5 de nov de 2009

A fuga dos nicômicos (japoneses piadistas)

Estes japoneses são uns piadistas..
Vivem fazendo graça na F1, seja com equipes que não fazem nada de bom, apesar da grana que gastam, seja com pilotos – japoneses ou não – sem muita expressão, mas quando anunciam que vão parar de fazer papel de palhaços com o dinheiro de suas empresas, choram.
Não me causou estranheza ver a Toyota seguir os passos da Honda e abandonar o barco da F1.
Se olharmos bem, a situação é idêntica até: muita grana jogada no ralo e pouco ou nenhum resultado.
A culpa mais uma vez vai recair sobre a malfadada “crise econômica mundial” que, aliás, já deu uma abrandada, mas ao que parece não pros lados do país do sol nascente.

Vamos por ordem de saída.
Primeiro a Honda fechou sua equipe B, a Super Aguri, simpática equipe de fundo de quintal que contava com motores e ajuda financeira.
Quando a coisa apertou – de verdade – a Honda avisou que não injetaria mais um centavo na equipe de Aguri Suzuki e nem forneceria mais seus motores, que naquela época já eram umas verdadeiras bombas...
Ninguém quis comprar o espólio e nada restou à pequena equipe se não fechar as portas deixando de fora das corridas ao menos um bom nome: Takuma Sato.
Alonso agradece. Ao menos não tomaria mais ultrapassagens humilhantes como aquela do Sato no Canadá...

Depois a própria Honda anuncia que não ficará mais na F1.
Os motivos foram os mesmos alegados para fechar a Super Aguri, ou seja: os prejuízos com a “crise econômica mundial”.
Fato curioso e coincidente: após fechar a equipe B, os nicômicos desempregaram o 1B.
Para sorte de Jenson Button - e por que não dizer de Rubinho – Ross Brawn conseguiu convencer os executivos da marca a lhe cederem o comando da brincadeira.
Aproveitando a ótima estrutura de Brackley e um projeto que vinham desenvolvendo a quase um ano, Ross batiza o time com seu sobrenome e ganha os dois campeonatos, de pilotos e de construtores.
Reza a lenda que após verem a então nascente Brawn GP ganhar tudo, um monte de executivos da empresa foi procurar outra coisa para fazer na vida. Inclusive vender sushi com saquê nos autódromos do mundo...

Agora a Toyota surpreende - ou não - indo embora de forma abrupta deixando na mão ao menos dois pilotos: Kazuki Nakajima, que não fede e nem cheira e uma promessa do quilate de Kamui Kobayashi.
Glock e Trulli já haviam sido dispensados e não foram afetados por esta saída.
Mais uma vez a vilã foi a famigerada crise econômica seja isto verdade ou não.

O que não se fala muito é que nem a Honda e nem a Toyota tinham resultados expressivos quando resolveram sumir de cena.
Os nicômicos da Honda ao menos tiveram uma vitória enquanto os da Toyota...
Se bem que a Toyota teve apenas uns pilotos bem quadrados como: Ralf Schumacher, Jarno Trulli...
E a Honda, bem... Jaques Deusmelivre, 1B...

Pensando bem... Se equivalem e não vão fazer falta nenhuma mesmo.
A não ser pelo fato de que teremos menos gente de quem dar risada no ano que vem...


E já está no ar a Edição Pós Abundabe da Rádio Onboard.
E desta vez, Felipe Maciel e eu, contamos com a presença que muito nos honrou de Fábio Andrade, que editava o ótimo blog De olho na Formula 1, mas deu uma pausa para poder se dedicar aos estudos.
Fábio Campos mais uma vez faltou a gravação por motivos de viagem, porém há quem diga que ele já esta de emprego novo na blogosfera...

9 comentários:

Net Esportes disse...

Os japoneses já haviam saído em debandada das competições de Raly, ver a Toyoto resistindo na F-1 é que era de se estranhar .... lamento pelo Kobayashi, tomara que algumas dessas equipes novas de uma chance pra ele .............

Daniel Médici disse...

Esse texto me fez lembrar a obra de Platão sobre a ética. Ela se chama "Ética a Nicômaco" (acho que o referido é o interlocutor de Sócrates, mas não me lembro bem).

E de fato ver os japoneses chorarem com o anúncio é uma demonstração muito clara do conceito de ética deles. O que pra mim, não tem muito de cômico.

Manu disse...

Essa saída da Toyota nem foi tanta surpresa a meu ver... Mas, é esperar o que se acontece então, principalmente com Trulli, Glock e Kobayashi (pq p/ mim, de nada serve saber qual rumo tomará Nakajima).

Ouvi o rádio onboard e devo assinar em baixo em relação aos comentários dessa edição. Achei cômico Alguersuari "ouvindo Fresno"! Que derrota, coitado!^^

abs!

Tohmé disse...

Curiosamente, hoje a Toyota anunciou lucro....

F-1 A.L.C. disse...

poh! pelo menos eles tem vergonha de ir embora! os alemães deixaram miles de aficionados como se estivessem nos fazendo um favor.

mais é claro que os japas,estão tentando ser simpáticos, e dar uma de quebrados acusando a crise económica pra não ter que dizer que a categoria é chata e por isso estão indo.

Daniel Médici disse que com uma chequera não se compra um titulo. mais eu pregunto, será que se a gente tivesse a chequera, que nem os japas, acreditariamos na piada essa? acho que não.

Felipão disse...

a conta dos fabricantes é bastante simples. A escuderia tem de subsistir com as próprias pernas e a equipe Toyota sempre foi completamente financiada pela matriz. Ela nunca teve condições de cortar o cordão umbilical, diante dos dinheiro que foi jogado fora em seu período na fq.

Felipe Maciel disse...

O Sato está para o Alonso assim como o Kobayashi está para o Button.

Esses japoneses não são fracos quando o assunto é deixar campeão do mundo com cara de tacho ehehe

Bruno Santos disse...

Acho que o Jacques não correu na Honda, só o 1B e o Button.
A Honda nem deve ter chorado muito, afinal o motor japonês era um fiasco.
A Toyota vai embora e não deve deixar saudade.

Ylan Marcel disse...

Só lamento por Kamui. Equipe fracassada, esta.