7 de abr de 2016

Mais americanos na F1?

O início arrasador do time de Gene Haas na F1 faz a cabeça da gente viajar por ideias.
Não sem fundamento, mas malucas...
Haas chegou com um trabalho sólido, bem direcionado e – principalmente – sério. Diferente dos tipos que aparecem com equipes novatas vindas dos espólios de times fracassados que se aventuram na categoria com equipes de “baixo custo” para tentar revender depois com algum lucro.
Então ficamos pensando como seria se Penske, Ganassi e algum outro lá dos EUA resolvessem também enfiar as caras na F1 com projetos semelhantes?
Provavelmente seria a salvação da lavoura.
Ou quase.
Pouco adiantaria também ter mais equipes competitivas se as regras continuassem estúpidas, mas veja bem...  Se com uma equipe nova fazendo este bom trabalho o interesse do fã da categoria já deu uma renascida, imagina com mais times surpreendendo (positivamente, claro) durante as corridas e campeonato?
Haveria desconfiança de início, claro... Além de se tratar de gente vinda de um outro universo do automobilismo, ainda há o mal que a entrada daqueles times mequetrefes fez à categoria.
Depois de Catherham, HRT e Lotus Malaia, todo mundo que ouviu falar em “nova equipe” já torceu o nariz (esqueça Brawn, aquilo foi uma abelha africana real em meio a um enxame de moscas varejeiras) e não sem razão.
Por conta daqueles projetos natimortos tudo que se discutiu após 2010 foi economia, modos de deixar a categoria mais barata para tentar atrair mais times e que estes pudessem sobreviver.

Por outro lado... Imagina se Ganassi, Penske, Andretti resolvem vir e trazer aqueles manetões taxistas braços duro que só sabem fazer curva para um lado (e ainda assim conseguem acertar o muro do lado oposto) para guiar na F1?
Seria melhor colocar um posto de atendimento médico fixo no alto da Eau Rouge, só para se precaver.

E está no ar o segundo episódio do Papo Motor com Rafael Schelb do blog Shelb F1 Team e eu.
Nesta semana o assunto é, e não poderia deixar de ser, o GP do Bahrein, mas tem outras coisas também.
Baixai ai, ouve ai, deixa suas impressões ai, faz pergunta ai... Participe.

Um comentário:

Marcelonso disse...

Groo,


No passado a F-1 era competitiva, numa condição semelhante a escolhida pela Hass, produzindo o que é obrigatório e comprando todo o resto. Não consigo compreender porque tem tanta gente de mimimi com a equipe americana.

Quanto ao programa, vcs estão de parabéns, tá bem legal. Só o audio no inicio tá baixo, mas depois melhora.


abs