21 de jun de 2015

F1 2015: Áustria - A corrida das expectativas (frustradas)

Não... A corrida não começou sob a desconfiança de que os pilotos da Mercedes pudessem fazer alguma bobeira.
O carro foi resetado, os bugs foram tirados e a confiança de que ele iria de boas até o fim da corrida, apesar dos cones, foi restaurada.
Nada como a tecnologia para fazer de dois Zé manes, grandes ídolos.

Mas ai veio a largada, bonita, disputada pelos dois carros da Mercedes – apesar dos pilotos – e quando o cone #44 tentava recuperar a ponta, lá atrás, um vindo da cidade vizinha, onde largou, e o outro indo para lá, Alonso e Kimi se envolvem no acidente mais forte – plasticamente falando – do ano.
Os dois desceram do carro, se cumprimentaram, e após alguns passos olharam para trás. Não fossem Kimi e Alonso, provavelmente ficariam de pernas bambas ao ver o resultado.
Safety car na pista.

Na relargada, tudo limpo e nada de novidades... Inclusive, para corroborar a tese, Button abandonou com seu cortador de grama inglês com motor nipônico.
Quem diria que um dia veríamos os carros de Ron Dennis em situação tão vexaminosa, onde abandonar uma prova é a melhor coisa que pode acontecer à equipe para que não sejam mais humilhados ainda...
Triste... Triste? Triste nada... Vai Williams!

Logo a corrida entrou em modo de espera, com um monte de piloto em modo safety a coisa ficou um tanto monótona.
Nem a tentativa de Lewis Hamilton em atrapalhar a grande corrida de seu carro, passando por cima da linha branca ao sair dos boxes, deu alguma graça à coisa.
A ridícula punição de cinco segundos – que só seria mesmo válida se ele tivesse outro pitstop a fazer – nem fez cócegas para que quem viesse atrás se animasse.
E era o Massa, que andando em terceiro já estava no lucro em relação ao seu sempre sétimo lugar habitual.
Em tempo... A punição é ridícula, mas está na regra claramente explicada, nada de errado com ela.

E assim chegou-se ao final de uma corrida de expectativas frustradas.
Tão frustradas quanto à briga final entre Felipe Massa e Sebastian Vettel, que não houve.
Assim foi vitória do cone #6 seguido pelo cone #44 e Felipe Massa, que teve um bom final de semana coroado com o pódio.

Se não foi a melhor corrida do ano, também não foi a pior.
A pista, ao menos, salva os olhos da mesmice.

5 comentários:

Marcelonso disse...

Groo,

Não foi a pior das corridas dessa temporada, porém, não dá pra dizer que foi boa. Como você bem frisou, ao menos o lugar vale a pena.


abs

Manu disse...

Está ficando complicado assistir à essas corridas. As pistas bonitas como da Áustria nos mantém atentos, mas tenho até medo de pensar em Cingapura, Abu Dhabi... ou Rússia!!!! x(

Net Esportes disse...

hahah cortador de grama foi sensacional!

O Rosberg está garantindo que ainda exista disputa. Pois (mesmo que eu não tenha nada contra) pior do que uma equipe dominar amplamente é apenas um piloto dominar amplamente!

Vinicius Vergueiro disse...

Atualizando o placar interno da Ferrari:

Farsa Alemã 6 x 2 Aposentado Finlandês

E a Ferrari vai insistir no acordo proposto a Raikkonen recentemente que é a equipe entrando com o pé e o finlandês com o traseiro.

Anônimo disse...

GH-2 no mesmo nível que Penélope...


HA !


Seth. Tu não tem mesmo jeito.


obs: estava vendo você de Besouro Verde no final de semana.
Fraquinho o filme. Cê é melhor em comédia de verdade assim como esta tua terceira frase que é muito hilária ! E chamar 0 44 de cone ! E esses três manés aí não escreverem nada ! Cada vez mais acho que esses caras são você em obra de ficção. Ou amigos seus revezando em blogs. Não tá dando certo, reconheça !

E, até parece que a Ferrari e a Williams não tem os seus zés manés bem como a Mclaren. Bom mesmo é a Lotus paraguaia.


Admita ! Você não entende nada de pilotagem muito menos de F1 !
Anda de scooter 50cc e com aquele capacetezinho ridículo, que a sua vovó comprou para você no teu aniversário... fala a verdade !

kkkkkkk !




M.C.