20 de fev de 2015

Lira dos 20 anos

Dos oito membros originais dos Titãs, o mais festejado/respeitado é Arnaldo Antunes.
O cara lança discos, livros de poesia, projetos infanto-juvenis, assina roteiro de filmes e o escambau...
Mas particularmente penso que o mais talentoso é Paulo Miklos.
Compositor, baixista atual, também toca saxofone e com certeza o melhor cantor do combo.
Eclético, soube respeitar e honrar Odair José ao regravar em disco tributo a sua “Vou Tirar Você deste Lugar.”.
Não bastasse, já tocou músicas de Noel Rosa para o documentário “A Alma Roqueira de Noel”, mas fugindo da facilidade e obviedade de dar uma roupagem rock and roll, preferiu os arranjos originais executados pelo Quinteto Branco & Preto.
Também é ator e já atuou em novelas, filmes (longas e curtas) e vai viver nos cinemas o grande Adoniran Barbosa no projeto “Dá Licença de Contar”, curta metragem de Pedro Serrano.

Mas o grande motivo para estar aqui na página hoje é o aniversário redondo de vinte anos do lançamento do seu primeiro disco solo.
Uma obra prima um tanto mal divulgada que merecia um lugar melhor na memória dos fãs do rock nacional.
Lembro que mesmo à época do lançamento era muito difícil encontrar o disco nas lojas, ainda que as rádios colocassem ao menos duas canções na programação (A Paz É Inútil Para Nós e Ele Vai Se Vender).

Fica a lembrança e a esperança de que o disco seja redescoberto/relançado, peça impar num país onde hoje qualquer um grava qualquer coisa e é chamado de – pode dar risada ai... – músico

2 comentários:

Marcos Antônio Filho disse...

Você esqueceu de falar o papel mais importante do Miklos, que vai ser vilão do filme do carrossel! hehehehe

Miklos é foda, um dos meus titãs preferidos, vi a pouco tempo ' alma roqueira de noel' e achei fodão. Miklos é o cara!

Marcelonso disse...

Groo,

Miklos é um sujeito que merece nosso respeito e reverencia. Muito talentoso, sem duvida alguma.


abs