31 de jul de 2011

GP da Hungia: For lovers

E a gritaria começa em 3, 2,1 já:
“-Button é genial! Button é fabuloso! Button é fantástico! Button é cerebral!” – gritam os fãs mais exaltados e as meninas mais histéricas. Aquelas que não diferenciam o volante do pneu, mas acham o namorado da euro-japinha magrela um gato. “Uau!”
Pesquisas recentes mostram que sob chuva as mulheres dirigem com muito mais cuidado e consequentemente melhor.
Button sob chuva pilota com muito mais cuidado e – obviamente – melhor que os outros.
Logo chegamos à conclusão emergente do óbvio que: BUTTON É MULHER.

Não tenho nada contra pilotos cerebrais, se é que eles existem.
Até por que ser “cerebral” e piloto de carros de corrida não combina bem. É como lasanha com ovo frito...
Se o cara é “cerebral” vai ser físico, matemático, engenheiro atômico e não arriscar a vida tentando controlar um carro a trezentos quilômetros por hora, em pista molhada e em curvas que por vezes desafiam o bom senso e própria lei da física.
Mas... Como a gente adora este povo sem bom senso e que faz tudo isto que mencionei com um puta sorrisão no rosto! A temporada vem sendo pródiga em boas corridas e – não sei se por excesso de desejo dos fãs, sabe como é: de tanto querer... – sempre com ao menos ameaça de chuva.
O que nem sempre é bom, tem pistas que não precisa chover para ter corrida legal.
Já na Hungria....

Me pergunto o que acontece para que desde 1986 haja esta corrida sem nenhuma ameaça sequer de ser tirada do calendário, enquanto Spa já saiu e voltou e está sempre ameaçada.
Não pode ser apenas questão financeira, não pode...
E nestas vinte e cinco edições desta corrida é possível contar nos dedos quantas foram sob chuva e quantas tiveram realmente emoção.

Nesta edição as emoções vieram como e com a chuva, não fortes e nem constantes, mas em blocos suficientes para nos manter de olhos fixos na TV.
E teve de tudo: Hamilton jantando Vettel, briga de gente grande entre os dois Maclatas, Alonso mostrando seu inegável talento, Vettel mostrando que também tem sorte, Hamilton mostrando que além de bom piloto também é um grande ser impulsivo (e burro) e até liderança de Michael Schumacher, ainda que por meia volta, se tanto...
Também teve coisas estranhas como a explosão do Genni do Heidfeld.E coisas mais normais como a péssima atuação de Felipe Massa com piso molhado – ele é a antítese do Button – e a também péssima atuação de Rubinho por N motivos que ele mesmo fez questão de enumerar e dá ultima vez que vi a lista estava no numero 5.329 e crescendo...

E é isto, F1 na Hungria é realmente para amantes da F1, mais ou menos como diz a letra da música que escolhi para esta corrida: For lovers.

29 de jul de 2011

Coisas boas do canopy na F1

E se realmente cobrirem o cockpit do F1 com aquela bolha, o tal do canopy?De todo ruim não é, tenho certeza. Se não vejamos...

Com a quantidade de torcida que há por chuva a cada grande prêmio, vai ser necessário a instalações de limpadores de para-brisa. Com isto as empresas que vendem palhetas para limpador de para brisa vão poder estampar suas marcas nos carros a titulo de patrocínio.

Nos capacetes há o artifício das sobre viseiras, aquele monte de películas que o piloto vai tirando do capacete quando suja... E suja muito.
Colocar a película na bolha como se faz com a viseira é meio que impraticável... Fica meio difícil para o piloto tirar com o carro em movimento...
Então a solução seria instalar no novo “para brisas” dos bólidos os esguichos acionados por – mais um – botão no volante.
O Popular: Brucutu Os fabricantes também podem ser patrocinadores...

Vamos ter a abertura de mais um posto de trabalho no staf do pitstop.
Depois dos caras que soltam e apertam os parafusos, dos que tiram o pneu usado, dos que colocam o novo, do maluco que segura o pirulito e do chefe que dá esporro em todo mundo, vamos ter o cara que passa desembaçador e desengordurante na bolha, porque nem tudo sai só com água...
O ruim é que vai ser mais um para fazer cagada nos pits da Ferrari...

Mas o melhor, ou pior dependendo da ótica, é que os nossos bravos pilotos remanescentes na categoria após suas devidas barrichelladas abriram mais um posto na F1.O moleque, não querendo passar os mesmos vexames que seus antecessores vão abreviar as coisas e já entrarão na categoria sendo os personal flanelinhas dos respectivos primeiros pilotos de suas equipes...

27 de jul de 2011

Ava(ca)liações alemãs: a corrida foi boa, mas os personagens

Cortesia de Felipe Maciel

Não precisou de sorte para ganhar a corrida, mas pra não se quebrar todo ai precisou... Ah precisou!

Vettel marcou Massa o tempo todo. Se fosse para a área de escape, na brita. Talvez fosse junto, mas quando a porca não torceu o rabo, deu risada...

Aliás, a Ferrari fez bem em não apertar a porca... Só Caco, o sapo é que pode apertar...

Para quem riu quando o velho gordo, digo... O Rubinho falou que o carro estava acima do peso tá ai a prova....

Hamilton foi o nome da corrida. Mais que isto, foi o cérebro.

E se Lewis foi o cérebro, quem foi o Button então?

Maldade? Não... O Pink não ficou chateado, apesar de tudo...

Só para lembrar ao Rubinho que existe vida após a F1, não é tão rápida, aliás, são bem lentas as filas, mas... Do jeito que você está pilotando não vai ser muito diferente...

26 de jul de 2011

Crónica de cumpleaños

Aniversário é data chata...
Lembra à gente de um ano a mais, embora, tecnicamente seja um a menos e...
Não... Melhor não...
Bom é lembrar que é uma data onde se pode fazer tudo, ou quase tudo que se quer.

Tive um amigo que ao completar dezenove anos quis contratar dezenove stripers baixo clero, daquelas que... Tem menor lendo, melhor deixar subentendido.
Quis comprar dez garrafas de uísque red label e alugar uma suíte em um motel.
Só que após a nona dose - com guaraná - apagou e não conseguiu aproveitar nada.
Segundo ele, demorou vinte e dois meses para pagar o cartão de crédito da farra.
Quis esquecer tudo, mas a gente não deixa até hoje. Um outro diz que na sua família tem-se uma tradição seguida há muito tempo.
Explicou que começa a tradição quando se faz dez anos de idade e que antes de cortar o bolo consome-se o mesmo número do aniversário em quantidade de uma fruta qualquer.
Como aos dez anos ainda não se é muito consciente do que se está fazendo geralmente os pais escolhem pelo aniversariante logo, é muito comum após cantarem o “parabéns pra você” a criança comer dez gomos de tangerina, dez uvas, jaboticabas, dependendo da época.
-Mas jaboticabas não são aconselhadas não... – disse ele.
-Por quê? – quis saber.
-Chupar demais aquilo entope e ai o cara não consegue cagar e as lembranças da festa não vão ser tão boas assim...
Concordei e acrescentei as goiabas a esta observação.

Ele disse também que já viu primos comerem dez cajus. Eram alagoanos. E até jacas!
Mas ai estranhei e coloquei em duvida: -Porra! Dez jacas? Conta outra!
E ele explicou que não eram dez jacas, mas sim dez gomos, ou bagos como ele disse...
-Ah bom... Mas e então? E no ano seguinte? -Ai já vai crescendo, tendo mais idéia do que é a tradição e então o aniversariante vai aos poucos podendo escolher sozinho a fruta que vai comer...
-Hum... E pode-se repetir a fruta?
-Não... Têm tantas que repetir não é legal. Por melhor que tenha sido a ano é bom não tentar repetir, pode dar azar...
Concordei. Até que ele disse que um tio, gaúcho, que se recusou a comer frutas no aniversário de 39 anos. Pediu picanhas...
-E ele comeu?
-Só até a quarta, depois desmaiou, entrou em coma e morreu...
-Ah é? Putz! Que chato...
-Chato mesmo, ninguém quis comer o bolo e a festa foi um fracasso...

Uma tradição que acharia legal seria espocar uma garrafa de champanhe com a mesma idade que se está fazendo a cada aniversário, porém se o cabra tivesse a vida muito longa, a tradição iria acabar custando muito caro... Ah não ser que fosse guaraná e então...
Não, não... Se for para ter tradição que seja direito! De Moet Chandon pra cima...
É aniversário porra! E nestes dias em que dizem que tudo faz mal, engorda, causa câncer, hipertensão. Que não se pode comer sal, que açúcar é veneno. Gordura então nem pensar... Tem mais é que se comemorar cada ano que se consegue passar vivo.

Eu? Não tenho plano mirabolante nenhum ou tradição alguma para manter no meu aniversário...
Resolvi então só escrever esta besteira mesmo para comemorar.
Feliz aniversário para mim.

24 de jul de 2011

Gp da Alemanha: If you believe...

Tem coisas que só pista de verdade pode patrocinar.
Boas corridas com emoção é só uma delas.
A alegria de ver um traçado bem feito que favoreça quem sabe pilotar é outro e, claro, o máximo prazer de poder mandar o Tilke e seus kartódromos chuparem uma manga (tem menor lendo...). Nurburgring está condição de ultimo bom circuito da Alemanha, já que o mítico Nordschleif é impensável para as configurações atuais dos carros e Hockenhein não é nem sombra, nem a mais pálida sombra do que foi no passado, tendo virado apenas mais um kartódromo.
Aproveitemos enquanto Ecclestone não resolve tirá-lo do calendário.

A corrida deste ano foi a primeira em que a vitória de um piloto que não os da Red Bull veio sem um erro.
Hamilton ganhou no braço, na garra e sem um golpe de sorte.
Como teria sido também se a vitória fosse de Alonso, já não posso dizer o mesmo com certeza no caso de um sucesso de Weber. Finalmente, não sentimos falta da chuva e sinceramente até temi pela chegada dela. Tenho comigo que atrapalharia a festa e nivelaria tudo por baixo.
Ela não veio e os que queriam ver corrida de verdade agradeceram...

Outra coisa que um circuito real nos fornece é a certeza de que tem coisas que não mudam nunca.
Uma delas é a de que o arsenal de desculpas de Rubens Barrichello não acaba nunca.
Carro acima do peso, vazamento de óleo no motor (estas só do carro dele), peso menor do Maldonado, ficar sem kers e equipe mandando que ele parasse foram as da vez... Prova que só a chegada de motores Renault não vai adiantar muito.
Nem que fossem Mercedes...

Outra é que, mais hora, menos hora a Ferrari vai fazer alguma porcaria (sem trocadilho) na troca de pneus.
Não importa se é com um ou outro piloto, sempre fazem alguma besteira.É claro que fazem mais com o outro piloto, já que o um não admite muito não, dá esporro e com isto até já ganhou corrida este ano.

Pequenices à parte, foi uma das grandes corridas da temporada e, se vai ou não devolver ao campeonato a disputa pelo título (que até agora parece ter dono certo) serviu para derrubar os maledicentes e detratores que dizem que a festa já acabou.
Tem tempo ainda para uma reviravolta, embora seja difícil.
Na F1 as coisas acontecem tão rápido que eu, descrente que sou - ou era - não duvido de mais nada
E se já colocaram um homem na lua, por que não acreditar que outro possa ganhar o campeonato além do Vettel?

A musica deste GP é Man on the moon, do e com o R.E.M.


23 de jul de 2011

Winehouse

... Ela cantava bem... Mas ainda não gosto das cantoras desta geração.
-Ela não foi “desta” geração... Se, claro, você estiver falando de gagas, britneis, beyonces da vida.
-É desta geração que eu falava sim... E como você pode dizer que ela não foi?
-Da mesma época sim... Mas qualitativamente, nunca!
-Como assim?
-Você viu os shows, ouviu os discos... Não percebeu?
-Como assim?
-Quantos backing vocals tinham no palco?
-Dois...
-E eles faziam o que?
-Cantavam as frases de apoio...
-Igual a quem?
-Hum... As backing vocals da Aretha Franklin nos tempos áureos?
-Exato.
-E quantos dançarinos fazendo coreografias metidas a sensuais, mas que na verdade são ridículas você viu?
-Nenhum... Vale a dancinha esquisita dos backings?
-Não...
-Mas vou te falar... A voz delar... As drogas e o álcool acabaram com ela.
-Sério? Cê pensa assim?
-E não é?
-Acho que não... Faz sentido quando se entende o que ela esta cantando... Ela é da mesma escola que já de Billie Holiday, Etta James, Janis Joplin...
-Da auto destruição?
-Também... Mas lembre-se que a Etta sobreviveu.
-É... E do que mais então?
-Das vozes que amadureceram os excessos, ganharam charme sem perder aquilo que as difere das outras de sua época.
-O que?
-A alma.... Pena que agora ela não voltará mais ao palco...

O que me chateia não é o fato dela ter ido, com o ritmo de vida e os excessos era até esperado.
O que me deixa fulo mesmo é o fato de ficarem ainda aqui - nos enchendo o saco e sem talento nenhum - lixos como Gaga, Madona, Britney e outras porcarias.
Mundo injusto este...


21 de jul de 2011

Cockpits cobertos, e ai? Contra ou favorável?

O que você acha da idéia da FIA de cobrir o cockpit dos F1?
Muitos dirão que é válido.
Que é uma mostra da preocupação que a entidade tem com a segurança dos pilotos, principais astros da brincadeira.
Outros diriam que é ruim.
Agride o formato de fórmula acabando com uma de suas características: o piloto com capacete ao vento. A outra são as rodas descobertas.
Mas é só isto?
É desta forma simplista apenas que se pode enxergar os testes feitos pela entidade máxima do automobilismo mundial?
Sim e não...

Fato é que entre as equipes – parte tão importante quanto os pilotos – ao serem informadas dos testes com a tal bolha protetora se manifestaram - pasme! – em unanimidade contra a tal inovação.
A gritaria se deu apoiada no viés da própria segurança argumentada pela FIA.
Se por um lado, dizem eles, a cobertura protege a cabeça do piloto de pneus soltos, molas e afins, por outro poderia – repare no tempo do verbo – dificultar a sua remoção do cockpit em caso de acidente.

Felipe Maciel, editor do Podium GP aventou a hipótese dos testes não passarem de uma “bacia de Pilatus”.
Em caso de acidente na F1 como o que vitimou Henry Surtees, a FIA se eximiria de culpa argumentando que uma precaução foi testada e oferecida, mas rejeitada. Transferindo assim a responsabilidade para as próprias equipes.
Em outras palavras: lavando as mãos.

Curiosamente, todos os argumentos parecem válidos e tem lá seus fundamentos.
Claro que a segurança é de longe o mais importante de todos e para aqueles apresentados pelas equipes exista a contrapartida de mais estudos para desenvolver e aprimorar dispositivos que permitam remover o piloto do carro com rapidez mesmo com a cobertura, como acontece com os carros protótipos e de endurance.
Prova disto foram os acidentes da Audi em Le Mans este ano.
É só uma questão de investimento.
E quanto à descaracterização, para os mais românticos, basta lembrar que nos anos sessenta os carros eram charutinhos sem spoilers, asas traseiras ou penduricalhos aerodinâmicos quaisquer.
Para os fãs daquela época talvez tenha sido tão ou mais difícil que para alguns de nós aceitar a revolução que tomou conta da estética dos carros na virada para os anos setenta e em diante...
É como dizem: não há nada com que você não se acostume mais cedo ou mais tarde.

20 de jul de 2011

Mambo

Era um concerto com varias bandas e vários estilos musicais.
Evento grande, cheio de pompa agendado para o teatro municipal e com bilheteria esgotada com lotação máxima e varias autoridades – reais e nem tanto – presentes.
Ele, malandro velho queria muito assistir aos shows e quem sabe fazer bons contatos.

Chegou à porta do teatro algumas horas ante do inicio das atividades já sabendo que não conseguiria bilhete algum.
Tentaria sua influência, ao menos a que pensava ter.
Nada.
Falou com todos os conhecidos da portaria do teatro, da administração e até com alguns convidados.
Nada. Tentou a porta dos fundos e lá também não conseguiu entrar.
-Por que não tenta a entrada dos músicos?
-Mas eu não sou musico...
-Pouco importa.... Faz como esta fazendo aqui e como me contou que fez na porta principal.
-Como?
-Encha o saco...

E ele foi para a entrada dos músicos.
Por sorte uma banda de mambo acabara de chegar e transportava os instrumentos para dentro do teatro.
-Posso ajudar ai, companheiro?
-Precisa não...
-Já entraram todos os instrumentos?
-Já.
-Mesmo? Não sobrou nenhum tambor, nenhuma caixa clara, um saxofone?
-Não...
-E o piano? Já entraram com o piano?
-Não... Vamos usar o do teatro mesmo, por isto nem trouxemos...
-E os bailarinos? Já entraram os bailarinos? Mambo sem bailarino não tem graça...
-É... Não tem... E os nosso são os melhores... Já entraram sim. À tarde, para o ensaio e ficaram lá dentro.
-Hum.... Então não falta ninguém?
-Acho que não... Bem... Eu vou entrar. Tenha uma boa noite.

Vê o membro da banda sumir porta à dentro e depois de alguns minutos um outro funcionário do teatro chegar à porta.
-Opa! Que bom que cê apareceu... Eu atrasei e não tinha ninguém para abrir a porta.
-Quem é você?
-Sou da banda que acabou de entrar...
-É? Não te vi nos ensaios...
-Mas eu tava lá...
-Bom... Dançarino cê não é. Não tem porte.
-Sim... Verdade.
-Não é dos metais, que eu vi entrar todos... Sax, trompete, trombone, pistão... Da percussão também não. O baterista e os percussionistas estão lá dentro e cantor... Bem... Cantor não é mesmo, com esta voz de taquara rachada... O que cê faz?
-Olha... Isto ai é um conjunto de mambo não é?
-É...
-Então... No mambo não tem aquele breque? Tipo assim... Pã parã parã pãpã... Vem o breque e um cara grita “uh!”?
-Tem sim... Mas não vai me dizer que você é o cara que dá o grito, por que este eu vi que também entrou...
-Não, não... Eu sou o cara que cutuca ele para gritar...


19 de jul de 2011

O que te preocupa?

E a seleção foi eliminada da Copa América, até ai beleza, jogos são assim não?
Ganha-se, perde-se e como dizia a letra daquela música: aprende-se a jogar.
“-Ah! Mas o problema foi ser eliminado pela modesta seleção paraguaia!” – alguém pode dizer...
Nem... Futebol admite isto. Nem sempre o mais forte vence e convenhamos: tradição vale muito pouco...
“-Então foi a forma... Nos pênaltis e sem converter uma cobrança sequer!”
E daí?
Na boa? É o que acontece com o time que amarela vestindo amarelo que te preocupa?

A mim não, nem um pouco. Na verdade quero que se danem.
E que se danem patrioticamente de verde e amarelo.
O que me preocupa e muito é o que se vai fazer daqui para frente pretensamente em nome desta instituição que como disse seu educadíssimo presidente, é privada.

Por sorte, ao que parece desistiram da idéia de um trem bala (ou seria bola?) ligando Rio e São Paulo.
Não que seja contra a construção do treco não fosse bem vindo... Sim, era, mas com estudos sérios, orçamento correto e prazo definido. Mas ai é pedir muito...
Só a “urgência” de uma copa do mundo trouxe a idéia à tona...
Por sorte a incompetência fez com que nem propostas (superfaturadas ou não) aparecessem no dia limite.

Mas este não é o único pênalti batido contra a nossa carteira amarrada e vendada.

Regime de contratação especial (sem concurso) para obras públicas.
Licitações, quando e se houver com valores ocultos.
E – suprema heresia – isenção total de impostos para obras que beneficiarão entidades tão privadas quanto à própria CBF. Obras estas que depois de prontas não trarão nem um real de lucro aos cofres aos quais não contribuíram com um misero centavo em arrecadação.
Enquanto isto salários de professores, aposentados não sobem a um patamar decente e justo por não haver dinheiro nos cofres públicos, aquele mesmo dinheiro que não vai entrar por conta da isenção.

Construção e manutenção de hospitais com criação de novos leitos, investimento em segurança para o período fora dos eventos, melhoria dos transportes públicos, investimentos reais em educação, enfim... Infraestrutura básica para a vida do brasileiro que seria necessária – com copa e olimpíada ou sem – vão ser empurradas com a barriga em nome de interesses outros.
Privados, diga-se, tanto quando a entidade que vai promover a copa e que não admite suas contas serem abertas.

E com tudo isto, ainda vai querer que nos preocupemos com o futuro de vinte e dois novos ricos da bola –sejam eles quem for - agora ou em 2014, que chutam quatro pênaltis para fora do gol em um campeonato sul americano com nível de várzea?
Façam-me um favor...

14 de jul de 2011

Difusor soprado liberado, saiba o que aconteceu

E finalmente acaba a confusão com a regra sobre difusores soprados.
Por unanimidade, como requer qualquer nova deliberação na categoria, a FIA decide que estão liberados os sistemas de reaproveitamento de gases do escapamento.
Tudo igualzinho como estava no inicio do campeonato.Ponto para a Red Bull? Para a FIA? Para a Ferrari que era o grande entrave?
Não, para nenhum deles...
Ponto para os espectadores que finalmente podem assistir as corridas em paz, sabendo que os carros estão dentro das regras e que elas não mudarão para deixar os melhores fora dela.

Mas, por que cacete a Ferrari se posicionou a favor dos difusores da discórdia?
Logo a equipe que (supostamente) teria feito queixas que levaram a FIA a proibir, desproibir, proibir pela metade, liberar dez por cento e depois liberar tudo como era antes.

Será que a vitória colocou na cabeça deles que o carro por si só pode bater as Red Bull?
Será que confiam no Alonso a ponto de achar que ele pode bater as Red Bull?
Será que ganharam algo em troca? Algo como o projeto original do difusor soprado para instalar nas carroças rossas?
Será que a grande jogada não é mais proibir o difusor e sim sabotar macaco pneumático? Vai saber?

O fato é que é estranho. Brigaram e fizeram tanto mimimi para proibir e agora vota por liberar, mesmo sabendo que isto torna os carros dos bois vermelhos quase imbatíveis...

Mas o Blig Groo tem também seu braço armado.
O mesmo que – diga-se de passagem – trás os e-mails e telefonemas que esclarecem duvidas e denunciam coisas: o Grookileaks parente próximo e ligado ao Wikileaks, e aqui está a verdadeira razão pela qual a Ferrari deu seu parecer favorável a utilização do difusor do capeta.
Segue transcrição.

“Na sala de reunião, Jean Todt expôs o quadro de caos que as constantes mudanças na regra geraram na cabeça dos fãs da categoria e até dos pilotos. Mostrou com gráficos que a proibição do difusor não acabava com a vantagem da Red Bull, apenas diminuía e usava como argumento principal o fato de não ter sido a proibição e sim uma falha de equipamento no pitstop que favoreceu a vitória de Fernando Alonso em Silvesrtone.”

E prosseguiu

“Então resolvemos deixar nas mãos de vocês representantes das equipes o veredicto final sobre o difusor. Vamos votar: todos aqueles que forem a favor da não proibição que não levante o braço.”

E finalmente a consideração do Grookileaks:

“Estando todos de acordo com a não proibição e manutenção do difusor em questão, permaneceram de braços abaixados, inclusive Stefano Domenicalli que, distraído da mesma forma que fica durante os pitstops da Ferrari, parece não ter entendido a pergunta de Jean Todt.”
Ao que parece, Luca Di Montezemolo não gostou muito não...

13 de jul de 2011

Dia mundial do rock

Em 13 de julho 1985, Bob Geldof organizou um concerto que – segundo ele – chamaria a atenção para a fome na Etiópia.
Deste concerto, chamado apropriadamente de Live Aid, participaram monstros sagrados do rock: Queen, Scorpions, David Bowie, Paul McCartney, The Who, Dire Straits, uma quase reencarnação do Led Zeppelin que contava com Phil Collins no posto que pertenceu a John Bonzo Bohan, o então emergente U2 entre outros.
As apresentações foram em dois palcos, um em Wembley, Londres e outro na Filadélfia, no estádio JKF.
Houve também artistas se apresentando em Tókio, Moscou e Sidney.
A esta data foi atribuído dia mundial do rock.

Provavelmente não foi o primeiro concerto coletivo com fins beneficentes, mas foi com certeza o mais famoso, o mais visto ao redor do mundo.
Segundo alguns historiadores e pesquisadores musicais, o evento serviu para alçar o gênero - já há muito consolidado - à condição de musica adulta, séria e não mais um arroubo de adolescentes e baderneiros.

Balela…

O rock sempre foi e sempre será música libertária, desencanada e descompromissada, mesmo servindo a fins humanitários.
Mais que isto, rock é um estado de espírito.

Tanto que perguntado ao fim do evento se o concerto conseguiria mudar a atitude do mundo em relação à situação do país africano, Bob Geldof não titubeou ao responder:
“-Não!”.

Mas que foi divertido, ah isto foi…

12 de jul de 2011

Ava(ca)liações britânicas

Alonso: -Da próxima vez leia el blog del Groo, ele no me suporta, pero deu una idéia genial: por el Rubinho em los dois coches del Red Bull com una roda a menos em cada...
Ecclestone: -Deixa comigo, e com o Todt...


Vettel sentiu tanto a vitória do Alonso que no pódio virou de costas bateu a mão na bunda e disse: "-Kiss my ass!"


-Foste usted que casaste com la gostosa?
-No, that´s my brother...
-Sorte de la ninã, usted és muy feio...


-Contrariar o Fábio Campos (@camposfb) não tem preço! hahahahaha


Os dois maiores torcedores e bem feitores da Ferrari e não mão deles a próxima canetada na Red Bull: A troca de Vettel por Naraih Indiano, Rubinho ou algo que o valha...



Olha a diferença de quem entende de F1 para quem não manja nada... O menino pede autógrafo para o gênio Newey, enaquanto lá atrás um sujeito fã de hoquei no gelo pede para o Massa e pergunta: "-Corre pra qual equipe você?"


Alonso: -Quero agradecer à FIA, ao Jean Todt, ao Bernie Ecclestone, ao macaco pneumatico da Red Bull...

Vettel: -E a sua equipe?
Alonso: -Ah, claro, também, afinal conseguiram não errar...


Vettel: -Parabéns a vocês...
Alonso: -A mim e a Ferrari?
Vettel: -Não... A você e a FIA.


Rubinho: -Estou me sentindo a seleção brasileira... Não consigo sequer ganhar de um venezuelano...

10 de jul de 2011

GP da Grã Bretanha: breaking all the rulles!

Corridas inglesas - principalmente em Silverstone - diferentemente de sua comida, são muito boas.
A imprevisibilidade do clima, as curvas de alta, o histórico da pista (tá bom, este vale pouco...) fazem com que fiquemos ansiosos na semana que antecede a corrida, e também saudosos toda vez que tem corrida em Valência, Abumdabe e outras porcarias ai...
Neste ano ainda mais, já que além dos bons espetáculos que a categoria vem dando (exclua Valência) ainda tinha a expectativa em saber se a nova canetada da FIA em favor da Ferrari e contra a Red Bull surtiria efeito.

Até onde o imponderável agiu, vimos que não deu muito certo não...
Diminuiu a diferença, mas não igualou nada: Weber fez a pole, Vettel ficou em segundo.
Na corrida então, saíram na frente e ficaram lá até o supra citado imponderável fazer sua aparição em um pitstop.
Como numa reversal russa, modelo italiano: “nos pitstop ingleses a Ferrari passa você!”.
Em um pitstop, quem diria!

Independente da ótima corrida, com reais possibilidades de vitória de muitos pilotos, e com um final até certo ponto surpreendente - quem diria - o que vimos foi um grande golpe de sorte a vitória de Fernando Alonso... Opa! Pera lá! Alonso chegou vinte segundos na frente de Vettel, como assim sorte? Tudo bem... Sorte ajuda quem trabalha, e como tem trabalhado o asturiano!
Trabalha ele e faz a sua equipe trabalhar.
Louve-se que a Ferrari não desistiu da bomba que construiu e finalmente colheu os frutos de uma vitória.
E mais: faz trabahar seu braço armado de canetas e idéias mirabolantes: a FIA.

O resultado vai mudar o campeonato?
Não parece.
Vai embolar?
Provavelmente não...
Dá alguma esperança ao Alonso?
Dá... Afinal esperança ele sempre tem...

E também dá a certeza de que se a Ferrari pedir as Red Bull terão de correr com uma roda a menos em cada carro e com o Rubinho pilotando os dois (não se sabe como, já que ele não pilota nem um lá na Williams).

Agora é esperar pela próxima, na Alemanha onde o fim definitivo dos difusores soprados já vai estar declarado, já que a FIA deixou nas mãos das equipes o veredicto final.
Só segue valendo se houver unanimidade.
Com a Ferrari interessada no assunto? Unanimidade? Sei, sei... Mas vai saber...

Ah! Sim... A corrida em si? Corridaça!

E o som da prova não poderia ser outro, afinal, a FIA vem quebrando todas as regras, que curiosamente, ela mesma fez...



7 de jul de 2011

Por uma F1 menos aerodinâmica (sei, sei...)

De: Luca Di Montezemolo (iomando_iosouchefe@ferrari.it)
Para: Ross Brawn (eu_acho_brecha@regulamentoF1.com)
Assunto: Por uma F1 menos aerodinâmica.

Ciao Ross.
Io no vou mentir non... Io estou morrendo de saudades do tempo em que trabalhava para a famiglia, mas... Son outros tempos e agora você trabalha para o concorrente... Si, concorrente Ross, porque inimigo mesmo son quelas maledetas carroças azuladas pilotadas por quele velhaco namorador de nonas e quelo menino que um dia vai pilotar uma rossa...

Mas non é disto que io quero falar, Gostaria de propor uma parceria. Que tal se fizéssemos uma campanha: Por uma F1 menos aerodinâmica?
Umas idéias, uns projetos... Pensei em contar com seu dom de arruma buraco em regulamento... Não sei direito... Que pensa? Vale a pena?
Um abraço de seu ex chefe Luca.


De: Ross Brawn (eu_acho_brecha@regulamentoF1.com)
Para: Luca Di Montezemolo (iomando_iosouchefe@ferrari.it)
Assunto: RE Por uma F1 menos aerodinâmica.

Dear Luca...
Deixa ver se eu entendi... Você quer diminuir a influência da aerodinâmica no desempenho dos carros? Aonde quer chegar exatamente?
Primeiro vem apoiando a idéia de usar motores 1.6L turbo com giros limitados, agora quer acabar com a aerodinâmica... Por acaso estão encalhados na fábrica da FIAT os motores 1.6L Turbo que vocês colocavam no Tempra brasileiro?
Bom, mas se realmente quer falar sobre isto, vamos lá...
Andei pensando que seria legal se a gente acabasse com o túnel de vento, proibisse mesmo... E também liberar o efeito solo para diminuir turbulência... O que acha?

De Luca Di Montezemolo (iomando_iosouchefe@ferrari.it)
Para Ross Brawn (eu_acho_brecha@regulamentoF1.com)
Assunto: RE RE Por uma F1menos aerodinâmica.

Non entendi questas piadas... Mas ri assim mesmo.
Falando sério: Acabar com túnel de vento? Efeito Solo? Fim de difusores?
Pode ser! Desde que, claro, questo derrube a maledeta Red Bull, hehehehehe. Capiche?
Cordiais saudações.

De Ross Brawn (eu_acho_brecha@regulamentoF1.com)
Para Luca Di Montezemolo (iomando_iosouchefe@ferrari.it)
Assunto: RE RE RE Por uma F1 menos aerodinâmica.

Ah! Entendi... Então vamos mudar o titulo dos e-mails para: Quero voltar a dominar as corridas... E o resto que se f...

6 de jul de 2011

E quando toca o telefone...

Inspirado nesta noticia aqui: Animado com futuro da Williams, Barrichello já fala em novo contrato - do Grande Premio.-Alô? Felipe?
-Isto, quem fala?
-Pô Felipe, sou eu...
-Eu? Eu quem? Di Grassi?
-Não pô....
-Rubens?
-Isto!
-Acertei na segunda...
-Sem graça. Tô te ligando pra dizer que a Williams vai trocar de motor! To felizão, e até pensando em renovar meu contrato...
-Que motor eles vão usar?
-Renault meu caro, Renault, hehehehehe.
-Hum... Interessante... E agora? Vai dar pra ganhar da Force Índia?
-Como assim Force Índia? É Renault meu caro... Os mesmos que equipam os Red Bull!
-Hum... E daí?
-Como assim e daí, Felipe? São os motores da Red Bull, que ganharam sete das nove corridas até aqui. Que foi campeã ano passado!
-Hum... Até onde sei são os mesmos que equipam a Genii e a Lotus, e estes times não estão na ponta de nada?
-Mas aqui é Williams, nós já ganhamos corridas com este motor!
-Nós? Você tava lá?
-É modo de dizer... Agora, com a volta dos parceiros vamos pras cabeças!
-Sei...
-Qual é Felipe? Eu te ligo pra dar uma noticia boa e você vai jogando água fria...
-Não é água fria...
-O que é então?
-O Newey vai construir o novo carro da Williams, pra abrigar o motor?
-Não...
-Patrick Head vai voltar a cuidar das estratégias?
-Que eu saiba não...
-Frank Williams vai vir com o mesmo aparato financeiro que tinha tempos atrás?
-Não... Claro que não...
-Ah... Então põe os pés no chão.
-Cê tá falando assim por que nem sabe se vai correr na Ferrari ano que vem...
-Bem... Até ai, nem você sabe se a Williams vai poder ou querer renovar seu contrato...
-Tá... Então tá... Diz ai... Já que já teremos os Renault, diz o que mais você acha que é preciso além do Newey, de um estrategista melhor, de um caminhão de dinheiro pra vencer?
-Hum... Que tal Vettel num carro e Alonso no outro?
-E eu?
-Boa noite Rubens... (tu tu tu tu)

5 de jul de 2011

Hispânia e Williams: duas jogadas que não servem para ganhar o jogo

O interessante é que a noticia tinha chego até nós como boato, e dava conta de que a Hispânia seria vendida a um banco japonês, o que nos suscitou a dúvida: se chamaria a partir de agora Japânia?

Depois veio a confirmação, mas com a correção de que quem comprou a bagaça é foi um grupo espanhol. Tanto quanto a própria equipe.
Ai a duvida que aparece é: mas se a Espanha - lindo país - está passando por um crise financeira como a muito não se via, por que este grupo resolveu jogar dinheiro fora comprando um time de F1 quem nem dos melhores é? Muito pelo contrário...
Se todos os investidores espanhóis tiverem esta visão soberba de investimento, não fica difícil entender o porquê de o país estar passando pela tal crise.

Ou na pior das hipóteses, vão transformar os bólidos em F1 de dois lugares e montar a menor frota de táxi do mundo, com dois carros apenas...
A mais rápida não dá pra dizer, porque os Ford Crown Vitória que andam em New York conseguem – mesmo com transito – serem mais rápidos que as Hispânias...

A comunidade wiliaminiana está eufórica com a noticia de que já para 2012 a equipe de Grove usará motores Renault. Eu não.
E não me venham dizer que são os motores que equipam a Red Bull, que isto não garante nada. Basta lembrar que a Lotus verde-amarela também usa os mesmos e vive no fim do grid.
Como se apenas motores fracos fossem o problema do time.

Temos sérios problemas financeiros que nem a grana da PDVSA é suficiente para dar jeito.
Pode aliviar, mas até quando?
A insistência, romântica e bonita, mas pouco eficaz em se gerir a equipe como se ainda estivessem nos anos 60/70 também não ajuda.
Tínhamos problemas de comando, com um tipo que entendia de estratégia tanto quanto eu entendo de física quântica aplicada.
Ok! Ele foi trocado, mas o cara que vem aí também não é assim uma brastemp e pior: tem histórico sujo em uma equipe suja.
Um staff que não consegue sequer corrigir problemas crônicos no cambio dos carros ou resolver os problemas com o kers que até outro dia era de sua própria fabricação e ainda por cima se saem coisas do tipo: ”buraco aerodinâmico”.
E os pilotos? Um que é sem experiência, apesar de esforçado e o outro é um boquirroto em fim de carreira que - pasme – acredita no “buraco aerodinâmico” e o vende como verdade ao mundo...

Com tudo isto ai, nem que fechassem com a Mercedes - para mim os melhores e mais confiáveis - e tivessem o direito de usar a ultima especificação antes da Mclata e das próprias flechas prateadas do vovô Schumy e da tia Rosberg a coisa andaria bem.
Os Cosworth realmente são fracos, mas o “buraco” da Williams é bem outro e nem é tão “aerodinâmico” assim...

Agradecimentos ao Marcelonso, que foi o primeiro a publicar esta charge que ilustra a parte da Williams