19 de mar de 2010

Art Blakey, apenas por que eu quero.

Não sabia nada da mãe, nunca viu sequer uma foto.
O pai os abandonara antes mesmo do nascimento do garoto.
Na verdade o casamento só aconteceu por que ela engravidou, mas ainda no dia da cerimônia ele achou um jeito de pular fora da vida de casado.
Algumas quadras depois de sair da igreja disse que iria comprar charutos, fugiu pela porta dos fundos da mercearia que tinha entrado.
Cinco meses depois do parto ela faleceu, muito provavelmente de tristeza.

O menino foi criado pelo melhor amigo da mãe, já que o pai – um mulato – o rejeitara com o incrível argumento de que a pele do filho era mais escura que a sua própria...
Na casa onde foi criado havia um piano onde o menino aprendeu a dedilhar sozinho, de ouvido.

Casou-se aos quatorze anos e aos quinze já era pai.
Para sustentar a família em plena crise econômica de 1929 teve de arranjar um segundo emprego – o primeiro era em uma mineradora de carvão – e então formou uma big band para tocar em um clube local em Pittsbugh, o Ritz.
Durante dois anos encarou uma jornada dupla: até as dezessete na mina de carvão e das vinte e três até o amanhecer tocava piano.

Porém quando a direção da casa resolveu trazer um show de Nova York, cujas partituras seriam executadas pela banda e o já então rapaz teve de admitir que não sabia ler música.
Nem teve tempo de argumentar que poderia aprender em pouco tempo, um pianista bem mais novo ocupou o lugar.
O moleque já tinha ouvido uma gravação com as músicas do show e graças a uma memória fantástica tocou as partes de piano tão bem que ninguém notou que ele também não sabia ler as tais partituras.
Seu nome? Erroll Garner, que pouco tempo depois veio a ser conhecido como um dos mais originais pianistas de jazz.

Irritado por ver seu emprego indo para o ralo, o nosso personagem reclamou, afinal vinha dirigindo aquela banda havia dois anos!
E então o dono do clube – que vivia com um trinta e oito enfiado na cintura – o colocou contra a parede:
-Cê vai continuar trabalhando aqui? – disse enquanto rolava o charuto de um canto à outro da boca.
-Eu quero... – disse o nosso herói.
-Então vai tocar bateria! – disparou.
O rapaz ainda tentou reclamar, mas ao ver a expressão no rosto do patrão entendeu que se quisesse manter o emprego – e os dentes – era melhor ir se sentar à banqueta e tocar da melhor maneira possível àqueles tambores.
E assim Art Blakey, durante as seis décadas seguintes de sua vida, fez com que os fãs jamais lamentassem o fato dele nunca mais ter voltado ao piano.

Poderia ter colocado aqui qualquer video com Art fazendo um solo, mas com o próprio dizia:
"-A bateria é o instrumento mais próximo da alma humana. Se seu coração não bate, você esta morto, se não anda andar no ritimo, não consegue andar. Tudo tem seu ritmo próprio.
E a performance de Art em Moanin' é como deveria ser a vida: simples e agradável.

7 comentários:

Anônimo disse...

Ron, Bom Dia.....

Falar O QUE diante de tanta beleza e harmonia......

Parabéns

abraços

Edson Sibila

GUSTAVO disse...

Nossa que história de vida, bem legal este post Groo,ficou show.

Cezar Fittipaldi disse...

Groo, vc é bom cara. Perfeito.
Abração.

Marcos Antônio Filho disse...

clap clap clap
saudades do seu posts sobre música, irretocável como sempre!

Teca disse...

Ron, meu amigo cibernético!

Você se superou com essa história! Que espetáculo!

BRAVO!

Beijos.

Alysson Prado "Balo" disse...

Groo também é cultura!!!!

Já o Art Barkley, já tinha a arte (musical) até no nome.

abs.

Remédios a bela disse...

Uau...Groo, que história de vida a do Art, confesso que me emocionei. Não o conhecia mas, ainda bem que existe você e o youtube. rsrsrs.
Valeu e parabéns está ótimo o post e tbm o video escolhido.
Abraços....