27 de out de 2009

Tem coisas que não mudam nunca...

É estranho...
Amamos Peterson, Gilles, Stirling Moss e até Regazonni, que nunca ganharam nada. Mas sacaneamos Keke Rosberg, James Hunt, Alan Jones... Sinceramente não consigo entender, apesar de fazer também.
Por que será que todo campeão não tem a mesma medida?
Jenson Button é tão campeão quando Prost, Senna ou Schumacher? Ou só quanto Jaqques Villeneuve, Damon Hill ou Denny Hulme?
Esqueça a quantidade de títulos e cada um, mas pense em termos de haverem ganho um campeonato.
Teriam diferença?

Todos nós temos uma mania estranhíssima de comparar campeões e colocar em alguns o adjetivo de geniais e outros a pecha de medíocres.
Por quê?
Mas se cada campeonato tem uma história diferente, é justo que coloquemos todos no mesmo saco na hora de comparar?

Qual o demérito de Jenson Button em relação ao titulo ganho por Nigel Mansell, por exemplo?
Obvio, Nigel era um piloto mais chegado ao show que à regularidade e acabou sendo campeão com um carro que até seu chefe rotulou como “anti Mansell” de tão perfeito que era.
Mas não vejo ninguém dizendo que o inglês bigodudo era medíocre.

Geralmente fazemos isto em comparação com pilotos do passado e ai não tem jeito, outras eras, outros carros e até outras pistas. Assim fica injusto demais.
Temos o péssimo hábito de dizer sempre que o melhor - seja lá do que for - está no passado.
Seria por que às vezes as histórias escritas são mais empolgantes do que as que vemos acontecer...


O glacê das letras nos faz imaginar muito mais coisas do que a simples visão da cena e creio que será assim daqui a vinte anos quando algum moleque estiver falando sobre F1 com amigos e soltar a sentença: “-Bom mesmo era quando Button duelava com Vettel!”.
Vai saber... Para a gente hoje o Jenson é medíocre, certo?
Errado!
Medíocre, apesar de ter a mesma definição de mediano soa pejorativo. E a gente vai pejorar campeão?
Vamos!
O campeãozinho mais sem graça este Button heim?
Olha só o nível de adversários que teve?
Fósseis como Mark Webber, 1B e Jarno Trulli ou um moleque ainda inexperiente como o Vettel.
E os que prestavam como Kimi, Alonso, Hamilton ou Kubica nem carros competitivos tinham, sem contar Massa, que recebeu uma molada na jaca... E agora o campeão deste ano nem tem certeza de vai ter carro para defender o titulo que ganhou!
É como digo desde muito: Ninguém liga para o Button!
Campeão ou não.

14 comentários:

Fernando Mayer disse...

Bom dia Groo!

Eu nunca achei o Button lá essas coisas nem no periodo em que entregaram um carro bom pra ele em 2004 quando até o Takuma Sato largou na primeira fila de um GP não me lembro exatamente qual. Mas é um piloto comum que estava no lugar certo na hora certa bem como Jody Scheckter por exemplo que só foi campeão por opçao do Comendador Enzo Ferrari que deu prioridade a ele por ser mais experiente do que o Gilles. Até porque dizer que o Jody era melhor do que o Gilles é brincadeira. Já o Mansell era um destes pilotos que fazia a diferença mesmo não tendo um carro vencedor. Aquela prova que ele venceu na Hungria em 89 é uma prova de que ele tinha um controle gigantesco do carro dando aquele drible sensacional em cima do Senna. Enfim, só mesmo o tempo dirá se o Button será lembrado como um verdadeiro campeão ou se isso tudo o que aconteceu foi uma obra do acaso. Eu fico com a segunda opção.

Abç

Paulo Maeda™ disse...

Pois é Groo. Li num blog (num lembro qual agora) que mto se fala dakeles pilotos gênios q não foram campeões e qdo chegam nos q foram campeões (mas sem graça) ae descem a lenha. Acho q o Button sofre por causa do estigma q ganhou, de piloto revelação da Inglaterra que vinha de uma carreira medíocre (no msm sentido de palavra que vc usou no texto, Groo). Agora ficamos nessa lenga lenga, li em outro blog q nem festa ele teve qdo chegou lah no país dele. Q coisa não?

Gabriel Souza disse...

Butto e Chris Martin, separados no nascimento?

Meu post o inspirou de alguma forma? Se sim, fico feliz.

Não vejo - no meu caso, pelo menos - o fato de achar que o melhor de algumas coisas estão no passado como um mau hábito. Quando o faço, baseio-me em constatações e argumentos.

Ou podemos dizer, por exemplo, que a música feita hoje em dia é a melhor de todos os tempos?


Felizmente podemos ver, hoje, o melhor da história em algo - Roger Federer.

Infelizmente não consigo lembrar de mais ninguém.

Abraço!!

Marcelonso disse...

Groo,

Aproveitando o gancho do Gabriel,elencaria Valentino,Loeb só para citar dois fora de série ainda em atividade.

Button fez seu feijão com arroz,quando o carro era estupidamente superior venceu quase todas,depois quando já não era mais aquela Brastemp,administrou a vantagem e teve a sorte de outros times repartirem os pontos.
Nem ele acreditou que era campeão!
Preciso dizer mais?

abraço

andreh disse...

Molada na jaca? Ron vc é hilário! Parabéns!

Felipe Maciel disse...

Pela corrida que fez no Brasil, fica a imagem de que não fez mais porque não precisou. A ultrapassagem no Kubica no Japão também mostrou isso. Ele teve o controle do campeonato, depois de vencer 6 em 7 não iria perder, embora tenha levantando a lebre de supostos problemas psicológicos.

Tem muito piloto mais talentoso no grid, é verdade. Mas não significa que seja um campeão menor. Mas maior com certeza não foi. Até o início dessa temporada, Button era só mais um.
Mas tem piloto que pega um carro de time grande e fica de perna bamba. Button não. Foi lá e ganhou o campeonato. Mérito dele, tá lá seu nome definitivamente na história.

Gustavo disse...

Acho que é o carisma, uns tem outros não.

Francisco J.Pellegrino disse...

Continuo torcendo para o 1B, este Botom nunca pilotou nada...a gente idolatra campeões que nos emocionaram quando pilotavam (Prost,Schumy,Piquet,Senna e outros)....estes campeões atuais como o Botom não passam de James Hunt,Lewis Hamilton, Keke Rosberg e outros. Vc vai idolatrar o Capirossi e esquecer Il Dottore Valentino ?

Leandrus disse...

Acho que tem muita coisa pra discutir aí, rs

Pelo que já li (olha aí a questão de como contam as histórias antigas da F-1) e vi em pequenos vídeos, Gilles e Peterson são idolatrados porque davam show na pista e pareciam ser extremamente talentosos - embora isso signifique as vezes não ter cérebro, no caso de Gilles -, enquanto outros como Hunt e Jones eram bons pilotos e não mais do que isso. Por causa desse "não mais do que isso", pensamos que eles não tinham tanto gabarito para ser campeão.

E é isso que acho de Button. Para mim, é um bom piloto e só. Daqueles para ganhar umas corridas em situações adversas e com alguma sorte chegar numa equipe grande. Daqueles que tem pinta de ser campeão, atualmente, só Alonso, Raikkonen, Kubica, Vettel, Hamilton e Massa (isso é minha opinião, sei que posso ser muito criticado por isso, rs).

Agora, temos que reconhecer que soube aproveitar o excelente carro que teve em mãos e aproveitou todas as chances que teve para abrir uma grande diferença na 1ª metade de campeonato e assim ganhar o título. Ou seja, eu não o acho um piloto para ser campeão, mas fez o seu papel nesse ano e foi campeão merecido. Só não vou lembrar dele com tanto orgulho para os meus netos, rs

Ateh!

Manu disse...

Gostei demais disso Groo. Dependendo do q eu escrever amanhã no meu blog, peço permissão p/ "linkar" esse seu texto.^^
Minha terça feira foi corrida e mal pude pensar num novo post!...

abs!^^

Remédios a bela disse...

Que Maravilha Groo.
Já era sua fã e depois deste tão belo discernimento...Poxa!!! Você me surpreendeu. Mediocridade ativa é uma coisa que me entristece demais. Gostei muito do que li e compartilho dos seus pensamentos.
Sou nova e não vi nenhum deste pilotos que você falou correndo. Quando comecei a entender e gostar de F1 o Schumacher já estava no final de sua carreira e mal pude ver o quão bom ele é. Meu ídolo então é o Kimi pois, este sim puder ver correr. Não gosto de comparações, cada coisa no seu tempo e devido lugar. Eu sou eu e minhas circunstâncias... Cada um com seu mérito. O Button ganhou um campeonato que não foi o meu predileto mas, ele ganhou e é merecedor porque fez o que pode para conquistar isto. Se houvesse alguém em melhores circunstâncias porque não foi ele o ganhador?
Um grande abraço....

Hugo Becker disse...

Ah, quer saber, concordo com vc.

Ainda fico indeciso com esse lance de valorizar o passado. Será que é isso mesmo? Será que valorizamos o passado só porque ele é passado, ou o passado de fato era melhor que o presente?

Bom, quando vi Schumacher ganhar trocentos títulos no começo da década, tive certeza de que estava vendo a história ser escrita.

Quando vi a decisão do campeonato de 2008, também.

A gente sabe quando está diante de um momento histórico, de um momento impactante, único, como a vitória de Vettel com uma ex-Minardi em Monza, debaixo de um aguaceiro desgraçado.

Não dá pra colocar Hill e Button no mesmo balaio. Button está no mesmo nível do Keke Rosberg, e olhe lá. Nem no nível do James Hunt ele está. Hill, aliás, foi um belíssimo piloto que pouca gente dá o devido valor. Se a pontuação da década de 90 fosse a mesma que a da década atual, Hill teria dois títulos e Schumacher teria seis, não sete.

Ninguém liga para o Button.

Renato Bellote disse...

Particularmente acho que o Button mereceu o título, já que venceu as seis primeiras provas e depois teve regularidade.
Porém, teria sido legal uma vitória do Rubinho no Brasil.

www.f1girls.com.br disse...

HAHAHAHHAHAHAHHAA só agora percebi a semelhança do Button com o Chris Martin! Realmente! Separados no berçário!!


Dea