13 de jan de 2017

Hot 5 do Groo: As escondidinhas

Para quem tinha o habito de sentar e escutar discos (ou cd´s) um dos grandes baratos era se apaixonar por canções diferentes dos hits. Encontrar no meio daquelas onze, doze músicas uma que se identificasse de uma forma diferente. Ou apenas gostar da canção de uma forma diferente de outras pessoas, que afinal, encontrariam as prediletas delas também.
Este hot5 trata destas canções. Aquelas que não foram single, hit e nem tocaram insistentemente no rádio, mas eram boas o suficiente para isto.
Canções escondidinhas.

O Papa é Pop, disco dos Engenheiros do Hawaii de 1990 foi um arregaço de vendas.
O cover dos Incríveis (“Era um garoto que como eu...”) tocou no rádio até encher o saco.
Assim como “Pra Ser Sincero” e a faixa título.
Mas lá no meio, ou fechando o lado 1 para quem ouvia vinil, tinha uma canção fantástica que ficou meio que relegada: “Olhos Iguais aos Seus”.
Tem quem torça o nariz para as letras de Gessinger, mas de boa? Dane-se...
O que faz as pessoas parecerem tão iguais?
Por que razão essa igualdade se desfaz?
Qual é a razão desse disfarce no olhar?
O que faz as pessoas parecerem tão iguais?
O que fazem as pessoas para serem tão iguais?


Em 1991 o REM ganharia o mundo com seu aclamado álbum Out of Time.
Não é para menos... “Losing My Religion” tocou até em igrejas.
E ainda tinha “Shine Happy People”, “Radio Song” para ajudar a dominar as rádios.
Mas alí, escondidinha, estava uma canção pop perfeita. Fofinha e muito assobiável: “Near Wild Heaven” ainda tem a covardia de usar uns “pá pá pá pá” grudentos.

O Metallica nunca foi de lançar hits, seus fãs é que fazem as músicas serem clássicos e cá entre nós: tocar nas rádios nunca foi muito a praia da banda.
Em 1984 lançou seu Ride the Lighting, uma tijolada que ajudou a pavimentar o caminho para que fossem a maior banda de thash metal da história e lá havia uma faixa que não tem a agressividade característica dos caras, mas que é sensacional com suas quebradas vocais: “Escape” finge que é para o fã dar uma respirada, mas engana já que é uma porrada. Mais contida, mas uma porrada.

A Legião Urbana tinha um Q de Midas: transformava em hit quase tudo que colocava em seus discos.
O disco As Quatro Estações (1989), por exemplo, chegou a colocar todas as canções nas paradas das rádios. Óbvio que nem todas chegaram ao primeiro lugar, mas todas tocaram no rádio. TODAS.
Era de se esperar que o próximo disco não tivesse esta performance.
E não teve.... Por problemas com a economia do país (era a época em que o Collor pegou a grana da poupança de todo mundo) o disco seguinte teve vendas menores (não muito) e por ter músicas mais longas tocou menos no rádio. Mas ainda assim V (1991) mandou “Teatro do Vampiros”, “Sereníssima”, “Vento no Litoral”, “O Mundo Anda Tao Complicado” e a pesadíssima “A Montanha Mágica” para as cabeças das paradas.
Mas fechando o disco tem uma pérola menor, mas não menos valiosa: “L´age Dor”.
Com sua pegada bluseira, agitada e sua letra confessional fez muito fã voltar a agulha para o começo da canção e ouvir de novo.
Contra minha própria vontade
Sou teimoso, sincero
E insisto em ter vontade própria

O Creedence Clearwater Revival era o feudo de John Forgety.
O cara mandava e desmandava em arranjos, composições e ainda por cima cantava e tocava guitarra para caramba.
Sob seu domínio os discos e os hits se sucederam até 1972, quando melindrados com a atenção que o líder recebia, os outros integrantes resolveram que também queriam direitos e espaço igual na banda.
Cansado de brigar, John deu carta branca e o que se ouviu no disco Mardi Grass, de 1972 só não foi constrangedor porque até o pior disco do CCR é bom.
Os fãs abominam o disco e realmente é um dos que menos venderam e menos renderam músicas para o rádio.
Também foi o último de inéditas dos caras. Depois, John Fogerty sairia da banda para nunca mais voltar.
Mas nem tudo é ruim, neste disco ainda é possível ouvir o bom e velho CCR em “Someday Never Comes”, que não por acaso, é de autoria do John.

2 comentários:

Vander Romanini disse...

Grande Hot 5! Gosto bastante de todas!! A do Legião eu dizia a todos que gostava mais dela do disco,me achava o cara mais descolado da Escola, mas na verdade, eu só tinha ela gravada... Anos depois fui ter o álbum todo!!! KKKKKK

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.