3 de fev de 2017

Garranchos

O cara chega em casa exatamente as cinco e meia da tarde, toma um banho e vai para frente da TV jogar vídeo game.
O dia tinha sido horrível.
Muitos ‘pepinos’ no trabalho, problemas com o transporte público que usa.
Mais que justo que pudesse ter algumas horas de diversão até que sua esposa chegasse do trabalho e ele fosse obrigado a deixar o controle que usava para dirigir carros de F1 por pistas do mundo todo. Esta era sua maior diversão.
Então toca o telefone: era ela.
- Alô?
- Alô! Amor? Já em casa que bom.... Pode me fazer um favor?
- Claro amor.... Tudo! – Disse ele sem muita convicção. Queria jogar.
Sua esposa era revendedora de uma marca de cosméticos e tinha um monte de clientes fiéis e às vezes pedia para que ele buscasse os pedidos e passa-los à consultora por e-mail. Era simples e este era o caso agora.
- Cê pode, por favor, pegar o pedido da nossa cliente do centro, juntar com os outros e fazer o pedido? Só falta o dela e é só até hoje.
- Claro... E onde está o pedido?
- Em cima do criado mudo...
- Ta bom... Beijos.
- Beijos...
Foi lá, pegou um envelope com um papelzinho dentro. Um envelope enorme com meia folha de caderno e só meia linha escrita. Já achou um desperdício.
Estava com a paciência curtinha e quando estava assim não era muito boa companhia.
Pegou o papelzinho, juntou com os pedidos que estavam no rack da sala, ligou o computador, acessou a pagina e começou a digitar o e-mail com os pedidos.
Até o item setenta e três tudo ia bem, mas o próximo e último era o item que estava no papelzinho dentro do envelope. Pegou, leu e releu, achou estranho, mas mandou assim mesmo: um ‘alargador de cútis’.
“-Mas que porcaria seria um ‘alargador de cútis’?” - pensou
De qualquer forma tem de tudo nestas revistinhas, logo deveria ser algo de uso feminino mesmo.
Escreveu o item lá fechou a planilha e tocou pela ultima vez no ‘enter’ terminando a tarefa. E-mail enviado, podia agora voltar ao vídeo game, aos carrinhos e as pistas...
Toca de novo o telefone.... Aí já se irrita um pouco.
- Alô!
- Amor? Já passou? Deu tudo certo?
- Deu! Já foi... Beijos.
- Tá ocupado?
- Tava... Beijos.
- Beijos então...
Sentou-se, pegou o controle, se acomodou e quando ia jogar: o telefone.
- ALÔ!
- Alô, por favor, a senhora – e disse o nome - está?
- NÃO!
- Sou eu – e disse o nome – a consultora e estou com problemas no pedido que ela acabou de passar.
- Ah! Não foi ela, fui eu... Então eu posso ajudar.
- Tudo bem.... Tenho um problema com o item setenta e quatro. Não tem código e eu não consigo entender o que foi pedido. Aqui diz um ‘alargador de cútis’. É isto mesmo? O que é um ‘alargador de cútis’?
- Eu não sei, só passei o que tinha aqui no papel e mandei... Só isto.
- Senhor, eu vou precisar que me diga onde está isto no catálogo e me dê o código.
- Eu não vou procurar nada, a senhora que ache ele no seu catálogo, que deve ser mais completo que estes que tem aqui... A senhora que ache que porcaria é esta. - já perdendo a o restinho de paciência.
- Senhor eu não quero ser rude nem deselegante com o senhor, mas foi o senhor quem fez o pedido, o senhor é quem deve saber do que se trata.
- Não sei que p.… é um ‘alargador de cútis’. Vocês vendem o treco, que nem sei como é, nem sei se existe e eu que tenho de procurar?
- Senhor, se não me disser o que é não posso fechar o pedido e vocês não vão receber os produtos.
- EU NÃO ESTOU NEM AÍ... O PROBLEMA É DE VOCÊS!
- O senhor está estressado...
- A SENHORA E ESTA M... DE ‘ALARGADOR DE CÚTIS’ É QUE ESTÃO ME DEIXANDO ESTRESSADO!
- O senhor está sendo grosso e eu não preciso disto! – e desliga o telefone.
O cara já estava muito bravo, já respirava até com certa dificuldade, senta novamente em frente à televisão, pega o controle e vai começar a jogar quando chega sua esposa e pergunta se tudo correu bem e recebe como resposta uma explicação exaltada sobre todo o episódio. Ele cada vez mais alterado.
Ela vai até a mesinha do computador, pega o envelope, lê o papelzinho e decifra:
Um ‘alongador de cílios’.
Melhor nem falar nada. Ao menos enquanto ele estiver rosnando e apertando os botões do controle com o videogame desligado.

3 comentários:

Rubs disse...

Acho melhor ficar calado.

Anônimo disse...

Puxa, estava até animado com o conto mas o final foi desalentador.
Senhor Groo, pensava, no mínimo, o cara não ser, digamos, adepto..., como posso dizer, moderno..., cumpridor dos seus desejos mais sacanas. Sabicumé, preferência nacional, Carla Perez, Kim Kardashian, Rita Cadillac ! Panela velha... e que panelão ! Melhor, a Cleo Cadillac ! Aryane Steinkopf ! Tem a Paola Oliveira, para os mais chiques. Tem a mulher do Tremer, imagina ! A Luma do Eike ! Tá tão tristinha com o carequinha preso... Poxa, anos 2020 tá ali, na portinha, e até a mulherada aprova ! Pensei, também, a mulher dele ser desbündchen daí o cara não se interessar ou ser tão tolinho de não ligar uma coisa com a outra já que não encontrou o produto no catálogo. Ou, o pior dos cús dos mundos ! O cara não gostar, não querer entender devido uma educação religiosa muito forte e não acreditar que exista e há quem pratique a 'modalidade' e muito goste -tem as famosas 'viadas' - e a esposa dele sempre muito solicita pede, tadinha( é calipígia e morou no Rio...), que venha, com a entrega do peixe fresquinho, o Tonhão pescador, um taradão da praia de Santos com vara de pescar mui avantajada, e ter, ela, se enganado de papelzinho. Seu conto parece pimenta Tabasco. Portanto, 8.8. Mais uma vez, a foto atrapalhou. Pensei ver um alargador de cú.tis.
Aquele dumbão aberto... HA !



M.C.



M.C.

joaoleopires disse...

Histórias da vida real???