Salvando almas

Os caras já haviam lançado seu primeiro disco homônimo: Big Bad Vodoo Daddy, petardo que depois foi relançado como Americana De Luxe  e conquistado muitos fãs, mas foi em seu terceiro disco que lançaram a faixa que pode ser considerada profissão de fé da banda.
Save My Soul – que também dá nome ao disco - é um swing jazz lento, denso e com uma letra cheia de imagens impressionantes do mundo original dos que curtem este tipo de música.

Andar pelas ruas de Nova Orleans ao lado da garota que ama, assistindo dezenas de bandas tocando pelas esquinas.
Os velhos bêbados de cartola e bengala que cantam blues...
Um cenário que certamente remete à decadência, mas o personagem principal se considera um sujeito de sorte, já que está apaixonado pela garota, pela cidade e pelo rio de lama que está à frente de seus olhos.
Lama? Do Mississipi, que dizem: engole homens e sonhos.
Mais?
Diz que tomou drinks com o fantasma do velho Louis (Armstrong); ouviu (o arcanjo) Gabriel cantar e tocar seu chifre (horn).
Declara seu amor por Jelly (Roll Morton), Fats (Waller), Fes e King (Oliver), que ensinaram o mundo a dançar.
Tudo isto antes de implorar a Nova Orleans que o deixe saber onde pode salvar sua alma.
De boa? A alma já estava salva e ainda ajudou a salvar a de quem ouviu a canção.

Com a assessoria inexorável de Paulo Levi, que ajudou a destrinchar as inúmeras referencias na letra da canção. 

Comentários

Vander Romanini disse…
Boa!! Vou dar uma pesquisada sobre eles!!
Paulo Levi disse…
Obrigado pelo crédito, Groo. E parabéns pelo texto, excelente como sempre!
Paulo Levi disse…
Obrigado pelo crédito, Groo. E parabéns pelo texto, excelente como sempre!
Magnum disse…
Caminho pelas ruas de New Orleans
Com a garota dos meus sonhos
Já vi uma dúzia de bandinhas tocando e swingando
Enquanto crianças riem, dançam e cantam

Já vi velhos bêbados cantando blues
Com chapeus altos, bengalas e sapatos de duas cores
Considero-me um homem de sorte por ter me apaixonado
Por uma garota, uma cidade e o rio de lama

Digam-me! ... Onde posso ir para salvar minha alma?
Digam-me! ... Onde posso ir para salvar minha alma?

Tomei um drink com o fantasma do velho Louies
Ele foi nosso anfitrião mais encantador
Ouvi Gabriel cantando e tocando sua corneta
E vivi o suficiente para ver o dia em que meus bebês nasceram

Adoro Jelly, Fats, Fes e King
Foram eles que ensinaram o mundo a swingar
Considero-me um homem de sorte por ter me apaixonado
Por uma garota, uma cidade e o rio de lama

Digam-me! ... Onde posso ir para salvar minha alma?
Digam-me! ... Onde posso ir para salvar minha alma?

New Orleans... New Orleans
É para onde posso ir... para salvar minha alma!

------

I walk the street's of new Orleans
With the girl of my dream's
I've seen a dozen brassbands play and swing
While little children laugh , dance & sing

I've seen old men drunk singin the blues
With top hats', canes and spectator shoes
I consider myself lucky to have fallen in love
With a girl, a city and the river of mud

Let me know ! .........where I can go to save my soul?
Let me know!.........where I can go to save my soul?

I had a drink with ol' Louies' ghost
He was our most gracious host
I've heard Gabriel sing & play his horn
And lived to see the day both my babies were born

I love Jelly, Fats, Fes and King
They were the ones that taught the world to swing
I consider myself lucky to have fallen in love
With the music, a city and the river of mud

Let me know!.........where I can go to save my soul?
Let me know!.........where I can go to save my soul?
New Orleans...new Orleans
It's where I can go ...to save my soul!
Magnum disse…
Adoro essa música, mas não gosto de letras que precisam de ser decifradas com explicações... Tipo aquelas que só o autor sabia o que queria dizer, mas ok, não é tanto o caso dessa...

Mas espero que "babies" mencionado acima sejam realmente "bebês" (e não minas bem mais novas que ele e que ele namorasse em duplas)...
Rubs Cascata disse…
Acho que o 357 é chegado numa babe.
Certos gêneros são tão culturalmente enraizados que requerem decifração, como é o caso do folk e do blues. Sempre que ouço Woody Guthrie, preciso decifrar.
Abs.