5 de mai de 2017

Nem vem que não tem

Simonal acompanhava a delegação canarinho no México.
Era uma espécie de cantor oficial do grupo, como tinha sido Elza Soares em 1962 com a vantagem de que ninguém no time queria come-lo...
A certa altura da preparação um atleta se contundiu e a comissão técnica tinha dúvidas se convocava outro para a mesma posição ou chamava Emerson Leão para a vaga de terceiro goleiro.
De sacanagem, Pelé, Jairzinho e Zagallo resolveram dizer a Simonal que, estando ele ali mesmo, porque não fazia um teste? Se fosse bem, porque não ficar ele com a vaga do jogador cortado?
E ele acreditou!
Solicitou ao técnico que fosse feito um treino de dois toques para que ele se ambientasse e mostrasse do que era capaz.
Não era evidentemente um atleta e ainda por cima partiu com tudo sob o ar rarefeito.
Com quinze minutos a conta foi cobrada e Simonal foi ao chão... Desmaiou.
Socorrido com máscara de oxigênio, aos poucos recobrou a consciência e deu de cara com muitos risos e gozações.
De presente, ganhou o tricampeonato.

Um comentário:

Anônimo disse...

HA !

. A primeira frase, adorei. Elza Soares era boa para ca ra lê o !
'Ca ra lê o' é coisa do Rodrigo Vilela, baita humorista ! Descobri o cara agora. Às vezes, sou lentinho como o Zacarias. Bom, quem vê a senhora, agora, não sabe com era quando jovem. Dizem que foi ela que entortou as pernas do Garrincha, aquele, de Pau Grande. Xerém. Duque de Caxias. Brincadeira. Ai, ai...
. Cara. Um dos grandes segredos do futebol, mais no futebol que na automobilismo ou na música ou no teatro( cinema e televisão, hoje, You Tube), é que tem muito torcedor acreditar ser fácil jogar futebol num campo de verdade ! Simonal no futebol seria como um Pelé cantor e ator ! Êpa... Experiência própria. Uns 100 anos atrás, eu, que jogava society direitinho, fui desafiado por uns manés a jogar num campo de dimensões iguais de um campo de futebol. Chamei o meu time e mais uns bobocas e fomos pénabolar com os outros bobocas desafiantes. Apitador e o escambau ! No 'final', não existia meio de campo nos dois times. O nosso goleiro chutava a bola láááá prá frente. O zagueiro deles chutava a bola de volta... Bola ia, bola voltava, bola ia e bola voltava. Todo mundo cansadão e isso 15 minutos do segundo tempo. Para alegria dos seus leitores e do senhor, fiz um gol ! O goleiro deles, um baixinho, nem viu a bola ! Ou teria sido contra ?
kkkkkkkk !
. Boa, gostei. 'Vamos voltar à pilantragem...', decretou Milmar Gendes.
. Mas o Simonal sofreu demais com a turma da verdadeira pilantragem. Socialistas da patrulha ideológica. Pasquim no ataque ! Gente calhorda. Simonal errou mas os caras acabaram com a carreira dele e, como sempre, com dindin no bolso. Deles ! Ele era 'adversário' direto de Bob Calos. Um negão que comia loiras em pleno anos 1960 ! Pior ! As loiras queriam dar para ele no Mustang cor de sangue ! Mas não só era isso... Era o mercado. Pequeno para dois 'reis'. E ele fez besteira. Os pilantras vermelhos pegaram ele.
. Contradizendo tudo aí, mesmo o Simonal, uma música chama atenção. É uma crítica feroz contra o pão e circo, circo do qual faz parte o pénabola com enorme influência no nosso país tropical. 'Aqui é o país do futebol'. Leiam a letra da música. E vem o Bob Calos com aquela lorota e todo mundo gosta.
'Debaixo dos caracóis dos seus cabelos, uma historia pra contar de um mundo tão distante...' Onde era o mundo tão distante ? Coréia do Norte ? Cuba ? URSS ? Tá, vamos maneirar. Egito ou Filipinas dos anos 1960. O AUTO exílio de Leãozinho Caê black-block foi em LONDRES ! LONDRES ! LOOOOOOONDRES !
Meus sais, Goreti...


M.C.