31 de out de 2012

Charges do Win or Wall - 2

E novamente uma coletânea do trabalho feito no tumblr (palavra do catzo) Win Or Wall.
Mais uma vez comentando os assuntos da semana.
E novamente, não tem do Fábio Andrade, que foi pra Acapulco trabalhar como maricahi.

 Mario Andretti aprova pista de Austin.
 E teve gente que levou a sério...

Damon Hill faz uma exibição ao volante de um Red Bull
Dignidade, ou você mantém, ou tá ferrado.

1B estréia na Stock Car
E prova que velhos hábitos nunca morrem.

McLaren poderá reeditar parceria vencedora com motores Honda.
Inveja é uma merda mesmo...

Treco visto dentro dos boxes da McLaren
Não, não sei do que se trata.

Teoria do Espelho...
Depois reclamam quando digo que o pré requisito para se nascer indiano é ser feio...

Alonso alfineta Ferrari usando Vettel e Newey
Ele as vezes aumenta, mas inventar? Nunca fez...

E esta é do Felipe Maciel, sobre o mesmo tema...
Foi o troco, em grande estilo.

Visite e siga o Win or Wall.

30 de out de 2012

Lado B de uma corrida ZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZ


O lado B do GP da Índia não é engraçado.
A corrida foi tão chata que nem serviu para fazer piadas.
Peguemos então algumas declarações pré-race de Fernando Alonso como lado B.

Disse o asturiano metido a besta: “-Não brigamos mais contra Vettel, e sim contra Adrian Newey...”.
A frase teve mais o sentido de uma alfinetada em sua equipe que não consegue melhorar o carro a contento do que um menosprezo tão comentado a ao Bastiãozinho alemão.

E o espanhol ainda completou: “-Quando os carros eram mais ou menos iguais, estive na frente.”.
Mentira? De jeito nenhum.

Não é aqui que vou dizer – e nem me arrisco a isto – que Vettel é inferior a Alonso.
Também não digo o contrário, ambos se equivalem.
Mas no momento, Alonso está coberto de razão.

A briga da Red Bull começou contra as outras equipes, mas depois foi para outro âmbito. Passou a ser contra a tesoura da FIA que lhe tirou peças importantes do carro alegando estarem fora do regulamento.
Sem estas peças, ficavam atrás das Mclarens e de Alonso, que no começo da temporada corria sozinho na Ferrari.

Então a Mclaren, em algum ponto da jornada se perdeu.
Seja por perda de foco, falta de motivação ou simplesmente um desenvolvimento menor que as outras.
Como a Red Bull ainda brigava com a FIA, Alonso – mesmo sem atualizar tanto o carro – assumiu a ponta e foi embora.

Mas a Red Bull tem o melhor projetista da atualidade e com um toque de gênio fez - falando rasamente – dois furos na asa traseira e recolocou a Red Bull na briga contra as outras equipes, já que ai a FIA não pode se meter mais.

Some-se isto ao improvável de Alonso ter azar em duas provas (Spa e Suzuka) e pronto, a diferença caiu até ser eliminada e voltar a favor do piloto alemão.
Tem demérito nisto? Óbvio que não.
Mas por isto mesmo, a frase do espanhol do capeta é totalmente pertinente.
Por melhor que seja o Vettel, sem as atualizações de Newey, a Red Bull não teria virado o jogo.
E sem alguém do nível dele (Adrian) nesta reta final de campeonato, só a mítica sorte alonsiana é que o fará ter razão em outra frase sua deste fim de semana: “-Tenho cem por cento de certeza de que serei campeão em 2012.”.

Quem viver, e não for cego, verá.

28 de out de 2012

F1 2012: Índia a corrida do zzzzzzzzzzzzzzz


A Índia é um país sensacional.
Seu ar puro, sua cultura sua cultura simples mesmo baseada em um zilhão de deuses.
Isto sem contar sua culinária apetitosa que não usa nada fora dos padrões e sua maravilhosa indústria cinematográfica, com filmes totalmente críveis.
Notem ai que nem falei da beleza de seu povo.
Cenário lindo né?
Neste cenário, só podia dar a corrida maravilha que foi.
A largada de tirar o fôlego, as perseguições implacáveis, o calor da torcida, as curvas desafiadoras.
E no fim, ainda teve aquela cerimônia sensacional antes dos pilotos vencedores subirem ao pódio.
Alonso, colado em Vettel até no pódio
Só o sono explica o texto acima.

No que tange apenas a corrida de F1, salvou-se do fiasco total por conta de um espanhol marrento, que diz que não briga contra pilotos, mas sim projetistas e que de quebra ainda diz ter cem por cento de certeza que será campeão este ano.
Largando em quinto e depois de jantar as duas McLatas pilotadas por Patati e Patatá e deu um drible no canguru que dirige para ficar com o segundo lugar na corrida e manter a diferença para o alemãozinho em um nível humanamente possível de ser tirado.
Se vai conseguir é outra história, mas pelo que vem pilotando, merece.
E olha que não vou com as fuças dele.
Ganhou... É craque, mas não está sozinho
Na boa? Começo a pensar, de verdade, que foi de propósito que Cabral não foi às Índias naquele ano de 1500.
Já sabia que não iria achar nada que prestasse e que uma viagem tão longa a um lugar tão chato só por conta de pimenta não valia a pena.

26 de out de 2012

F1 e Cinema


O cinema sempre teve uma queda pela velocidade e pelos automóveis.
No cinema americano, filme que não tem perseguição de carro é coisa rara e até um fusca já foi indicado para o Oscar...
O automobilismo de competição também já foi bastante retratado em filmes divididos entre:
Ótimos: Grand Prix, que ilustra sua história com o mundial de F1 de 1965.

Bons: 24 heuers Du Mans, sobre a mítica corrida de Sport protótipos na França.
Meia boca: Drive, uma lengalenga com boas imagens da F - Indy protagonizada por Sylvester Stallone.
Há ainda o Days of Thunder com Tom Cruise, um filme bem legal sobre uma categoria muito chata: a Nascar.
Sem contar a animação Cars, que pode até ser infantil, mas muito marmanjo adora. (eu incluso)
E há agora temos noticias do recente – e ainda em fase de produção – Rush, que conta a história do acidente de Niki Lauda em Nurburgring 1976.

Porém, há outros filmes que não tem nada com o automobilismo, mas podem muito bem se prestar a ilustrar o mundo da velocidade nem que seja só no título.
Algumas sinopses.

Depois de vencer sua primeira corrida algo acontece na cabeça de um piloto. Nos GP´s seguintes executa manobras consideradas maldosas por muita gente.
Pastor Maldonado é o astro em: O que é isto Companheiro?
Um triller de terror e suspense com Fernando Alonso, Lewis Hamilton e grande elenco de comissários da FIA.

A vida é doce.
Mas pode ser amarga também...
Quatro provas, seis pontos de diferença...
Fernando Alonso é Willie Wonka, Felipe Massa como Umpa-lumpa.
A fantástica fábrica de chocolates.
Por que não tem outro nome para a surra que a Ferrari vem levando da Red Bull nestas ultimas etapas.

Ele já levou a F1 até a África do sul durante o apartheid.
Faz corrida na China que não respeita os direitos humanos.
Não está nem aí para Guantánamo e vai fazer corrida nos EUA.
Levou a F1 para o Bahrein apesar dos protestos.
Bernie Ecclestone é: O Todo Poderoso.
Não é uma comédia, mas assim mesmo ele ri muito...

Têm mais alguns? Posta ai...

25 de out de 2012

Galvão Alternativo


Galvão Bueno não é unanimidade quando se fala em narração esportiva no Brasil.
Há quem não goste e há quem odeie...Tá bom... Também tem quem goste, mas não vamos contar o Cacá e o Popó, o que vai restringir este grupo a uns dois ou três não familiares.
Porém estes evitam - e muito - aparecer e dizer que gostam realmente do narrador global por medo de retaliações ou até mesmo da ação de algum hospital psiquiátrico que possa por ventura querer recuperá-lo como fugitivo... Vai saber!
Porém uma coisa é inegável: Galvão é versátil.
Ele pode estragar qualquer evento esportivo que narre.
A F1 ele consegue sem fazer força e futebol... Bem...

Agora proponho um exercício diferente...
Que tal imaginar Galvão Bueno fazendo outros tipos de narração que não os habituais F1 e Futebol?
Melhor ainda... Narrando coisas off esporte.

Enterro:-Olha ai... Agora depois de todo este caminho, depois de todo este percurso do velório até aqui, os caras vão deixar o caixão dentro da cova... Vão descendo... Ih... Entortou, vai descer a parte da cabeça do morto primeiro... Pode isto Arnaldo?
-A regra é clara, Galvão... Tem que descer por igual...

Casamento:-E lá vão eles, na ponta dos dedos... O Padre olha para ela, olha para ele... Ele disse alguma coisa? Vamos ouvir no rádio do noivo ai Burti... O que foi que ele disse?
-Ele disse “sim” Galvão...

Atropelamento em São Paulo:-Vai atravessar a rua bem na Oscar Freire... Ih! Agora complicou, não pode fazer isto, não é hora para brincar... Lá vem o ônibus... Ai não... Ai não... Atropelou... Foi fazer brincadeira ó no que deu... Depois vai por a culpa em quem? Em quem? Diz ai Falcão...
-Deu mole né, Galvão...
-Deu... Ninguém que chega até aqui chegou brincando... Agora tem que correr atrás do prejuízo.

Uma paquera:-O cara fica olhando... Telegrafando a intenção.. Assim ela pega a intenção dele no ar, não pega não Falcão?
-Pegar pega... Mas se o cara for bom mesmo não tem problema...
-Então vamos acompanhar, o cara deu um meio sorriso, voltou atrás na intenção de chegar junto. A moça olhou, sorriu... Ele entendeu... Partiu pra cima... Entrou em contato... Ih... Olha o contra ataque... É éééééé Traveco!

Corrida de homem pelado:-Pulou a janela, olha aí... O corno tá atrás, quase dois segundos... Ele vai chegar... Mas chegar é uma coisa, pegar é outra...

Parada GLBT:-E lá vão eles, todos alegres fazendo a festa... E eu acabo de receber um SMS torpedão do Nico Rosberg que tá em casa curtindo a parada... E vamos a mais uma participação do internauta. A pergunta vem de Gino Costa, de Campinas... E ele pergunta pro Falcão: Qual é o destaque?
-Olha Galvão... Esta eu vou pular viu...

-Haja coração!

24 de out de 2012

E Bruno Senna?


Há pouco tempo atrás havia uma piada no meio futebolístico que dizia o seguinte:
O São Paulo é tri campeão do mundo.
O Santos é o time que mais revela craques.
O Corinthians é o time do povão.
E o Palmeiras?
Ah, o Palmeiras é legal, simpático tem uma origem nobre, mas não faz mal a ninguém.

A piada, por mais cretina que seja pode se aplicar ao meio da F1 numa boa.
Com quem?
Bruno Senna.
Ele é legal, simpático, tem uma origem nobre, mas não faz mal a ninguém.

Bruno chegou à categoria com as credenciais (falsas) que o sobrenome lhe dá.
Ao menos, chegou em uma equipe de fim não de grid, mas de linha. A HRT (à época Hispania) não é só um time ruim, mas um caixão para a carreira de qualquer piloto.
Bruno sobreviveu e conseguiu ser piloto reserva da Lotus, com direito a ser titular ainda no meio do campeonato.
De lá para piloto da Williams foi questão de tempo e se você se lembrar daquele velho ditado: “tempo é dinheiro”, vai entender ainda melhor.

Mas não é para entender com isto que Bruno é um mau piloto Não...
Bruno é bom piloto, nada mais e nada menos.
Só que o time de Grove, por mais que precise de dinheiro, ainda faz questão de manter em seus assentos ao menos um piloto minimamente competitivo.
Assim foi com Nico Rosberg, Nico Hulkemberg, o próprio Bruno e a aposta da vez: Valteri Bottas.

Há quem diga que tudo depende do que fizer nestas ultimas etapas dos resultados que conseguir.
E há quem pense que não, que os resultados que conseguir só servirá como uma espécie de portfólio para uma possível negociação com outra equipe.
Não que não possa permanecer na equipe, que tudo é possível, mas ao que parece se não estiver na Williams, não estará na F1 em 2013.

E você? O que pensa?

23 de out de 2012

Aposentadoria agora? Por favor...



-Duzentos e vinte e dois. – grita a atendente do INSS chamando a próxima senha.
-Acho que é seu numero... – diz um cidadão loiro sentado ao lado.
-Como? – desperta 1B que cochilava na cadeira.
-Duzentos e vinte e dois! – chama novamente a atendente.
-Acho que agora é seu número. – repete o alemão.
-Não é o seu? – pergunta ele enquanto procura sua papeleta da senha no bolso.
-Duzentos e vinte e dois? Não tá ai mais? Então duzentos e vinte e...
-Aqui! – se levanta 1B interrompendo – Já estava indo...
-Se o senhor demorasse mais um pouquinho chamava o próximo e ai não poderia reclamar de que passei o alemão ai com o “dois dois três” na sua frente... – diz a atendente.
-Mas eu não reclamo...
-Ah não?
-Não! Só que...
-Chega de desculpinhas... – diz ela interrompendo – Trouxe os documentos?
-Sim... Claro! – diz 1B.
-Informe dos rendimentos?
-Sim...
-Todos?
-Aqui estão... Jordan, Stewart, Ferrari, Honda, Brawn e Williams F-Indy.
-Comprovante dos depósitos do FGTS?
-Aqui neste envelope...
-Hum... Onde estão os da Indy?
-Não estão ai?
-Não... Se estivesse eu não perguntaria.
-É que o desligamento da empresa é recente e pode haver uma volta... Acho que é por isto que não estão ai ainda.
-Vou olhar no sistema... – verifica na tela do computador – Sim... Estão aqui.
-Apesar da pindaíba da categoria, eles sempre cumprem seus compromissos... Então está tudo certo?
-Não.
-Não?
-Não há registros dos depósitos do FGTS da Brawn.
-Como assim? Ross não depositou meu fundo de garantia?
-Não.
-Mas... Mas... Tenho que ir atrás disto então?
-Se quiser se aposentar...
-E o que eu faço agora?
-Se quiser entrar em contato com o seu ex contratante, fique à vontade.
-A senhora espera um minuto?
-Não... Por favor, ceda a sua vez para o próximo número, quando resolver seu problema pegue outra senha e aguarde... – e grita – Duzentos e vinte e três!
-Sou eu! – e se levanta o homem loiro que portava a próxima senha após a de 1B.
-Vai se aposentar de novo alemão? – pergunta 1B – Passa na minha frente, já estou acostumado mesmo... Espero que você tenha melhor sorte que eu.
-Obrigada, Rubinha. – agradece o alemão
- Acho que vou desistir de me aposentar e continuar trabalhando... Será que arranco uma vaga na Stock?

22 de out de 2012

Win or Wall - as charges

Faz algum tempo que faço parte da equipe do tumblr (palavra desgraçada de escrever) Win or Wall, que é mais uma empreitada do polivalente Felipe Maciel que já editavou o Blog-F1, idealizou o hoje extinto Pódium GP, gravou e editou a Rádio on Board e fez parte da mesa virtual da RoB ao vivo.
Aqui um apanhado do trabalho que realizo por lá tentando comentar algumas noticias com uma pequena charge
Não é nada, não é nada... Não é nada mesmo... Mas resolvi compartilhar aqui.
Ei-las...

Alonso confia na força da Ferrari para a reta final do campeonato.


Alonso e Ferrari se desentendem após resultados ruins

Felipe Massa renova contrato com a Ferrari

Bruno Senna quer ser indispensável para a Williams

Honda cogita volta a F1 

GP das Américas em Austin é adiado por problemas

E por último uma que não é minha, mas do Felipe Maciel que achei ótima.
Vjay Malya tem processo por cheque devolvido

Espero que tenham gostado e que sigam o tumblr (palavrinha safada) que além de mim e do Felipe, conta ainda com Fábio Andrade, quando este, claro, aparece. Deve ser mal de Fábio.
O Campos que o diga...

19 de out de 2012

Cinco pés de altura e subindo

Em 1969, durante um show na prisão de San Quentin, para a qual já havia escrito uma de suas melhores canções, o fotografo Jim Marshall provocou Johnny Cash.
“-Hey Johnny, vamos fazer agora uma foto para o diretor da prisão?”.

Cash, talvez empolgado pelo show, mas mais provavelmente imbuído de um espírito de compaixão pelos detentos (ele mesmo já havia sido um tempos atrás) não titubeou: mandou o dedo do meio para o fotografo juntamente com uma careta digna de um rock star, porém, com quilos de credibilidade que a maioria dos roqueiros que fazem uso do gesto não tem.

Cash pode até ser um country man, mas é rock and roll por excelência.



18 de out de 2012

Foi o melhor que poderia ter feito


Então você está ai pensando que Felipe Massa é mercenário né?
“-Ah, ele assinou novamente com a Ferrari apenas pela grana, vai ser capacho lá...”.
Não é isto?
Bacana você...

Qual sua profissão? Você trampa de graça?
E se tiver proposta do tipo: melhor estabelecimento, bom salário, visibilidade, mas não chefia.
Contra outra do tipo: espelunca, salário mais ou menos, visibilidade duvidosa, mas com – note bem - possibilidades de chefia.
Qual você escolhe? Seja honesto...
Dizer que escolhe a segunda só pra discordar do escriba é burrice.

E quanto a ser capacho, ai é outra coisa.
O cara tem por profissão ser piloto e sendo assim quer ganhar corridas.
Só que para ganhar corridas é preciso estar em um time que possa proporcionar isto e, convenhamos: fora a equipe italiana apenas Red Bull e McLaren tem este perfil e não há vagas lá.
Pelo menos não agora e mesmo que houvesse, quem é que garante que ele seria cotado?
Nas outras podem até ganhar, mas vai ser tão circunstancial quanto a vitórias das Williams ou Mercedes neste ano ou aquela da Toro Rosso em 2010.
Logo, Felipe continuar na Ferrari lhe abre a possibilidade de vencer hora ou outra.
Se vai vencer já é outra história.

Mas você que está ai pensando que o cara é apenas mais um mercenário que optou pela grana em vez da possibilidade de dar sequencia a carreira, bem...
Na boa? Diz ai: Diferente fez o Lewis né?

Por outro lado, o ano de 2013 certamente vai ser o último dele dentro do time de Maranello.
Se quiser continuar na categoria ou mesmo no automobilismo é melhor ir cavando contatos.
E tratando de obter os melhores resultados possíveis desde o inicio da temporada, se não...

17 de out de 2012

Tatu nos representando? Eu me recuso


Depois reclamam, mas quando o secretário da FIFA - o tal Jerome Valcke – disse que para adiantar as obras da copa algo teria de ser feito em relação ao traseiro dos brasileiros.
Não que tenha adiantado, mas...

Eis que o traseiro aparece de forma ais incisiva e nada lisonjeira.
Nada haver com explorar esta parte a anatomia das brasileiras para divulgar o evento.
Claro que isto vai acontecer, não tem como fugir já que – para nosso desgosto – somos o país do futebol, do samba e da bunda, mas de modo implícito na mascote do evento.
Como?
Explico.
O bicho escolhido para mascote é um tatu que para se proteger cava buracos na terra e se enfia nele.
A única forma de tirá-lo de lá é - não tenho nada com isto, apenas estou descrevendo – dar uma dedada certeira no... No... Porra! Como é ruim achar eufemismo para ânus...
Deram ou não razão ao Valcke?

E não bastasse isto e mais as falcatruas, roubalheiras, safadezas cometidas em nome do evento, ainda tem a vergonha alheia de escolher entre nomes bizarros que combinam duas palavras: Amijubi que é amizade mais júbilo; Fuleco futebol mais ecologia e Zueco ou coisa que o valha juntando azul e ecologia.

“Ah, mas é fácil ficar ai cornetando, sugere um nome então!” – pode dizer alguém que esteja gostando desta palhaçada toda.
Ok, eu aceito...
Que tal uma junção de: CARÁter mais trabaLHO?

Quem quiser sugerir, fique à vontade.

16 de out de 2012

Lado B do GP - Coréia Style


Que a pista de Yeongan é chata, não há dúvidas.
As curvas não tem personalidade, são todas iguais e o pior: numa sequencia irritante de esquerda, direita, esquerda, direita.
Um zigue-zague do inferno...
Em suma, uma pista Tilke.

Tendo isto em vista, mais do que apropriado ter para a bandeirada aquele sujeito que dança a “éguinha pocotó” tendo como fundo o som de uma boia feita de pneu de caminhão sendo esvaziada dentro de uma piscina...

Outra coisa que chamou a atenção foi a atitude da Ferrari com Felipe Massa.
Todos se lembram daquela corrida na Alemanha em que com um enigmático “Alonso is faster than you”, a equipe “sugeriu” que Massa abrisse passagem a Fernando.
Compreensível?
Há quem discorde...

Mas na Coréia parecia que viria a inversa da sentença.
Massa era mais rápido que Alonso à olhos vistos.
Ao menos três décimos por volta e eis que a voz surge na transmissão: “-Felipe, you are faster than Fernando...”.
O problema foi o complemento: “Be careful to not overtake him.”.

Por último e menos importante, claro, Lewis Hamilton deu uma de fã, daqueles que gostam de levar lembranças do contato com seus ídolos.
Não captou? Sabe aquele cara que vai à uma final de futebol e vê seu time ganhar um importante título e para se lembrar acaba levando nem que seja um pedaço de grama do estádio?

Pois é... Lewis é tão fã de Vettel que ao vê-lo ganhar o grande prêmio com um pé amarrado às costas, resolveu levar um pedaço do ridículo tapete que fazia às vezes de grama do lado de fora da pista...
Deve ser para lembrar, quando estiver dirigindo um dos carros meia boca da Mercedes, que um dia ele andou entre os grandes quase no mesmo patamar.

14 de out de 2012

F1 2012: Coréia, a corrida de uma nota só


Eis aqui um sambinha feito de uma nota só... As outras notas vão entrar, mas a base é uma nota só.
Jobim, Tom in Samba de uma nota só.



Assim como o samba de Tom Jobim, foi a corrida coreana.
A nota base foi a primeira volta, as outras foram as ultrapassagens de meio de pelotão, um brilho do Felipe Massa, um treco preso no carro do Hamilton e só.
Nada de especial, assim como o samba, que dentro da vasta obra do Tom, é até bestinha.

De qualquer forma, o que vale é que a ponta do campeonato mudou de mãos.
Agora sim, para o piloto do melhor carro.
Talvez não o melhor piloto do ano, que sem dúvida Alonso está sendo, mas do melhor carro com certeza.

Vettel parece que agora ruma ao tri campeonato.
Tri consecutivo, diga-se. Como apenas Fangio e Schumacher conseguiram.
E como lembrou um amigo no twiter, sem trapaças e sem jogar o carro em cima de ninguém.
Não que me importe se fizesse, mas não fez.
Mas é cedo, ainda tem algumas corridas pela frente e parafraseando Juan Manuel Fangio: Carreras son carreras.
E tudo pode ainda acontecer, incluindo o nada.
Por isto Alonso ainda tem esperança e com certeza confia na Ferrari na reta final. Que ninguém duvide.

Melhor seria se não houvesse tanta pista esquisita até chegar a Interlagos.
Índia e Abumdabe são fortes candidatas a repetir a corrida sem sal coreana.
A pista americana é uma incógnita, mas pelo menos não corremos o risco de ver algo tão “bacana”, “interessante” e ligado a F1 dando a bandeirada para o vencedor quanto este Psy...
Ah não... Espera...
Sempre há o risco de um vexame maior por aqui.

Medo...

12 de out de 2012

Onde brincam as crianças?


Cresci brincando na rua.
Jogando bola descalço, roubando fruta nos quintais dos vizinhos.
Nadava em córregos de águas sujas e barrentas.
Enchia a cara com doces feitos com muito açúcar.
Tomava refrigerante e não era diet ou light, pelo contrário... Era um xarope com água gaseificada para lá de melado.
Comia salgadinhos com muito, mas muito sal.
Sal, aliás, que estava presente em todas as comidas de casa e sempre na proporção: “a gosto”.
Brigava na rua, dava apelidos. Recebia alguns também...
Fazia e era alvo de pequenas maldades.
E como comprovam estas linhas: EU NÃO MORRI!
E por estas causas que foram citadas, também não morreu nenhum amigo meu.
Tive infância...

E a molecada de hoje?
Dá uma pena, não?

10 de out de 2012

E na Ferrari de Babel...


Logo que abandonou a prova japonesa por conta de um pneu estourado, Fernando Alonso foi para os boxes da Ferrari.

-Yo no puedo soportar... – atirando o capacete para o lado e se jogando em sua poltrona.
-Ma che? – diz Domenicalli.
-Asi que no voy a ser campeon del tri...  - continua.
-Anche dice?
-Como puede que Kimi, que já fue campeon me hace aquilo?
-Che? No capisco!
-Y nuestro coche? No vamos alcanzar a los Red Bull.
-Ancora no hay capito.
-Y la FIA? No nos ayuda mas?
-Fia?
-Nadie fue castigado. Asi que no hay manera.
-Cosa stai parlando?
-Incluso el almuerzo pasta era malo hoy.
-Pastello? Che é pastello? Io?
-Usded?
-Che dire de me?
-Quein te ló dijo?
-Qué?
-Cosa?

Então Alonso se levanta de sua poltrona e sai resmungando.
Domenicalli observa sem entender quando um mecânico lhe pergunta:
-Che cosa fatto Alonso?
-Non so, no capisco... Era uma testa calda... – e se virando para a pista - Vá Massa, salvare la situazione...

9 de out de 2012

Lado B do GP: O lado irônico


Na Ferrari
Alonso tem o (raro) azar de um pneu estourado por um toque na primeira curva da corrida.
Felipe Massa tem a competência de passar seus oponentes na largada, manter um ritmo extremamente bom e conta com a sorte de Alonso estar fora da prova para chegar ao segundo lugar no pódio.

Na Red Bull

Webber tem o azar de ser tocado na largada após dizer que não ajudaria Vettel.
O canguru não consegue nem ajudar a si mesmo quanto mais aos outros.
Já Vettel vence fácil, fácil...

Na Sauber.

Sérgio Perez, que não passa de um “Pastor Maldonado com green card” assina com uma equipe de ponta e faz uma corrida lamentável rodando sozinho após uma lambança tentando ultrapassar e ainda tem a cara de pau de dizer que não vai para a maquilata para aprender nada com ninguém e sim chegar vencendo corridas...
Já Kamui que não assinou com ninguém chega em terceiro, com méritos de ter segurado um (raríssimo) ataque de |Jenson Button e não promete nada.
Teve seu nome gritado por toda a arquibancada.

7 de out de 2012

F1 2012 - GP do Japão, a sorte é volúvel.


O amigo Marcio Kohara diz que Suzuka é uma ótima pista para tomada de tempo e não para corridas.
Tendo a concordar.
Mas há algo de mítico, de heroico que nos faz ficar acordado para ver a corrida.
Talvez seja a luta contra o sono que nos faz ter esta ideia, mas...

Nos últimos anos Suzuka tem proporcionado corridas monótonas, sonolentas.
Este ano não foi diferente.
E nem o fato do líder do campeonato abandonar (ou ser abandonado pela sorte) na primeira curva deu molho à corrida.
O salto de Vettel na ponta e sua posterior sumida na frente já era motivo suficiente para deixar de prestar atenção à corrida e ir se entregando aos poucos ao sono.
Não foi o caso, mas se acontecesse não seria nada absurdo.

Não que não teve bons lances, sim... Mas isolados.
O bom mesmo acabou ficando para o final, como naqueles velhos seriados japoneses em que robôs ou seres de outros planetas enfrentavam monstros, apanhavam no começo da luta, mas com um golpe redentor ganhavam a luta.
No caso, a boa luta, ainda que sem golpes mais fortes, de Jenson Button com Kobayashi.
Jenson não passou e Kamui caiu nos braços de sua torcida que gritava seu nome.
Foi como se ele tivesse vencido a corrida.
Foi emocionante.

Como também foi bonito ver Felipe Massa de volta ao pódio após uma corrida consistente em um ritmo de vencedor.
Infelizmente – para ele – Vettel e seu carro de boi vermelho estavam infernais.

Mas uma coisa em Suzuka parece se manter intacta no decorrer dos anos: sua vocação para decidir campeonatos.
Ainda que esta corrida não tenha decidido literalmente, foi como se tivesse...
Pena para os fãs de Alonso, bom para o resto do mundo em geral.
Temos uma disputa em aberto e com ligeira vantagem para o alemão.
A sorte está lançada, só resta saber agora para que lado.
Se bem que em se tratando de sorte...