13 de nov de 2014

Silly week em três toques

O blog do Humberto Corradi ( o ótimo Corradi F1) publicou que entidades europeias se levantaram contra o patrocínio de bebidas alcoólicas na F1.
Obviamente dizem que bebidas e direção não combinam e que os pilotos deveriam dar exemplo disto não propagando a mensagem.
Balela e besteira.
Se a campanha surtir efeito, os já combalidos times vão ter que se virar para encontrar novas fontes de renda estampáveis em suas carrocerias.
Por vezes a impressão é de que estas entidades querem mesmo acabar é com a F1 e vai estrangulando-a aos poucos.
Primeiro foram os cigarros (com razão, já que o treco é estúpido), agora as bebidas e num futuro próximo provavelmente os energéticos (que são carregados de cafeína, que em alguns lugares é considerado droga).
 Curiosamente não se pregam contra a aparição das bebidas (ou dos cigarros) em filmes, novelas, seriados, páginas, sites... Cinema, TV e Internet enfim.
E ai? Vão proibir de estourar champanhe no pódio também?

A licitação para reforma do autódromo Nelson Piquet em Brasília foi suspensa.
Suspensa e não cancelada, entenda-se.
Muito provavelmente será tudo licitado novamente, com preços mais altos e mais brechas nos textos para superfaturamento, caixa dois etc., etc...
A prova da Indy corre risco?
Até corre, mas não muito.
O autódromo, segundo amigos residentes na cidade, está realmente em péssimas condições tanto de estrutura quanto de banda de rolagem. O asfalto propriamente dito.
Mas isto não é lá grande empecilho para a categoria que conta com traçados cortados por trilhos de trem, pistas com asfalto xexelento e um ou outro bom lugar.
Infelizmente, para o nível de espetáculo produzido pela categoria nos últimos anos, a pista de Brasília está até de bom tamanho.
Uma maquiada aqui, outra acolá e a transmissão oficial (Bandeirantes) dirá que tudo ali é de primeiro mundo e que só o Brasil é capaz de oferecer tanta qualidade...


E dizem por ai que Bernie Ecclestone sugeriu que as equipes médias (Lotus, Force India e Sauber) turbinassem carros da GP2 para seguir na F1 com mais folga orçamentária.
Vamos lembrar duas coisas importantes sobre esta noticia:
1) – É o mesmo Bernie que um tempo atrás “sugeriu” que molhassem as pistas antes das corridas para dar emoção e um monte de gente levou a piada como verdade e saiu escrevendo e falando horrores, absurdos e outros adjetivos menos nobres...

2) – O boato foi veiculado por um tal Bob Fernaley, diretor adjunto da Force India, que não é nada, não é nada, não é nada mesmo.

Duas semanas até o GP que decide o campeonato (que convenhamos, não empolga ninguém nem pela corrida e nem pelo resultado que virá) e temos que aguentar cada coisa viu...

2 comentários:

Marcelonso disse...

Groo,

A F-1 precisa de mudanças urgentes. Do jeito que vai, não será surpresa que tenhamos cada vez menos pessoas interessadas na categoria.

abs

Manu disse...

É... cada dia mais bobagens e mais bobagens. Mas a F1 chegou num ponto que essas bizarrices já fazem parte da programação. E nem terminou a temporada de vez! Tenho medo dos meses ociosos que estão por vir... Cruzes, é de sofrer bastante só de imaginar.

Abs!