1 de jul de 2015

Quem não chora...

“-Se os motores forem mudados, podemos repensar nossa participação na F1”.
“-A relação financeira entre as equipes e a gestão precisa mudar, ou podemos sair.”
-”Chega-se a um ponto em que os investimentos têm que dar retorno, se eles não acontecem, é preciso repensá-los e até – por que não – abandoná-los.”.
“-Hegemonias e longos domínios deixam a categoria desinteressante, monótona. Isto afasta os torcedores e os investidores...”.

As frases acima não tem um único autor – embora tenham vindo do mesmo lugar - e não são nem Christian Horner e nem o todo poderoso da enlatadora de xixi de boi vermelho, Didier Masterseiláoque, mas poderiam ser...
Não há dia que não se leia nos sites especializados que a Red Bull, enquanto equipe de F1 esteja ameaçando se retirar e alguns boatos dizem que pode até apresentar proposta para compra da categoria.
Não se pode duvidar de nenhuma das hipóteses.
Deixar a F1 é uma coisa simples... Saem e pronto.
Assim fez a Honda quando começou a perder terreno com seus motores, depois voltou como equipe própria e fez a mesma coisa e pode fazer novamente diante do imenso fracasso da recente parceria com a McLaren.
Também a Renault e a Toyota já agiram assim.
A favor destas ao menos é que não houve ameaças, apenas saíram e não fizeram novelas.
Comprar a categoria... Por que não?
Sozinha talvez seja impossível, mas um consórcio é bem possível.
Negócios são negócios e este esporte só existe entre o apagar das luzes vermelhas e o agitar da bandeira quadriculada.

Mas voltando as frases lá em cima, depois de publicadas e repetidas à exaustão pela mídia, seus autores apareceram com um carro imbatível, ganharam um campeonato com o pé nas costas e se encaminham para o segundo apesar das tentativas de sabotagem por parte dos cones escolhidos para ir dentro dos carros...
Não me espantaria se após a choradeira e as ameaças todas dos últimos tempos, a Red Bull não voltasse a dar as cartas na categoria muito em breve.
Ai o choro que, aliás, é livre, mudaria novamente de lado e assim seguiria-se o equilíbrio da F1 atual.
Se não for a Mercedes será a Red Bull ou a Ferrari ou quem estiver mais próximo de quem estiver dominando.

4 comentários:

Rodrigo Giusti disse...

Como se sua equipe favorita não chorasse.

Ron Groo disse...

Nunca vi, mas de qualquer forma, é cíclico.

Marcelonso disse...

Groo,

O dominio de uma equipe não é a meu ver o grande problema, até porque, isso sempre aconteceu. O problema é que tudo está complicado demais, as disputas na pista são poucas, as pistas estão cada vez mais horrendas e por ai vai.

Mas pra mim o pior de tudo é ver piloto sendo obrigado a economizar tudo com quatro ou cinco voltas...dai não dá!!!!!


abs

Marcelonso disse...

Groo,

O dominio de uma equipe não é a meu ver o grande problema, até porque, isso sempre aconteceu. O problema é que tudo está complicado demais, as disputas na pista são poucas, as pistas estão cada vez mais horrendas e por ai vai.

Mas pra mim o pior de tudo é ver piloto sendo obrigado a economizar tudo com quatro ou cinco voltas...dai não dá!!!!!


abs