9 de out de 2016

F1 2016 - Japão: Suzuka surpreendente

A pista de Suzuka é tal qual os monstros que o Ultraman, Ultraseven ou o Spectreman enfrentavam...
Não tem estas referências? Azar o seu... Power ranger não dá.
Dizia dos monstros porque apensar de enormes e agressivos – assim como Suzuka – eram no fim das contas monótonos na forma de serem vencidos.
Eram ótimos até os heróis resolverem agir e brigar para valer.
Suzuka idem.
Penso que a pista japonesa é maravilhosa para medir o quão rápido é cada piloto, mas na hora da disputa, à vera, costuma ser chata.
Ainda assim amamos aquele lugar.

Nico largou na ponta e logo atrás (13 milésimos) vinha Hamilton.
O circo para a largada estava armado, pena que não durou quase nada...
A partida esquisita, bem no estilo moonwalker do Hamilton garantiu – ao menos – emoção para a corrida. Caiu para oitavo e teve que remar.
Melhor para Rosberg que disparou na frente.

A corrida estava bastante animada.
Kimi fazendo ultrapassagem dupla, várias ultrapassagens no meio do pelotão.
Emoção como não se via na pista japonesa já a alguns anos só para contrariar a lide deste texto.
Até as Force Índia ultrapassavam ao fim da reta de largada.
Tudo bem que foram ultrapassagens sobre as Williams, mas ainda assim...
A ultrapassagem de Hulkemberg sobre Bottas na chicane logo após a 130R é daquelas para figurar em qualquer highlight da F1.
A redenção veio depois, com uma manobra ótima de Felipe Massa sobre Carlos Sainzinho.
Já Hamilton chegou a quarta posição após aplicar um glorioso undercut na primeira parada nos boxes.
Estava vivo na corrida o snapchateiro.

Do meio para a frente a corrida deu uma acalmada, mas não deixou de ser emocionante.
O jogo de xadrez entre Hamilton, Vettel era apenas uma das nuances da disputa enquanto Rosberg relaxava e voltava a ficar atento.
Vencido Vettel, o embate era com Verstapinho, mais difícil de ser batido e sem mais paradas de boxes para tentar o golpe.
Hamilton tirou a diferença, mas não conseguiu aproximação suficiente para fazer valer efetivamente o DRS aberto.
Na derradeira tentativa, saiu da 130R colado ao Verstappen e tentou a ultrapassagem na entrada da chicane.
Passar Verstappen definitivamente não é fácil e Hamilton aprendeu isto errando a freada e passando reto.
Ficou com a terceira posição, o que pela largada que fez, foi um lucro imenso.
Verstappen chegou em segundo enquanto Rosberg consolidava ainda mais a liderança com a vitória em um final de semana perfeito.

Mais uma vez o monstro foi vencido, mas agora não com a chatice de anos anteriores.
Obrigado Suzuka, nos vemos no ano que vem.

Um comentário:

Vinicius Vergueiro disse...

MITO Verstappen é realmente um osso duríssimo de roer.

E em 2017,MITO estará ainda melhor,Ricciardo que se cuide.