24 de nov de 2009

S.E.P. Sindrome do emputecimento progressivo

As causas, bem como as origens, são desconhecidas.
Porém não se engane, a Síndrome do Emputecimento Progressivo é real e afeta a todos - em maior ou menor escala - em algum período da vida.
Manifesta-se de forma completamente aleatória e sem avisos prévios.
Não há sintomas que facilitem sua identificação e só é possível detectar sua presença quando se manifesta. Então já é tarde demais. Salve-se quem puder.
Veja um exemplo:
Um suspeito de portar a síndrome, observado em seu cotidiano teve reações estranhas a fatos rotineiros.
Acompanhe.
Pela manhã o rapaz passa por um simpático vendedor de zona azul que lhe pergunta sempre a mesma coisa:
-Será que chove hoje?
E quase sempre a resposta é:
-É possível... O tempo anda meio louco.
Já sob a influencia da síndrome a resposta foi:
-E eu vou saber c**lho! Eu lá tenho cara de repórter do tempo?
Atitude que é vista apenas como falta de educação, mas demonstra o inicio do distúrbio de humor.
Tende-se a pensar que a grosserias se dão por conta de algum problema pessoal.
A falta de divulgação de informações sobre a síndrome gera reações e frases que só contribuem para a progressão do mal.
“-Deve ter dormido com a bunda descoberta...”.

Ao embarcar no transporte coletivo, o individuo tende sempre a fantasiar que o condutor está de marcação com ele. Costuma exteriorizar isto de forma pouco lisonjeira:
-Pqp, de novo ce parou o busão onde o degrau de embarque fica mais alto... Ce tá de sacanagem, quando não é isto é poça de água. Ce ta sempre querendo me ferrar!
Geralmente o condutor releva, como mandam os manuais de bom comportamento no exercício da função. Na pratica equivale a fingir que nem ouve.
Porém quando as reclamações passam a ser mais acintosas o profissional do volante geralmente acelera para logo em seguida frear bruscamente fazendo com que o individuo perca o equilíbrio.
-Pqp, ta pensando que tua mãe ta aqui dentro?
Há quem pense que rompantes como os do motorista sejam de vingança. Mas artigos publicados recentemente dizem que a SEP é altamente transmissível à curtas distancias e em pouco tempo de contato.
Geralmente o condutor também tem uma frase maldosa para a ocasião.
-A esposa deve ter dormido de calça jeans!

Ao descer do coletivo o ser sempre tem que disputar o espaço com pessoas que aguardam outro coletivo e quase sempre com alguns camelôs.
O que faz o desembarque do ônibus parecer um suplicio.
O ser salta do degrau; esbarra em uma ou duas pessoas; acerta a barraca de balas do camelo.
-Ca***ho! Só em país subdesenvolvido mesmo pra nego colocar barraca numa calçada onde mal cabem os pedestres...
E mais:
-P**ra! Não ta vendo que aqui é o espaço da porta de desembarque? Tão fazendo o que ai parados?
Geralmente os camelôs são os que respondem mais alto, claro, ignorando a causa do mau humor: -Tá de TPM , santa?

Antes de chegar ao escritório o sujeito ainda passa em uma lanchonete para um rápido desjejum. Já que ao sair de casa estava atrasado e não teve tempo para comer.
Já dentro do pequeno bar o sujeito ouve:
-Café preto?
E responde já completamente tomado pela síndrome:
-Se tiver branco, com pontinhos verdes ou rosados eu prefiro!
Os balconistas são daquela classe que nunca respondem em viva voz, mas com certeza fazem misérias com o café e o pãozinho na chapa do sujeito.
Adentra o escritório ouvindo perguntas do tipo: “-Já chegou?”. Que nem se digna a responder, apenas bufa.
Ao acomodar-se em sua mesa verifica a quantidade de processos pendentes e num ato mecânico apóia o rosto nas palmas das mãos.
Entra o chefe e nem lhe dá bom dia:
-Está atrasado?
-Estou, estou atrasado, com fome, dolorido e muito puto... Por quê?
O chefe acha melhor deixa a entidade quieta até se acalmar.
Mal sabe ele que daqui pra frente a tendência é só piorar...
E muito.
Porém esta síndrome não está descrita e nem é coberta por nenhum plano de saúde do mercado.
O que se for dito em voz alta perto do emputecido pode causar reações de conseqüências inimagináveis.
Gostou do texto?
NÃO? AH VÁ PRA...

10 comentários:

Francisco J.Pellegrino disse...

ótimo texto....porra !

Net Esportes disse...

o papo do tempo às vezes enche o saco mesmo mas eu confesso que já usei ele !!!!!!! é títpico ......... agora se a mulher dormir de calça jeans é pra quaquer um ter SEP ... kkkkkkkkkkkkkkkk

Paulo Maeda™ disse...

grande texto, qtas vezes a gente vê isso no dia a dia neh. Pra quem mora em grandes capitais, eu em São Paulo, ter SEP "faz parte" rsss

Anônimo disse...

pqp, em São paulo quem nao tem SEP nao é normal parece que 99% dos paulistas tem algum nivel de disturbio.

Marcelonso disse...

Groo,

Sinal do tempos modernos,onde vivemos num frenesi,sempre escravos do relógio.


abraço

Manu disse...

Hoje pela manhã minha vontade foi de colocar em prática minha "SEP" que estava adormecida fazia tempos. A gente dá a mão e o povo quer o pé...

Enfim... essa SEP tente a virar rotina!^^

Adorei o texto!^^
abs!

Leandrus disse...

"Adentra o escritório ouvindo perguntas do tipo: “-Já chegou?”."

Acho que é a pergunta que mais odeio no mundo (junto com "A comida tá boa?"), e geralmente não me limito a bufar, rs

Anselmo Coyote disse...

Groo,

O nosso amigo gosta de F1, como é sabido.

O Coalhada, boy do escritório, muito sacaninha, já com a mochila nas costas para ir ao banco, correios etc, entreabriu a porta da sala do dito cujo - só uns 10cm - mostrou a cara e perguntou:

- o Kimi vai tirar um ANO SABÁTICO?!

Não esperou a resposta. Saiu correndo, trombando, pedindo desculpas - tô atrasado, tô atrasado.

Mas diz que não entendeu direito porque aquele peso de papéis passou zunindo perto de sua orelha esquerda e estraçalhou no marco da porta.

Abs.

Bruno Santos disse...

Muito bom, Groo. Tem dias que é inevitável. Quando assusta, já foi a resposta. hahahaha.

aquimesmo disse...

(Glup...)
E o que é que eu faço, doutor?!...