19 de fev de 2016

Pequenas tragédias humanas (1)

Regis era até um bom amigo.
Não do tipo que está sempre com você, mas sempre que está não te deixa na mão.
Escolheu um caminho difícil como profissão. Quis ser artista em uma terra onde a palavra “artista” já conota coisas horríveis como duplas sertanejas, funkeiros, atores duvidosos e gente que sai de programas de televisão ainda mais duvidosos.
Pior? Quis ser artista plástico. Coisa que o povo ao ouvir já pensa logo em Romero Britto e suas “obras” feitas no Word Art do Windows.

Porém a sorte lhe sorriu.
Após apresentar alguns de seus trabalhos na Pinacoteca de São Paulo (na verdade encostou-as nas grades que cercam o prédio) foi notado por um figurão que conseguiu uma bolsa para que fosse se aprimorar na Itália. Mais precisamente em Milão.
Regis foi e lá melhorou muito, mas muito mesmo suas técnicas e sua visão de arte.
Só uma contrariedade: Regis saiu do país sem saber falar italiano, nem sequer arranhava o inglês.
Ao fim do sexto ano voltou.
Mudo.
Além de não aprender a língua local, também esqueceu a sua própria.
Talvez isto explique porque suas obras vendam tão pouco.
É muito difícil explicar arte apenas com mímica.

3 comentários:

Anônimo disse...

Que prédio bonito ! Tá todo furadinho... Se fosse no Sofrível de Janeiro( fevereiro, março, abril...) diria, no ato: 'bala perdida' !

Ron Groo, me lembrei como te chamava antes dos três anos, quinhentos e sessenta dias - e meio -, quatrocentos e trinta horas, duzentos e vinte minutos eeeee 2 segundos de moderação. Senhor Groo ! Voltarei, se me permite. Ai quém guete nou ! Não, não vou, não. Tô achando meio caça níquel o negócio mas, sinceramente, quem for, verá o fim ! O fim de uma das maiores bandas do século passado, só menor que os Beatles ! Sei, há controvérsias fortíssimas. Muitos acham o Boy George o melhor ! Culture Club ! Terminada a turnê, para frente, nos próximos 2 anos, moçada, só holograma. Seu Jagger vai dar mamadeira pros netinhos, na sua mansão em N.Y. Keith Richards, na mansão em... na Jamaica ! 'Como nossos pais', como diria Belquior. Falando nele, já acharam o louco ?
Sobre arte. Para mim, já era. Arte, arte mesmo, começou a ir para o saco quando os grandes mestres se foram. Me cite um novo nome fantástico das artes práticas ! Cazuza... Das artes plásticas ! Hoje. Algum novo Raphael ? Pelo menos, um Jean-Michel Basquiat ! Este último, para mim, um enrolador. Como o amigo dele, o da lata Campbell. Estou, senhor Groo, falando de 7 bilhões de almas - sete mil milhões, como dizem os portugas - neste planeta metido a besta ! Umzinho só ! Só fazem gigantes feios, tubarões cortados, aqueles gêmeos pintando bonecos feios em predios ou em avião, e o citado Romero Britto ! E todos ganhando mó graaaaana ! E a pobrologia de Sebastião Salgado ? Pelo amor dos meus filhinhos... E a arquitetura ? Uma tortura ! Já viu o tatuí gigante que colocaram na praça Mauá ? Museu do Futuro. Museu, futuro? Combinam ? Só nas cabeças de populistas esquerdóides. Museu do Faturo, isso sim. Deixa a lava jato, hoje 'lenta', chegar lá. Teve um artista prático que pôs cocô no, se não me engano, Tate Museum. Pasme, e gente olhando com cara de intelectual. Imagine a cena ! Você, com um amigo intelectual, discutindo o quadro, ou a escultura... sei lá o que era. ' O cheirinho, perfeito '!, diria o amigo. Poxa, seis anos e não aprendeu italiano ? Usasse as mãos. Sampa é perfeita para aprender um pouco do gestual macarrônico. Se gostasse de F1, iria pegar um bico na fábrica da Ferrari. Faxineiro mesmo. Chegava de mansinho na área dos engenheiros, porradaria comendo, e aprenderia rapidinho ! ' Ma in che modo, cáspita ! Mercedes, campione di nuovo '?, diz nosso querido Montezemolo com as duas mão apertando o pescoço do engenheiro chefe. Dava até um belo quadro. ' La pressione rosso'.

Obs: Fernandão corno da amante ou não ? Dá para comprar teste de dna ?
Mais um quadro.

OBS 2: escuto, agora, que o carro do James Bond foi leiloado por 14 milhões de dólares( que não seja em libras). Não daria 100 mil... reais ! Se fosse rico. Arte... Apesar que, no conceito do grego das antigas, antes de Cristo, um automóvel, por ser útil, é arte. Mas não daria 70 mil reais, se rico fosse. Um carro é arte, filme, também, mas não daria 50 mil reais. Se rico fosse. Por muito menos, comprava uma Lotus 78. Menos que 14 milhões de dólares.

OBS 3: Arte ? É você, de Pierrot chateado e de saco cheio, num sol dos cacetas ? O amigo ao lado, com olhar perdido ? Parabéns para quem tirou a foto ! É bem o espírito do carnaval ! Tenho medo do Carnaval.Muito gente triste, chorando, com raiva. E de saco cheio.
Carioca, com medo de carnaval ?
Prefiro Semana Santa.


M.C.

Ron Groo disse...

O pior é que não era carnaval, mas 7 de setembro.

Rubs disse...

Entendo. A música preferida do Regis era "Sound of Silence".