19 de nov de 2009

Conto de fadas moderno ou A Brawn borralheira.

A madrasta não permitiu que a princesa - que nem era tão bela assim - participasse do baile naquele ano.
A princesa - que não era bela - então viveu tempos de agonia e incerteza à espera de um milagre... Então uma fada madrinha, meio vesga e com cara de cearense aparece. Na verdade é um fado padrinho, ainda que isto soe como musica portuguesa...
Ele -o fado - já conhecia a princesa, que no fundo era até bem feinha, e prometeu que: se a madrasta lhe permitisse leva-la ao baile, faria dela uma princesa linda e desejada pelos príncipes...

A madrasta não duvidou da capacidade do fado padrinho (não parece coisa do Roberto Leal?), mas também não acreditou de pronto.
Até permitiu que ele levasse a horrorosinha ao baile, mas por sua conta e risco. Nem o nome da madrasta eles poderiam usar.
Só o antigo endereço.

O fado (o bate o pé, bate o pé, bate o pé) então deu um jeito e fez seu pequeno milagre particular. Deu a ela seu próprio nome e trocou seu coração por um de origem alemã.
Estrelado e prateado.
Mudou sua fisionomia, mas isto – infelizmente - não ajudou em nada já que a dita continuou feia que dói...
Mas principalmente: leu o regulamento do baile e viu que havia brechas nele.
Descobriu que ao invés de usar os trajes exigidos pela organização, poderia aparecer com algo inovador.
Foi o que fez e isto ajudou na mobilidade da manceba ao se locomover pela pista de dança.
No salão, ninguém dançava melhor que a protegida do fado vesgo.
A inveja e a maledicência cresciam a olhos vistos, porém nada podia ser feito já que a direção do baile deu sinal verde para a vestimenta da feiosa.

Ao fim do baile a promessa havia sido cumprida, muitos dos príncipes estavam de olho em sua protegida.
Porém coube ao mais belo príncipe dos últimos anos a honra de ficar com a princesa, e não foi só amigação não, como na maioria dos contos de fada.
Foi papel passado. Casamento no duro! Mudando até o nome e sobrenome da coisinha horrorosa, mas sem ter de mexer no coração que ela agora usava.
Afinal, aquela peça já pertencia mesmo ao príncipe... Especula-se que este casamento fará bem a ex princesa feia, que ao menos a parte estética poderá melhorar muito (já que pior era difícil de ficar...).
A parte financeira não se discute.

Só falta agora o príncipe lhe comprar algumas jóias para lhe adornar a coroa conquistada no baile deste ano.
Há quem diga que talvez um diamante finlandês lhe caísse muito bem, mesmo que junto com uma pedrinha de brilho indefinido vinda das terras do príncipe.
E quem há de duvidar desta combinação?
Por tudo que já aconteceu, eu próprio não duvidaria de mais nada... Mesmo!

9 comentários:

Anselmo Coyote disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anselmo Coyote disse...

Serei seu amigo sempre, Groo.

Gostei do "diamante finlandês". Parece um casamento perfeito.

Mas não gosto de tudo. O tempo passa e eu fico mais rabugento. Aliás, Groo ou alguém aí, muito criativo, poderia criar outra palavra para entrar na moda. Desde que seja diferente, todos vão usar sem questionar.

Esse "ANO SABÁTICO" é uma desgraça. Está em todos os blogs, em todos os artigos, dentro da geladeira, debaixo do capô, dentro do guarda-roupa apertado pondo em risco o ricardão.

Deus me livre. Parece erva-daninha. Parece o "vamos estar fazendo...", "vamos estar te ferrando...", "vc pode estar se f*dendo..." dos operadores analfabetos dos call center.

Nenhum piloto entra em férias, dá um tempo, dá um perdido, some do mapa ou se deleita num belo "coça-saco" regado a vodka e louras finlandesas gostosas. Não. Todos, absolutamente todos, mesmo sem saber que p*rra é essa, estão condenados pelos blogueiros, comentaristas, jornalistas e o c*rajo a quatro a "TIRAR UM ANO SABÁTICO"... Putz.

Abs.

Alysson Prado "Balo" disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Alysson Prado "Balo" disse...

KKKKKKKKKKKKK..BEM QUE PODERIA SER O CONTO ' A FADA DA ESTRELA DE TRÊS PONTAS' OU ' A HORA DA ESTRELA', FAZENDO UMA ALUSÃO AO LIVRO DE CLARICE LISPECTOR , QUANTO AO "A.. SAB..CO" (não colocarei o termo inteiro em respeito ao Coyote que está de saco cheio)poderia ser assim: "KIMI RÄIKKÖNEM FAZ UM PIT STOP EM 2010", seria mais humorístico e inteligente, além de bem simples, mas faz parte do meio jornalístico colocar termos que sejam comuns em todo o planeta, e por aqui as empresas não deixam os seus funcionários terem direito ao A..O ..SABA..O, coisa comum em outras partes do planeta...

Abs.

Manu disse...

Bom Groo, acho que vc já sabe um pouco da minha opinião, não é mesmo? Me cansou horrores essa história de "férias de 2010" p/ não falar o nome dado à situação. Isso é meio irreal. Kimi vai se retirar e não volta, p/ infelicidade de uns e alegria de muitos. Pq pelo que li ontem, sobre isso, descobri muita gente com o coração peludo nesse mundo.

Adorei o "diamante finlandês" e concordo que de ontem p/ hoje me pareceu uma idéia ótima. Ainda mantenho a esperança, e se acontecer vai ser realmente "brilhante"! ^^

abs!

Paulo Maeda™ disse...

"O fado (o bate o pé, bate o pé, bate o pé)"...
Não me aguentei aki e dei uma gargalhada tão alta q todos olharam pra minha cara (tow no trampo) kkkkkk
Pelo jeito o diamante finlandês não vem, então nossa princesa vai ter q se contentar com 2 pingentes alemães (melhor do que 1 bijuteria brasileira...) Flw

Daniel Médici disse...

Cara, eu tava muito com esse assunto na cabeça. Não da Brawn, mas é que tenho lido uns contos do século XIX, em sua maioria realistas, principalmente de Leskov e Maupassant.

E em todos eles, ou quase, se a protagonista é mulher, sempre há uma ponderação em relação à sua beleza (do tipo "Ela não era bonita, mas suas maneiras simpáticas tornavam-na muito querida por todos"). Aí isso me estalou uando li seu post. Vai ver era o anti-romantismo de tentar não idealizar nada.

Mas quanto ao seu conto, nada a acrescentar. Fora que parece que a pedra finlandesa não deve enfeitar a princesa.

Anselmo Coyote disse...

"mas faz parte do meio jornalístico colocar termos que sejam comuns em todo o planeta,...".

Arghhhhh!!!!!!!!!!!

Hoje eu tô dando só pitis. Nem eu tô me aguentando.

Álisson,

Obrigado pela deferência...rsrs. Quanto ao destaque que fiz de seu comentário, volto a dizer: alguém inventa e ninguém questiona; apenas segue repetindo como gado indo para a degola no matadouro.

Que falta faz um livro ao meio jornalístico.

Sabático
sa.bá.ti.co - adj (lat sabbatu+ico)

1 Pertencente ou relativo ao sábado.

2 O que se repete de sete em sete (como na expressão: ano sabático).

Ano sabático: período de descanso remunerado que certas instituições escolares, sobretudo universidades dos Estados Unidos, concedem a seus professores, para fins de viagens de aperfeiçoamento.

O cabra que trabalha só aos sábados tem um trabalho sabático. O que faz sexo só aos sábados tem um prazer sabático e por aí vai.

O Kimi Raikkonen, assim como os outros pilotos (exceto o Nico Rosberg) é analfabeto . Nunca passou nem na porta de uma universidade.

Uma expressão correta repetida exaustivamente enche o saco. É como ouvir de novo "Imagine" ou "Menino da Porteira". Mas, quando ela é a essência da ignorância de quem a cunhou e de quem a repete (achando bonito...kkkkkk!!!)como essa... Putz.

E não me provoquem, porque eu acho que "vou estar dando um tempo para meu piti passar".

Abs.

Alysson Prado "Balo" disse...

De nada Coyote... hoje em dia nada mais se cria...tudo se copia...e cola! rs