare Central do Brasil em direção à Piedade( antiga universidade Grana Firme, ou melhor, Gama Filho), todo pimpão, trem como os bancos lotados, estava em pé mas acompanhado por mais três pessoas, no máximo, eles distantes e na mesma condição que a minha. 40 graus a sombra. A temível estação de São Cristovão se aproximava e um monte de cabeças e troncos( os mais altos) apareciam. Hoje diria 'zumbis' porque todos procuravam, com olhos de canibais e cansados de um dia estafante de trabalho, um lugarzinho 'confortável' dando sopa para enfim chegarem aos seus destinos, suas casas nos subúrbios. Próximos às janelas, claro, para poderem respirar. Lembrei-me do meu amigo. ' Entrei numa cilada, vou sair '!, pensei. Não deu ! Contra a maré não dá ! Tarde demais. Deveria ter ido ao contrário, para próximo de uma janela ou porta, aliás, portas daquele lado do trem que, 'salvadoras', só se abriam uma vez no percurso... Subir nos bancos não dá, né ? Minha vida por uma janela ! Minha janela, minha vida ! Um ventinho, pelo menos. Um mundo de gente entrou na composição. Apertado, no meio, como uma sardinha humana, a bunda de um homem de estatura mediana encostou no meu... uuuurgggh ! minha primeira e única vez gay. Tantas mulatas, negras e morenas gostosas, logo ele ! Fui encochando o cara até a gare Engenho de Dentro. Tentei sair várias vezes vendo a porta abrir e fechar, não conseguia me mover ! Meu braço estendido, como num filme de horror quando o ator é puxado para o lodo, por demônios ou por monstros... Nãããããooo ! Ou, se preferirem, como aquele rato feio sendo puxado pela preguiça para longe da noz, no filme Era do gelo 2 ou 3. Não tinha opção de me livrar dele ! 7 estações ! E ele parecia acostumado... Pior, com o pé esquerdo no ar... igualzinho ao meu amigo ! Na estação, hoje, 'Olímpica' Engenho de Dentro, a maioria desceu para pegar o 'direto'. Estava no 'parador'. Desci junto. Fui andando até a faculdade para recuperar o movimento da perna.

Não estão acreditando ? Façam a viagem. 18 horas de sexta-feira. Verão, mês de janeiro. Central do Brasil. São meus convidados... Hoje, acredito, com mais emoção. Um tiroteio nas comunidades pode fazer com que todo mundo dentro do trem se abaixe mas o movimento tem que ser coordenado. Ha....


M.C.


Anônimo disse...

'Engenho de Dentro
Quem não saltar agora
Só em Realengo
Engenho de Dentro
Quem não dançar agora
Só no próximo baile
Em Realengo...'

Isso mesmo. O direto ! Que agora só para em Madureira, terra do compositor gente boa, Jorge Ben Jor. Cuidado para não cair... da bicicleta ! Cuidado para não pegar, o trem das 6... Parador !


M.C.


M.C.

Marcelonso disse...

Groo,

E fez muito bem Dona Gabriela.


abs



Rafael Schelb disse...

Pena que não existiam smartphones pra filmar a cena... hehehehehehe

Manu disse...

Excelente, D. Gabriela! :D