18 de nov de 2015

A F1 pós Brasil

O GP do Brasil marcou o fim da temporada.
Foi o churrascão da firma em grande estilo.
“-Cê é besta? Ainda tem Abu Dhabi!”.
Tem é? E quem liga praquela bosta em forma de pista?
Aquilo é um lixo e a gente só vai assistir pra adiar um pouquinho o começo da TPP (Tensão pós-temporada).


E sendo assim, com o fim da temporada na corrida brasileira começa a silly season.
E bota silly nisto, mas muito silly mesmo... Silly pracaraio!
O diretor técnico da Mercedes, um tal Paddy Lowe deu a seguinte declaração: “-A rivalidade entre Rosberg e Hamilton já está no mesmo nível daquela entre Senna e Prost.”.
Aha... Aha... Ahahahahaha. Ahahahahahahaha. Ahahahah. HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH.
Depois desta o Prost se revirou no túmulo.
Heim? Não foi ele que morreu?
Tanto faz... A comparação é estúpida por demais.

E esta é para você que prega aos quatro ventos que a F1 está em cheque no Brasil, que a população não se importa mais com a categoria, que o fã daqui, mesmo com todo este tempo já passado, ainda pensa em Ayrton Senna.
Então... A F1 mudou, aliás, mudou o mundo todo.
As equipes não são mais daqueles garagistas ingênuos.
Os pilotos não são mais homens românticos e idealistas.
Problemas? Há sim, claro... E de monte.
Mas ajuda bem pouco ficar com esta mentalidade tacanha.
Quer ver F1 das antigas? Procura no youtube.
E vai encher o saco de outro.

3 comentários:

Rafael Schelb disse...

Bernie says: fuck you! kkkkkkkkk

Marcelonso disse...

Groo,

Pra mim a temporada acabou. Não pretendo perder tempo assistindo a corrida em Abumdabe. A corrida em Interlagos foi horrível.

Já a MotoGP foi fantástica nessa temporada. Essa sim, valeu a pena assistir.

Será que não enxergam que a categoria tá uma verdadeira merda???


abs

Manu disse...

E dá-lhe dedo social, kkkkkkkkk...
Acho justo. ;)