29 de set de 2008

Ava(ca)liações - Cingapura - 08















Malonso - Se não fosse tão chato a vitoria seria até legal. Mas o sobrancelha é um porre! - 8

















Nico - Foi um dos melhores da corrida - 9















Lewis-Minha vida por uma mangueira nas proximas corridas. Vai ter sorte assim em Londres - 8















Kimi - No meio do caminha tinha um muro, e no meio do muro uma Ferrari. Este não vai ajudar ninguém! Nem a ele mesmo.

















A estrela da prova, ficou grudada em Massa por muito tempo, só não passou por sorte!















Uma porcaria igual a esta e um mecânico com ejaculação precoce acabaram com a corrida de Felipe Massa - Zero para esta tecnologia.

E agora uma musiquinha para desestressar e apresentar uns personagens a mais. Ouça a musica e acompanhe a letra.























Porque é noite de balada/Sorrisos na madrugada

















Feliz, louca, embriagada



Desculpe, só estou de passagem/Se canto em sua homenagem/Desculpe meu jeito de ser/Você pagou agora vai ver ...







Dinheiro não compra verdade/Quem sabe a felicidade













Velhice, a idade te assusta/Prefere uma vida mais curta ...










Porque é noite de balada/Sorrisos na madrugada/Feliz, louca, embriagada

28 de set de 2008

Grooniadas em Cingapura - 28/09/2008 - Luzes, ação!


Beleza, dificuldade, pouca esportividade no que tange as ultrapassagens, que até aconteceram, mas em numero reduzido e em posições sem muita importância. Erros em profusão – numa equipe só, diga-se e muito cansaço.
Este foi o GP de Cingapura a grosso modo e como foi o primeiro grande premio daquele país, naquela pista e naquelas condições – noturno - há de se perdoar as zebras mal projetadas e as partes do asfalto que mais pareciam batatas rufles. O saldo foi positivo. Menos para a Ferrari.
O fim de semana começou muito bem para a equipe de Maranello com um Felipe Massa endiabrado sempre a frente de Lewis Hamilton e dando a impressão que dominaria a corrida de forma segura e até chata.
Ledo engano, por mais que Massa tenha mostrado certa superioridade, Lewis ficava muito pouco atrás. Ou seja, estava tudo aberto, tanto que Felipe fez a pole, e com erro de Raikkonen ou não, com falha de alimentação na Renault de Alonso ou não, Lewis estava logo atrás.
A largada prometia.

Largada limpa. Pista suja e ondulada como uma batata rufles.



Mas, surpreendentemente foi limpa e com uma vantagem considerável de Felipe Massa pulando na ponta e abrindo três segundos de Hamilton, que não sentiu nem cócegas nas estocadas de Kimi Raikkonen que vinha logo atrás e começava a fazer voltas rápidas.
Todos os outros passaram incólumes pela primeira curva e com honrosa exceção dos dois carros da Williams que tentavam ultrapassar forçando de todas as formas ninguém se arriscou muito.
Brincadeiras à parte Nico se mostrou muito macho em tentar retardar ao máximo as freadas correndo o risco de encontrar um muro pelo caminho a qualquer momento.
Só que quem encontrou o muro e começou a mudar toda a história da corrida foi outro piloto filho de campeão mundial: Nelson Ângelo Piquet.


Pitquetizinho no muro: pode lhe ter custado o lugar na equipe ano que vem.

O moleque errou numa saída de curva acertou o muro de um lado e outro da pista, sujando tudo e forçando a entrada do safety car.
Durante a bandeira amarela, Kubica e Rosberg têm de fazer um pitstop para evitar que ficassem sem gasolina e entram nos boxes com os mesmos fechados. Saem dos boxes cientes de que teriam de enfrentar uma punição regulamentar só que até ai tudo bem. Melhor ficar na pista e sofrer uma punição recuperável do que ficar de fora definitivamente.
Só isto já serviria para atrapalhar os planos da casa de Maranello porque juntaria todo mundo na pista limando as vantagens conseguidas naturalmente só que não era o bastante. A equipe gosta mesmo e de emoções fortes e quando os boxes são abertos para a rodada de pitstops e todos entram ao mesmo tempo, Massa, Lewis, Kimi e um porrilhão de outros tudo que poderia dar errado deu...

Equipe Ferrari em Cingapura.








Como já disse várias vezes por ai. Italiano é um sujeito bacana, mas estabanado. Quem já se sentou à mesa de uma família italiana sabe. Eles falam alto, derrubam vinho e molho de macarrão na toalha de mesa, sujam tudo. Falam alto pra caramba e ninguém se entende. Os pits da equipe do cavalo empinado depois que os patrícios de Dante assumiram o controle esportivo têm sido exatamente assim.
Desta vez foi uma mangueira presa na boca do tanque do carro numero dois, somado a um equipamento eletrônico de funcionabilidade duvidosa e um mecânico de dedo leve e lá vai Massa para ter um dia de Albers.
Parado na saída dos boxes, graças à maravilhosa iluminação do circuito pudemos ver um Felipe Massa com a viseira do capacete aberta e um ar apalermado de quem sabia que tinham lhe ferrado a corrida e que não havia mais nada que ele pudesse fazer. Outro momento ridículo foi a corridinha dos mecânicos para tentar tirar a mangueira presa ao carro. Devem ter parado para dar uma respiradinha, ou voltaram para ver se o mecânico que tomou a chicotada ainda estava deitado no chão, provavelmente rindo da própria besteira de tentar segurar o carro pela mangueira. Fim de prova para Massa, que mesmo tendo voltado a corrida só conseguiu mesmo mais uma emoção: Escapar por um triz de uma pancada de uma Force Índia após ter errado uma freada.


É o Albers?







Voltando a pista, tudo ficou a caráter para que Hamilton mantivesse a ponta do campeonato até abrindo mais vantagem, já que os carros a sua frente teriam de fazer ainda seus pitstops ou cumprir penalidades como foi o caso de Kubica e Rosberg.
Maravilhosa a modernidade do circuito e seus milhares de spots de iluminação e execrável a mesma modernidade que trocou o velho e bom pirulito por um punhado de lampadinhas.
Chamou a atenção o estado físico em que terminaram a prova os pilotos, todos exauridos empapados de suor. Tanto que Trulli parecia muito mais morto que o carro e num sinal claro de que tinha chegado a seu limite fez o sinal de condenado – colocando o polegar para baixo – para as câmeras de televisão.
Um segundo lugar maravilhoso para Nico Rosberg com o carro mais bonito do grid, até de noite e que fez uma corrida muito boa.


Segundo lugar para o carro mais bonito do grid.





Um terceiro lugar providencial do inglês da McLaren.
Ah sim! E Alonso ganhou, que coisa não?
A corrida até nem foi chata como se esperava, mas seu vencedor...
Alonso bateu no peito ao fim da prova como se fosse ele e não o acaso o grande responsável pela façanha... Tadinho!

É tonto mesmo o sobrancelha!





Foi mais engraçado e interessante ver o Rubinho jogando a bala-clava dentro da baía de Cingapura do que ele levantando o troféu.

26 de set de 2008

Um GM Corsa de Três milhões de Reais

Você não leu errado não! São exatamente: R$3.400.000,00.
Um GM Corsa ano 1996 modelo 1997, um dos modelos populares mais vendidos no país foi apreendido na capital paulista na madrugada do dia 25 e setembro. O motivo? O carrinho tinha apenas em multas o valor acima descrito. Eram mais de oitocentas multas
O motorista e proprietário – em tese já que o documento estava em nome de uma seguradora – alegou que não transferiu o carro para seu nome por não ter dinheiro. E isto foi no ano de 2001.
A seguradora por sua vez só comunicou a venda e pediu o bloqueio do licenciamento de veículos em 2005.
Neste meio tempo o dono do veículo foi acumulando multas e mais multas por todos os motivos possíveis: Excesso de velocidade; ultrapassar sinal vermelho; andar na contramão de direção e até por se evadir de praça de pedágio sem pagar. Fora umas trocentas multas por não indicar o condutor do veiculo, que no caso é necessário por conta do mesmo estar registrado em nome de pessoa jurídica.
Agora o carro vai ser leiloado como sucata. Sem direito a regularização de documento já que o carro não vale um terço do valor das multas. Aliás com o valor das multas é possível comprar ao menos 125 carros zero quilometro da mesma marca e modelo básico que custam por volta de R$27.000,00.
O motorista após ser abordado e ter o veiculo apreendido foi embora para casa num ônibus, na mais olímpica indiferença com o fato de ter o carro levado para o pátio.
A minha dúvida é: E as multas em que ele teve de ser parado para que pudessem autuá-lo? Com esta quantidade de multas com toda a certeza o carro também não tinha seus documentos regularizados desde 2001 no mínimo. Como fez para sair com o veiculo de bliz e bloqueios pelos quais com certeza passou?



E não é sobre nada disto que tratam as mais nova edição da Rádio Onboard em que Felipe Maciel e eu tratamos das expectativas da noite de baladas que será a próxima corrida de F1 em Cingapura e do Programa Briefing da Rádio Bestlap, onde o jornalista Marcio Kohara recebe além de mim, claro, o Mestre Oliver (Ave!), que agora também responde pelo ótimo BlogSport Midea do carmarada Felipão e o fã numero um de Roberto Dinamite Marcos FW do GP Séries.

Respostas as minhas dúvidas no caso do Corsa e comentários sobre os programas são muito bem vindos!

25 de set de 2008

Quando o stress fala mais alto. III



Em outras duas ocasiões contei aqui sobre umas situações vividas com um personagem sem nome, sem rosto, com teimosia e temperamento forte e explosivo que vivia dias de cão nas histórias.
Dei a estes contos o titulo de “quando o stress fala mais alto um e dois”, Quem leu se lembra bem que ele transformou um serviço de atendimento ao cliente por telefone num suplicio e teve dificuldades monstruosas para conseguir fazer uma simples troca de um sifão da pia da cozinha.
Agora este personagem está de volta. Continua sem rosto, sem nome e seus dias continuam desastrosos e ainda por cima anda com problemas circulatórios. Nem é nada muito sério, mas causam desconforto como dores nos membros inferiores, dormências regulares, enfim...



No consultório médico ouviu a mesma conversa sobre perder peso, deixar de ser sedentário e praticar atividades físicas leves ao menos, já que sua silhueta desaconselhava qualquer esporte mais radical como futebol de fim de semana, por exemplo. E sem demora: Controlar o stress.
Já um tanto calejado com estas coisas pediu um remédio qualquer que ajudasse na circulação sanguínea e depois, quando já se sentisse um pouco melhor dos desconfortos todos, procuraria alguma atividade que lhe desse prazer em praticar. Na verdade quando disse isto ao médico estava pensando em dominó, baralho e churrasco de fim de semana, mas obviamente não lhe passava pela cabeça dizer isto ao doutor.
Ok! Então, de posse de uma receita fornecida e assinada pelo médico foi até uma farmácia para que lhe avisassem o pedido. Qual não foi sua surpresa ao descobrir que o remédio receitado eram apenas alguns comprimidos fitoterápicos, ou seja, produzidos com extratos de vegetais.
Se o doutor queria que ele controlasse seu stress, então não estava ajudando em nada lhe receitando este tipo de medicamento já que era um alopata convicto. Chegava a dizer que se não tinha na composição ao menos um ou dois venenos então o remédio não servia para nada!















Pensou em voltar para reclamar, esbravejar, mas pensou no tal stress alto, nas dores nas pernas... Deixa para lá. Melhor tomar aquelas porcarias mesmo e ver no que daria.
Entrou num boteco, um verdadeiro pé sujo, e pediu uma coca-cola.
Enquanto o balconista lavava com muito esforço um copo de requeijão, resolveu ler a bula dos tais comprimidos fitoterápicos. Descobriu que em sua composição havia uma tal “erva de Santa Maria” também conhecida popularmente como “erva de bicho” – vai saber porque? – e que esta erva era muito indicada nos casos de prisão de ventre.
Não era seu caso, mas se o médico receitara depois de haver examinado tanto, devia servir.
O copo de requeijão finalmente ficou limpo, o que não adiantou nada, pois a garrafa de refrigerante estava completamente suja. Mesmo assim serviu-se do liquido negro e gaseificado e num único gole tomou mais de metade do conteúdo da garrafa, engolindo junto dois dos pequenos comprimidos rosados e até um tanto adocicados.
“-Se não fizer bem, mal é que não vai fazer!” – Pensou.
Enganadamente, pois fez mal sim!
Talvez por um engano do comprimido ao começar a correr pelo organismo – poeticamente falando – ao invés de mexer com a circulação, foi direto atacar uma inexistente prisão de ventre.
Em questão de minutos o nosso pobre personagem virou um verdadeiro homem bomba.
Explodindo como os traques e morteiros a cada esforço. Se é que me podem entender.
Ao menos eram apenas barulhentos.
De inicio, porque após o décimo terceiro ou décimo quinto começaram a fazer efeito de gás lacrimogêneo.
“-Melhor ir logo para casa.” – Pensou.
De compromisso tinha apenas que passar num supermercado e levar pães para o café da manha do dia seguinte. Não queria ter de acordar cedo e enfrentar todo o frio que fazia na cidade apenas para ir à padaria mais próxima pela manha. Resolveu então não deixar de passar no supermercado.
Ao passar pela entrada da loja notou que não estava muito cheia. Encaminhou-se então para o setor de padaria que era justamente onde havia mais pessoas.
No trajeto sentiu mais uma vez os efeitos do fitoterápico.
Não ia deixar o pânico tomar conta. Calmamente prendeu o que queria sair de pronto e ainda teve tempo de pensar: “-Está um dia muito frio, logo não deve ter ninguém na seção de frios e congelados do supermercado. Vou até lá e me alivio sem que ninguém perceba, ou seja, atingido.”.


A idéia era brilhante, ao menos para ele, claro, que se encaminhou para a seção desejada e lá fez o “serviço” certo de que ninguém estava por perto.
Ledo engano! Ao virar-se para voltar ao setor de padaria deparou-se de frente com duas senhoras que compravam frangos. Engoliu seco e pensou que elas poderiam não ter ouvido ou sentido nada.
Eis as reações:
Uma das senhoras jogou o frango de volta a gôndola e indagou a colega se por acaso aquele produto não estaria podre?
A outra senhora disse que talvez, mas o que lhe preocupava mesmo era o estrondo que ouvira. Será que estava vazando gás dos tubos de refrigeração da seção?
As duas saem preocupadas e rapidamente do local. Ele segura-se ao máximo para não rir, o que poderia provocar nova crise.
Enfim controla-se e finalmente apanha os pães para que possa ir embora.
No caminho de saída do supermercado vê as duas senhoras junto a um técnico de manutenção da empresa dirigindo-se a seção de frios e congelados a fim de descobrir se eram os tubos mesmo ou se o frango estava estragado...
Apressou o passo e sumiu na esquina antes de literalmente explodir em gargalhadas...

23 de set de 2008

Eleições 2008 - Os candidatos da F1



"-Você me conhece! Experiência é a minha maior qualidade. E se você não gosta de F1 como eu, vote em mim. Este ano o que mais tento fazer é acabar com a categoria batendo em tudo que é piloto que passa por mim. Lembre-se e vote D.C. numero 1614 (16 acidentes em 14 corridas)"









"-Você me conhece, claro que conhece! Ah! Não conhece? Eu ganhei em Monza... Ainda não conhece? Fui eu que falei do peso das bolas... Ainda não... Bom eu também ia muito ao show da Xuxa... Ah! Lembrou né... Depois eu que sou criança... Vote em mim, o numero é... Ih! Esqueci... Números não são meu forte..."





"-Você me conhece! Vou lutar pelo fim da discriminação na F1, por que foi esta coisa odiosa que tirou o Ralf Schumacher das pistas. E também peço implantação dos 'pitboys' no lugar das 'pitgirls', afinal todos tem direitos iguais não? Nico Rosberg meu numero é número1212.











"-Você me conhece! Eu sim tenho os números como força. Não só números, mas formulas matemáticas inteiras. E qualquer tipo de gramática em qualquer língua. E também química e física. Nerd também é gente, vote em mim meu numero é 3,1416"







"-Você me conhece. Se não conhece vai conhecer em breve. Luto para quebrar recordes, quero um dia largar em ultimo e chegar em primeiro com pelo menos dois minutos na frente do segundo colocado. E não importa como vou passar! Vou passar e quem achar ruim que tente me parar. Eu sou bom! Vote em mim, meu numero seria o 1, mas por conta de uns problemas no ano passado ai eu fiquei com o 22, Luto para corrigir isto... "




"-Você me conhecia... Eu era um cara arrojado, cansei de fazer boas corridas quando corria na Mclaren. Ano passado fui bem regular e o titulo caiu no meu colo. Este ano to meio sem vontade... Mas vote em mim assim mesmo. Prometo mais corridas na Alemanha, a cerveja lá é legal. E também na Bélgica, uma na Rússia para poder ir ao pódio e estourar uma garrafa de vodka. Meu numero... Bem... No carro é 1, mas na equipe agora sou o 2... "




"-Vofe me conhefe, eu fou o Felipe Maffa, até bem pouco tempo atrás eu era estabanado, mas agora não. Eu penfo no canfeonato. Estafa um monte de ponfos afrás de todo mundo e agora esfou afenas a um ponto do líder. E nem me venham com a história que ganhei o Gp da Bélgica na forte... Prometo que nunca vou ser boquirroto que nem o Barrichello e nunca mais fou fazer profaganda dos pneus Fridgestone... Ta vendo nem aqui eu consigo falar o nome dos pneus... Meu numero? Importa pouco... Vai mudar ano que vem por bem ou por mal... "




"-Você me conhece? Então é o único... E nem precisa votar em mim... Meus votos vão todos pro Lewis mesmo... Então em vez de dar a vocês meu numero dou o dele logo. Vote no 22."

21 de set de 2008

O futuro à Deus pertence, mas a gente pode especular

Que a F1 anda carente de mais disputas, de mais rivalidade, mais gente capacitada a lutar por vitórias e mais carros em condições reais de proporcioná-las não é novidade nenhuma.
Melhorou muito é verdade e este campeonato tem sido o mais emocionante em muito tempo, mas dois pilotos apenas disputando o titulo ainda é muito pouco.
Esqueçam-se da vitória de Vettel com a Toro Rosso e até de Kubica com a BMW.
Foi tudo muito bonito, mas um tanto ilusório.
Lembre-se que houve um qüiproquó todo na saída dos boxes ao fim da primeira bateria de troca de pneus no caso do polonês e claro que Vettel poderá ser um piloto muito bom e de futuro, mas no momento nem ele e muito menos a Toro tem condições de, em pista seca e com todos os favoritos – Massa, Hamilton, Kimi e vá lá que seja Kova – em dias normais lutar por vitórias e convenhamos... Ficar torcendo por corridas sob dilúvios é bem chato.
Não que isto tire o brilho de suas vitórias, mas repito. É pouco!
E qual seria a solução então?
Bernie Ecclestone já disse que não poupará esforços para que o ‘gemananico’ (germânico+nanico) que hoje está na Toro e que ano que vem vai para Red Bull em uma equipe de ponta.
Ajudaria se ele conseguisse promover a RBR ou a STR a equipe de ponta. Ou a BMW ou trazer de volta os bons tempos da Williams e com isto fazer surgir mais postulantes reais ao titulo em carros diferentes. E aí sim remanejar os pilotos melhores aos melhores cockpits.
Mas isto é apenas um sonho por enquanto.
No momento temos de realidade em termos de equipes não é lá muito empolgante.
A BMW que se mostrava em franco crescimento no começo do ano parece ter dado uma estagnada depois da vitória de Kubica no Canadá e as equipes patrocinadas pelas latinhas carecem de bons pilotos: Bastiões e Webber são casos distintos.
Vettel é promissor, Bourdais precisa se encontrar ainda e Buemi é uma aposta.
Webber é apenas Webber, não vai muito além do que já é.
Kubica é ótimo piloto, mas ainda carece de rodagem. De mais horas de vôo por assim dizer.
O que sobra então? Quem poderia fazer um carro promissor chegar a ser um carro de ponta?
A resposta? Fernando Alonso.
Aqui além de ter a companhia de uma morena bonita, Alonso também está com Nico Rosberg.


É inegável que Alonso é, e já faz tempo, um dos melhores pilotos do grid e mesmo com a bagunça criada ainda na época em que pilotou para a McLaren manchando consideravelmente sua imagem não podemos esquecer que ele disse que trouxe sete décimos a equipe de Woking em acertos no carro. Devidamente usados por Lewis Hamilton enquanto o asturiano permitiu.
E agora que seu grande sonho, - e de onze entre dez pilotos – a Ferrari ao menos por hora fechou suas portas para que ele guiasse seus carros, onde ficaria melhor o bi campeão mundial?
O Blig Groo fez um esforço incrível para vencer as reservas que tem pelo asturiano sobrancelhudo e tentar imaginar em que equipe Fernando Alonso ficaria melhor.


Renault – Ficando por lá mesmo ele teria a vantagem de ser o incontestável primeiro piloto da equipe. O que não iria querer dizer grande coisa já que ser o primeiro de uma equipe que fica sempre pelo meio do grid não é vantagem nenhuma. Agora, se Flavio Briattore fizer das suas e arrumar um carro muito, mas muito melhor que o Clio que andam usando lá agora... Vai saber!

BMW – Aí sim... Por mais que Kubica seja um bom piloto e de futuro seria nas mãos de Alonso que a BMW poderia dar sua volta por cima. Os teutonicos têm dinheiro, bons engenheiros e um motorzão, que em minha opinião ainda não foi bem utilizado. E Nick Haldfeld que se dane!





Kibon: Pilotando os carrinhos amarelos da fabricante de sorvetes no GP Brasil ele ganharia não sete décimos, claro, mas ao menos 70 centavos por picolé vendido. Uma boa até...




Toyota – Outra equipe que conta com um fundo financeiro muito bom, mas não tem lá grandes pilotos. Alonso seria fundamental no desenvolvimento dos carros da Equipe japonesa. E seria primeiro piloto com qualquer um dos dois que estão lá agora.

Hotdog F1 team - Já a equipe de carrinhos de cachorro quente presente a todos os autódromos no mundo é uma opção que poderia dar alguns problemas. Afinal a receita de preparo da iguaria não costuma variar muito de dogueiro para dogueiro. E se o companheiro de equipe esquina vendesse, sei lá, sete lanches a mais ele poderia alegar que estava sendo preterido e denunciar
alguma espionagem e tal... Com ele nunca se sabe.


Williams – A Equipe de Groove tem apenas uma vantagem sobre as outras que citei: Tem os carros mais lindos do mundo. E se não tem um futuro aparentemente muito bom competitivamente se Alonso conseguisse levar a Williams de volta as vitórias seria sensacional.

Mas vá para onde for Fernando Alonso levará consigo seu talento, seus dois títulos mundiais, seus patrocinadores e suas sobrancelhas... E tomara mesmo, que o carro lhe seja a altura, afinal é muito chato vê-lo tomando pau em carros ruins, legal seria vê-lo apanhando dos outros pilotos em um carro bom.

19 de set de 2008

Notinha do busão




Mais uma da série ‘pérolas ouvidas dentro do coletivo’.
Dois senhores conversando nos assentos logo em frente ao que estava ocupando comentando sobre a nova febre eleitoral da região: Os carros de som com jingles ou versões de sucessos vertidas para propaganda eleitoral que acabaram com a paz e o sossego de todo mundo, criando uma poluição sonora tão grande ou maior que a poluição do ar de Pequim.
-Eu já não agüento mais estas musiquinhas de candidato. Principalmente para vereador...
-E eu? Já estou dormindo e acordando com estas pragas grudadas na cabeça...
-É versão ou original, mas não falha... É um chiclete.
-E todas muito, mas muito mentirosas...
-E não é? Pelo menos umas quarenta dizem que o dito cujo vai trazer felicidade. Só se for pra ele próprio.
-Mas as que mais me irritam são aquelas em que eles dizem que são ‘o amigo do povão!’; Que vão trabalhar pelo povo; Que vão ajudar o povo, que povo isto, que povo aquilo...
-Não entendi. Não é para isto que serve o vereador? Para representar o povo?
-Por um acaso, ele não é povo também? Ou o candidato e depois vereador eleito não faz parte da população do mesmo jeito?
A conversa esfriou, ficou congelada depois desta frase e eu me peguei pensando... E não é que ele tem razão?




Felipe Maciel e eu recebemos em nossa mesa o Camarada Antigomobilista Renato Bellote, do Blog Na Garagem.
Aproveite também para votar em nossa rádio na eleição dos melhores podcasts da web. Acesse aqui a pagina da Rádio OnBoard e vote clicando no selo Premio Podcast 2008. É melhor votar se não... Pode acabar virando persongem de crônica aqui no Blig Groo!
Divirta-se. E vote!

18 de set de 2008

O importante sem importância - Sérgio Sampaio



A história da MPB por vezes registra alguns rótulos e pechas que não só degradam como atrapalham a vida de determinados artistas.
Um destes rotulos são os que englobam os chamados ‘Malditos’.
Neste grupo militam cantores e compositores de talento inegável, porém com pouca visibilidade do grande publico: Walter Franco, Jards Macalé, Luiz Melodia, Itamar Assumpção e principalmente Sérgio Sampaio...

Cantor, compositor e alcoólatra, nasceu em Cachoeiro do Itapemirim, E.S. logo, conterrâneo de Roberto Carlos, a quem dedicou a canção “Meu pobre blues” onde o personagem principal – talvez ele mesmo – tenta fazer com que o ‘rei’ grave uma canção sua:
Blues tão rico
Só que já não esconde
Que o meu pobre coração
Está ficando um tanto ou quanto aflito
Pois deve estar pintando o tempo
Em que você começa a gravar
No seu próximo disco
Eu queria tanto ouví-lo cantar
Eu não preciso de sucesso
Eu só queria ouvi-lo cantar
Meu pobre blues... E nada mais...

Durante sua vida, não se tem noticia de que em algum momento tenha sido executivo ou empresário, mas compôs um poema lindíssimo com base em reflexões de um executivo.
“Roda Morta” tem sabor amargo e a beleza trágica dos grandes desastres da humanidade:
Eu sei que quando acordo eu visto a cara falsa e infame
como a tara do mais vil dentre os mortais
E morro quando adentro o gabinete
Onde o sócio o e o alcagüete não me deixam nunca em paz

Participou com Raul Seixas (não gritem ‘toca Raul’), e outros dois ‘malditos’, Edy Star e Mirian Batucada do álbum coletivo ‘Sessão das Dez’, que foi um fracasso de vendas, penso eu que pela presença do Raul...
Em sua obra mais conhecida – e eu duvido que alguém aqui vá dizer que conhece! – Sérgio conta da discriminação que sofreu por não participar de movimentos contra o período de ditadura por que passava o país.
Não se pode culpar ninguém por não querer ingressar na causa anti-militar, muito menos Sampaio, afinal gente de muito mais expressão e peso na vida cultural do país foi preso e/ou exilado. O que então poderia acontecer então com um aspirante a ídolo que até então não tinha se dado bem?
“Eu quero é botar meu bloco na rua” tem versos que descrevem muito bem o que citei:
Há quem diga que eu dormi de touca
Que eu perdi a boca, que eu fugi da briga
Que eu caí do galho e que não vi saída
Que eu morri de medo quando o pau quebrou.
Mesmo não havendo nenhum registro de que Sérgio gostasse de automobilismo e, obvio, não conheceu Kimi Raikkonen, a canção tem um verso que parece escrito especialmente para o finlandês bunda mole:
Há quem diga que eu não sei de nada
Que eu não sou de nada e não peço desculpas
Que eu não tenho culpa, mas que eu dei bobeira
E que Durango Kid quase me pegou.
Basta se lembrar do episodio em que Kimi derruba a menina no padock e dos vários 'paus' que vem tomando de Massa e Hamilton (durango Kid?) este ano...


Mas sua obra mais bela fala apenas de si mesmo e mesmo tendo sido gravada ainda no inicio da carreira acabou lhe servindo como epitáfio.
“Não adianta” – aqui gravada por Zeca Baleiro - soa como despedida:


O que importa,
É que já não me importa,
o que importa,
É que ninguém bateu em minha porta,
É que ninguém morreu,
ninguém morreu por mim.

Não quero nada,
Não deixo nada, que não tenho nada,
Só tenho o que me falta e o que me basta,
No mais é ficar só,
Eu quero ficar só.




Sérgio Sampaio morreu com apenas quarenta e sete anos sem o devido reconhecimento.
Enquanto isto, porcarias como Madona passam dos cinqüenta e lotam estádios por onde vão.
Mas como diria o próprio Sérgio Sampaio em “Tem que acontecer”:
Mas não posso fazer nada
Eu sou (sou só) um compositor popular.

15 de set de 2008

Ava(ca)liações - Monza - 08




Sebastian Vettel: Venceu a prova mais bacana da F1 em condições super adversas - 10, 10, 10 - por esta vitória ele leva o titulo de campeão da turma do fundão deste ano. E não importa se outros tiverem mais pontos que ele. Poxa! Venceu em Monza!






Heiki Kovalainen: Segundo lugar foi até demais. Só que foi em Monza e inundado - 8 tá bom.


Robert Kubica: Deve ter pensado: "- Putz, sou o novato mais festejado do momento e quem ganha Monza? Um pirralho pilotando uma corroça..." - 7








Alonso: Segue sua busca inglória por um pódio nesta temporada- 4º lugar tá bom - 6








Lewis Hamilton: Se qualquer outro piloto tivesse ganho ele seria o nome da corrida. Mas ganhou um moleque pilotando uma carroça com motor comprado de segunda mão da Ferrari... 10











Felipe Massa: Fez pro gasto e pro campeonato: 7 tá bom pela ultrapassagem em Rosberg...


Este talvez fosse o carro indicado para correr em Monza chovendo, porém Noé foi punido por ter cortado a chicane nos treinos de Sexta.
















Estava com saudades do(a) Nico(a) - Olha ele ai olhando o motor da Ferrari.






David Couthard foi só ele mesmo, e aqui comemora sua habilitação de mais de 65 anos, que lhe garante entrar de graça nos onibus depois da aposentadoria...












500 Gp´s da Williams, e nenhum dos dois (quase) pilotos quebraram o carro de Tio Frank em Monza - Que Maravilha! Os carros mais bonitos do grid.