30 de jan de 2010

Contos do Le Sanatéur - Teatro - final

À noite o velho Studebacker - com Ron e Anselmo nos banco dianteiros - encosta em frente ao luxuoso prédio em que morava Marcel L´Onça, na Park Avenue, onde o carro mais simples estacionado era um Rolls Royce Silver Ghost. Até o Studebacker estava envergonhado...
O chefe então surge ao lado de uma mulher loira usando um vestido de gala vermelho e adornada com jóias que pagariam o salário dos dois por alguns anos.
-Senhores, perdoem a demora, mas o elevador demora muito para vir da cobertura até o térreo. – e com um aceno de cabeça indica a Ron que desça do carro e abra a porta.
Visivelmente contrariado Ron faz às vezes de ajudante de chofer.
-Anselmo, meu caro! Por que veio com este velho carro? Onde está a Packard do jornal?
-Packard? – estranha Anselmo.
-Do jornal? – completa Ron.
-Realmente Marcel... Este velho automóvel não condiz com a magnitude de um jornalista de renome como você... Peça ao motorista que ao menos feche a janela. O vento está desarrumando meu cabelo. Anselmo já se irritando com a situação que acabara de entender pede cínicas desculpas e diz que não há como fechar, por que o carro está sem vidro daquele lado.
Ron que também se sentiu traído sugere - com um sorriso ainda mais cínico que as desculpas de Anselmo - pare o carro e que os ilustres passageiros do banco traseiro troquem de lugar, afinal L´Onça é careca mesmo e o vento não lhe fará mal...
O chefe – que usa peruca - tosse em seco, mas se mantém calado. Sabe onde amarrou seu burro, agora é agüentar.

Já dentro do teatro o casal se senta obviamente um ao lado do outro, ficando Anselmo ao lado da mulher e tendo Ron imediatamente a seu lado.
A todo o momento ela pergunta a um dos dois o que está sendo dito. Pede que traduzam.
Marcel L´Onça transpira litros, preocupado com o que os dois vão dizer.

Em uma cena entra uma atriz vestida de rainha, a mulher pergunta à Ron:
-O que esta acontecendo?
-A rainha disse que vai mandar matar o rei... Que ele é chifrudo. Ela arregala os olhos.
Agora a rainha fala baixinho, com a boca quase colada ao ouvido de outro ator e a mulher faz a mesma pergunta para Anselmo que lhe responde:
-Agora ela esta falando que o rei é broxa... Não dá no couro... E vai transar com o primeiro ministro.
Fica mais espantada ainda...
Então aparece um exército enquanto a rainha canta... Ela apenas olha para Ron que traduz:
-Agora a rainha vai se divertir sexualmente com todo o exército.
Ela leva as mãos à boca: “Mas isto é uma obscenidade!”.
Então aparecem em cena uns cavalos e Anselmo completa a informação.
-Agora ela vai se divertir também com os cavalos...
A mulher se levanta e sai correndo em direção à porta gritando: “-Isto é uma pornografia! Não me procure mais Marcel...”.
Os dois sacanas não conseguem segurar o riso, enquanto o chefe não segura o choro e a raiva.

Na manhã seguinte os dois são comunicados pela secretária de L´Onça de que – por vingança - terão de fazer obituários por um bom tempo e ainda ouvem da boca da funcionária: “-Ele disse que só assim vocês dois não arrumam confusão!”.
Ainda lhes diz que é um desperdício, mas fazer o que?

Só que para azar do editor no mesmo dia há a confirmação de que o Papa Pio XI está com um dos pés gangrenado, por conta da diabete.
No dia seguinte o Le Sanatéur vai às bancas com a manchete de Ron na capa em oito colunas e com três pontos de exclamação e uma foto feita por Anselmo de um pé todo machucado.
PODRE O PÉ DO PAPA!!!

Em sua sala, Marcel, sem namorada, sem os melhores repórteres na ativa e com uma notificação do órgão que regula o jornalismo no país dando-lhe uma sonora bronca pelo mau gosto da manchete leva as mãos à cabeça, se arrependendo profundamente de ter acordado naqueles dias...
A primeira foto deste post é de autoria de Anselmo Coyote, o grande. Pena que não dá pra eu ampliar pra vocês verem como é linda.

29 de jan de 2010

Contos do Le Sanatéur - Teatro - Pt 1

-Eu não vou!
-Vai sim!
-Me recuso. Nem gosto de ópera... Se ainda fosse um show de Art Blakey ou Louis Armstrong eu iria feliz, mas ópera eu não vou.
-Mas Ron, eu preciso de você lá... Você tem de resenhar o espetáculo.
-L´Onça, você escreve tanto quanto eu... Faz você o texto. Ópera e com balé eu me recuso.
-Você vai...
-Não vou.

Neste momento entra na sala Anselmo, um pacote de fotos numa das mãos e um alicate na outra.-Bom dia chefe, bom dia Ron....
-Bom dia Anselmo, fala com o Ron aqui... Ele tá se recusando a ir cobrir a ópera para o Le Sanatéur hoje à noite....
-Não vou! – afirma Ron novamente.
-Ópera? – diz colocando as fotos na mesa e trocando o alicate de mão.
-É... Ópera. Vai dizer que não sabe o que é? – diz irônico o chefe.
-Sei sim.... É aquele tipo de espetáculo que sempre tem canto lírico...
-Isto... – Marcel interrompe.
-... Balé... – Anselmo tenta prosseguir.
-Isto! – Marcel interrompe de novo se entusiasmando com um possível aliado.
-... Um solista gritando em italiano , então vem um monte de caras suspeitos usando collant com enchimento nas partes, parecendo uma cambada de viadinhos e ficam dando saltinhos. Isto quando não vem um travesti e dá um tranco neles pos trás... Coisa esquisita aquilo... Não gosto não...
Ron não consegue esconder o riso.
-Bárbaros! Hunos! É isto que vocês são, uns bárbaros longe de ser civilizados... É só para você saber senhor Anselmo, o espetáculo de hoje é em alemão. Não em italiano.
-E desde quando você fala alemão para entender o espetáculo? Ou vai cair naquele lugar comum de que a linguagem da musica clássica é universal?
-Errr... Não... Claro que não!
-Mas você fala alemão? – quis saber Ron.
-Não... Mas você fala!
-Falo nada! Quem te disse?
-O Anselmo.
-Eu? -Anselmo deixa cair o alicate que estava segurando. – Como assim? - e ri.
-Grande camarada.... Mas ele fala. Leva ele.
-Fala Anselmo? Você fala alemão?
-Não... Alemão não...
-Quer saber? Vão os dois.... Vão os dois comigo, um deve falar. Talvez os dois! E não to aceitando desculpas. To falando como chefe. É uma ordem. – e deixa a sala batendo a porta.

-Por que você disse que eu sabia alemão? – quis saber Ron.
-Eu não falei. Ele jogou... Disseram que ele precisa de um tradutor para impressionar uma mulher ai... E você por que disse que eu sabia?
-Auto defesa e tava querendo solidariedade... Se eu me ferro cê vai junto. Somos uma dupla, né? Mas me diz... Por que você ta brincando com este alicate ai?
-O vidro do Studebacker quebrou e este foi o jeito que encontrei de tirar os cacos que ficaram presos na janela. -Ah tá... Já arrumou?
-Não. Não tive tempo. Amanhã arrumo.
O Editor então volta à sala e diz:
-Estejam os dois à frente de minha casa hoje as nove em ponto, e Anselmo... Limpe o carro.
-Ih... É agora que não arrumo este carro mesmo!
-Quer que eu quebre os outros vidros?
-Não precisa... Vou ferrar o carro apenas deixando que você dirija.
-Fato!

Continua amanhã...

28 de jan de 2010

Para salvar a Campos Meta F1

-Está lá?
-Lá onde?
-Está lá... É o mesmo que “alô” aqui em Portugal...
-Ah sim... Quem fala? É o Campos?
-Sou eu sim quem fala?
-Campos, aqui é o Teixeira...
-Que Teixeira?
-Como assim que Teixeira? Estás a brincar? Tony Teixeira!-Não de forma alguma é que...
-Então Campos... Eu quero comprar metade da equipa!
-Que equipa? O que é “equipa”?
-Equipa, ó pá, é time aqui em Portugal... Desculpe o sotaque...
-Não tem problema é que eu acho...
-Não tens que achar nada, vês... Eu tenho a grana que pode salvar tua equipa e olha, Também quero fazer crescer a A1GP...
-Crescer a A1GP? Mas isto é ótimo! Temos que ter alternativas para categorias de base...
-Então pois! Quero ser a alternativa a F2 do Ecclestone.
-Muito bom... Muito bom! Eu dou todo o meu apoio!
-Apoio é bom... Mas eu repito: Quero comprar metade de tua equipa.
-Olha eu...
-Eu adorei tua visão.. Contratar o Bruno Senna foi uma senhora jogada de marketing...
-É... Foi, mas...
-Imagina, se agora depois de anunciar um descendente de um dos nomes mais fortes da história da F1, tu perdes o bonde por que não tens grana... Seria o maior fiasco do ano.
-Então.... Entendo, mas olha...
-Então... Minha idéia é manter o Bruno e contratar um parente...
-O Álvaro?
-Não... Nem tenho um parente chamado Álvaro, estava pensando em um cunhado mesmo...
-Ah tá... Só que...
-Só que o que? Vai ficar fazendo doce? Eu aceno com a possibilidade de injetar dinheiro na tua equipa, e ficas a me dar evasivas?
-Não são evasivas... É que você não me deixa falar...
-Pois então fala...
-Com quem você acha que está falando?
-E não é com o Campos?
-Sim... Eu sou o Campos...
-Pois então, Adrian...
-Não... Não... Ai que está o engano...
-Não és o Adrian?
-Não...
-Quem és então?
-O Fábio....
-Ai quiralho!
(tu tu tu tu tu tu tu)

27 de jan de 2010

Americanos, argentinos... Tudo igual

A gente é otimista demais mesmo..
Primeiro a gente se entusiasma com americanos que vão montar uma equipe de F1.
Escrevemos e comentamos que: “-Americano não entra em jogo pra perder.”.
Ficamos forçando a memória para enfileirar as conquistas e desenvolvimentos de americanos ilustres no setor automobilístico...
Mas conseguimos lembrar de Henry Ford...
Vem a mente então que o passado deles na categoria nunca foi lá muito glorioso. Com uma ou outra equipe cult, mas de resultados bem modestos...

Depois nos aborrecemos com a papagaiada de que querem dois pilotos legitimamente americanos: “-Por que americano é nacionalista e blá, blá, blá...”.
E então lembramos que os pilotos americanos nunca foram lá grande coisa.
Poucas vitórias, um campeão mundial legitimo - mas contestado - e outro naturalizado...
Sem contar que o filho do que era naturalizado disputou meia temporada e deu um vexame que quase apaga os feitos do pai...

Agora que já lembramos destas coisas começamos a ficar com um pé atrás.
É carro que não aparece, projeto futurista sem o uso de túnel de vento...
“Mas com aparato da Nasa!” – lembra alguém.
Então pensamos: “-Uia! Nasa! Se eles põem ônibus em órbita, que não farão com simples carros de corrida?”.
Até dá certa empolgação, mas só até lembrarmos que a Nasa também é responsável por aquelas naves que se desintegram ao serem lançadas ou quando estão voltando a Terra...
Mas mesmo assim ainda damos um voto de confiança e ficamos esperando, pesando prós e contras.
Somamos mais alguns pontos positivos quando resolvem acabar com a exigência de nacionalidade estadunidense para os pilotos: “-Boa! Abre mais vagas!”.

E então eles aparecem para oficializar o primeiro piloto contratado e...
É um argentino... Um ARGENTINO...
Nada contra... Mas depois de Fangio qual foi o ultimo argentino com uma carreira de respeito?
Se disser Carlos Reutteman vai queimar a única resposta possível...
E se disse Maradona eu vou ignorar a brincadeira...

Agora sim da pra ter uma sólida opinião sobre estes caras...
São loucos... Só isto... Loucos. Não vai dar em nada...

25 de jan de 2010

São Paulo, 456 anos. Aqui tem de tudo.

Freguesia do Ó
Um casamento em dia de chuva...
Janeiro sempre chove muito em São Paulo e a frente da igreja está alagada.
Córregos que cortam a região teimam em retomar partes do terreno.
O lixo jogado nas ruas indiscriminadamente ajuda muito, e não é a cidade que joga o lixo lá... É?
Na porta da igreja o casal de noivos olha desolado o panorama.
Demorarão um pouco mais para poder aproveitar a lua de mel. Com a chuva e o alagamento a festa já era mesmo...
Um dos padrinhos sorri quando vê um caminhão e um trator se aproximar da entrada da igreja.
-Um presente! Chamei um caminhão e um trator para tirar vocês daqui...
-Sem pensar duas vezes sobem na pá do trator e vão sãos e secos, até a caçamba do caminhão, único veiculo capaz de se locomover com alguma segurança nas ruas alagadas. ber
Liberdade
Se alguém ainda não sabe, a Liberdade é o bairro onde se concentra a colônia japonesa em São Paulo. Quase todos os estabelecimentos são de descendentes nipônicos. Bares, mercados, restaurantes. Lojas etc.
Como fome, depois de penar a manhã toda atrás de um emprego, senta-se ao balcão de um destes botecos e é atendido por um jovem japonês.
-Tem café?
-Tem sim...
-Um café puro pra mim, por favor...
É servido.
-Já tem açúcar?
-Já....
-Tem coxinha?
-Não...
-Tem kibe, bolinho de carne, bolovo? Pastel?
-Não... Acabou.
-Que que é este negócio ai na estufa?
-Tempurá.
-Hum... Bonito. É frito?
-É sim...
-Me dá um...
É servido.
-Hum... É bom! Que isto no meio?
-Legumes... Tempurá é uma fritada de legumes, falando a grosso modo.
Ao mesmo tempo, no fundo do bar dois velhos riam muito, e falavam em japonês.
-Cê fala japonês?
-Não muito...
-Mas entende?
-Só um pouco.
-Do que eles estão rindo tanto...
-Deixa eu ouvir o que dizem ai falo do que estão rindo...
Os dois velhinhos continuam a falar e rir contagiando o desempregado.
-Estão falando de você...
-De mim?
-Estão dizendo que nunca viram ninguém comer tempurá com café... E estão perguntando se você faz o mesmo com sushi...
Bom Retiro
Acostumado a almoçar nos diversos restaurantes existentes no Bom Retiro, não havia um só que não conhecesse.
Desde o bar do Clovis e seus contra filé com fritas gigantescos até o Buraco da Sara, onde se come o melhor da comida kosher de São Paulo.
Mas nunca, em tempo algum sentiu vontade de comer no restaurante coreano do Liu Kim, o Happy dog. Dizem que coreanos comem cachorro e daí a servi-los no almoço é um pulo...
Mas naquele dia exatamente não conseguiu chegar a tempo para comer em nenhum lugar que não fosse o Happy.
Como o que não tem remédio, remediado está entrou no simpático estabelecimento coreano.
Com surpresa percebeu que a casa era do tipo self service, e que a comida servida não tinha nada de exótico.
Foi muito bem atendido e se fartou.
Na saída passou no caixa para acertar a conta, no balcão um saquinho de papel exalava um odor fortíssimo.
-Tinha de ter algo estranho... – pensou – Olha onde deixaram o saquinho com lixo.
Pagou a conta e de passagem pegou o saquinho para jogar fora.
-Hei! Pala, pala... Minha comida! – veio gritando uma senhora do fundo do bar...
Parou para ver o que acontecia e percebeu que a gritaria era com ele.
A velhinha coreana o alcançou antes que pudesse por o saquinho dentro de uma lata de lixo.
-Não joga fola não... Cheilo luim, mas comida boa...
Brás

E para aqueles que dizem que a cidade é feia, é cinza, é fria, é injusta...
Apure os ouvidos, firme bem os olhos, problemas todas as cidades tem e a beleza vai depender da forma como olhar.

22 de jan de 2010

Kimi quebra essa para nós?

De: Ron Groo (ron_groo@blogdogroo.com)
Enviada: quinta-feira, 21 de janeiro de 2010 20:55:32
Para: Kimi Raikkonen: (kimi_drink_and_drive@smirnoff.fin)
1 anexo – baixar anexos (25 KB)
Contrato.doc

Opa... Fala aê Kimi... Beleza?
Então... Eu tava lendo umas coisas na internet hoje e me deparei com mais uma declaração de otimismo inabalável e carregada no boquirrotismo tradicional do nosso querido 1B.
Não sei se você leu. Afinal ta fora da categoria e o afastamento nem foi dos mais bacanas, enfim.... Se não leu vou dar aqui uma idéia do que ele disse.
Pra começar:
“-Estou mais perto do que nunca de ser campeão do mundo”
Ele diz isto todo ano, desde 1993 e tem gente que ainda acredita! E agora mais esta:
.“-Aprendi o nome de todos na Williams em três dias”.
Imagina o nível do strees que o povo de Grove já deve estar com o cara... Acho que perguntava o nome de todos a cada cinco minutos até conseguir gravar...
“-Eles (a Williams e a Cosworth) estão realmente com muita vontade de ganhar.”
Porra! Ai deles se dissessem o contrario em um meio competitivo como a F1.
Mas sabe o que mais me impressiona, é que ele não fez ainda um teste pra valer sequer. Ta falando isto sem nem sentar a bunda no carro.
Por isto que to te mandando este e-mail e no anexo um contrato... Estamos nos comprometendo - Marcos FW, Lyn Williams, Felipão do Blogsport e eu – a te arrumar uns barris de caipiroska, a popular caipirinha de vodca se você se comprometer a substituir o 1B caso ele comece a dar vexame com os carros do tio Frank.
Baixa o anexo ai, imprime, assina, scaneia e me manda de volta... Garanto que não se arrepende e ainda faz uma imensa torcida – a da Williams – mais feliz...
Abração:
Ron Groo.
Ps: se puder dá uma olhadinha neste link aqui. Tem a matéria original.
De: Kimi Raikkonen: (kimi_drink_and_drive@smirnoff.fin)
Enviada: quinta-feira, 21 de janeiro de 2010 20:59:01
Para: Ron Groo (ron_groo@blogdogroo.com)
1 anexo – baixar anexos (27KB)
Contrato.doc

Negocio fechado!
Abs!

E já está no ar a primeira edição da Rádio Onboard deste ano! E com uma novidade: Fábio Campos não participou! Felipe Maciel e eu quase nem percebemos...
Porém a edição tem o selo do Mercosul com a participação do grande Marcelo Iriarte, do blog F1 A.L.C.
E por falar em Marcelo Iriarte, olha só o presente que ele me mandou:

-Alô? Me escuta doutor Iriarte? Entende o que estou falando
-Ooooh... O que aconteceu?
-O senhor sofreu um acidente enquanto corria de kart na chuva. Lembra do episódio? Bateu forte e de frente...
-Não, não lembro.... Fiquei com seqüelas? Vou ser corintiano pelo resto da minha vida, dizendo: Ronaldo...?
-Não doutor, tranqüilo. Nem corintiano nem ortopedista, nada disso. A propósito de esportes, a sua esposa esteve me comentando o quanto curte a F1. Está feliz em saber que finalmente Fernando Alonso correrá na Ferrari.
- Alonso na Ferrari? Quanto tempo estive em coma?
-Só seis meses. Agora Fernando Alonso é contratado de Maranello.
-Pe-pe-pero... Entonces, Felipe Massa não corre mais? Como se saiu daquele horrível acidente?
- Não meu amigo, Felipe Massa será o companheiro de equipe do asturiano.
-C-como? Mas isso não é possível. Kimi tinha contrato até final de 2010! O senhor está tirando sarro da minha cara!
-Não colega, Kimi está em casa descansando com um monte de dinheiro na conta bancária, não quer nem saber do campeonato.
-Bom, me diz uma coisa: a Brawn se saiu bem? Uma equipe independente ganhou o campeonato de Formula 1?
Sim, ganhou! Mais já não é independente, foi comprada pela Mercedes.
- Jenson Button será piloto de Mercedes?
-(risos) Na verdade o campeão Button será o segundo piloto na equipe B da Mercedes, a Mclaren.
-Fim da picada! Mais então a Mercedes seguiu os passos da BMW?
-Mmmm... Não exatamente. Agora a Sauber corre novamente e com motores Ferrari. E até já foi confirmado o seu primeiro piloto: Kamui Kobayashi
- Koba quem?
-Kobayashi, um japinha muito Bom que fez a melhor ultrapassagem do ano contra o campeão Jenson.
-Muito bom? Japonês? Faz tempo que não escuto essas duas coisas juntas na F1...
-Sim, é cheio de habilidade o japinha...
-Mas como? Lugar de japa não é na Toyota?
-Não, doutor... A Toyota já foi embora! E por pouco a Williams também.
-Então o tal de Kambalashi vai ser companheiro de Kubica, é isso?
-Mmm... Não sei como te dizer... Kubica está agora na Renault
-Nãaaaaaaaaaaaaooooooooooooooooooooo (o paciente precisa ser sedado)
No outro dia:
-O importante, doutor Iriarte, é que teremos três grandes pilotos em três grandes equipes: Hamilton, Alonso, e Schumacher.
-Schumacher? Ralf Schumacher de novo na F1? Só pode ser coisa da USF1, que não sabía quem contratar!
-Não, é Michael! O hepta campeão corre este ano!
-Não entendo. O senhor me disse que Alonso estava na Ferrari...
-Disse.
-Schumacher vai correr pela Mercedes Brawn? Largou a Ferrari?
-Oh, meu amigo! Só me falta ficar sabendo que Flavio Briatore é agora o novo chefão da FIA...
-Por isso pode ficar tranqüilo, o novo chefe da Ferrari é... (taraaaaan!) Jean Todt.
- Jean?
-Sim, Jean!
- Todt?
- Sim, Todt!
- Jean Todt? É um pseudônimo? Você não está falando do francês maquiavélico e sorridente com cara de Topo Gigio que ajudava o Kaiser a fazer porcaria?
-Sim, o mesmo...
-Hei colega, posso Pedir um favor?
-Sim colega.
- Me faça, por favor, uma dose para cavalo de Valium e me acorde em 2015, já escutei suficiente.

21 de jan de 2010

E na Mercedes F1...

Na sala de Norbert Haug -Norbie? Eu queria pedir uma coisa...
-Michael, sabe que aqui cê não pede. Manda! O que quer?
-É um negócio bobo, mas sabe... Pra mim faz diferença.
-Tá, tudo bem... Mas fala o que é.
-Eu queria trocar o numero do meu carro...
-Mas você vai trocar... No fim do ano cê ganha o direito de usar o numero um de novo. Hahaha.
-Não Norbie... To falando sério. Eu quero trocar o numero do meu carro.
-Ih... Olha Michael, isto cê vai ter que ver com o Ross. Eu não apito nesta área.
-Tá bom, eu vou falar com o Ross.
-Eu vou com você...

Na sala Ross Brawn -Brawn, o Michael quer te pedir um negócio ai... Sei não se você vai poder atender.. – Diz Haug.
-Diga lá Schumy, que é que cê quer? Mais uma estrela no topo do capacete? Vai ter de ganhar por conta própria, hahahaha. – brinca Ross
-Não... Acho que ele não quer isto. Se fosse só isto tava fácil...
-Êêêê! Assim cê tá me preocupando Haug... Deixa ele falar.
-Sabe que é Ross, eu queria trocar o numero do meu carro... – diz Michel quase envergonhado.-Ah... No fim do ano cê troca... Põe o um de volta. Hahahaha.
-Hahahaha, eu falei isto pra ele... Mas ele reagiu que nem agora. Nem riu.
-Vocês não tão me levando a sério...
-Tá bom... A gente para de rir, não é Ross?
-Tá certo Haug, a gente não ri mais. Mas Schumy, por que você quer trocar o numero do carro? É pra provocar o moleque?
-Não, longe disto... Eu nem tô ligando pras coisas que ele andou falando ai... Que prefere o Senna e até o Hakkinen a mim... Eu particularmente não achava nem o pai dele grande coisa, quanto mais ele...
-Então o que é? Conta logo que eu to ficando curioso... – pede Norbert Haug.
-É bobeira... Mas pensa bem... Sempre corri com carros de numero impar, desde a primeira temporada.... Sempre foram impar. Nunca corri com um carro de numero par e queria manter isto.
-Bem... Como eu disse a ele na outra sala, eu não apito nesta área. Se alguém pode fazer isto é você Brawn. Te vira... Descasca este pepino... Ou no caso, já que são alemães, dá um jeito no chucrute.

E Haug deixa a sala...

-Michel, você sabe que a imprensa vai falar...
-Sei.
-Vão dizer que você é que manda na equipe, que o Nico vai ser só outro Rubinho...
-Sei disto também... Mas acho que você pode contornar isto.
-Mas é só superstição mesmo?
-É sim... Mais ou menos como a cueca da sorte da Massa, o cachorro Biriba do presidente do Botafogo...
-Quem?
-O cachorro Biriba, que o Carlito Rocha, presidente do Botafogo nos anos 60 levava pra tudo que é jogo pra dar sorte...
-Tá certo... Eu vou mudar... Este ano então você corre com o numero três.. Ok?
-Valeu Ross!

Michael deixa a sala e um tempo depois Norbert volta.
-Você trocou os números, Brawn?
-Troquei sim, Norbert... O motivo era fútil, mas acho que tudo bem...
-E como você convenceu o Rosberg?
-Foi simples... Disse a ele que ele ia correr de quatro.
-E ele?
-Disse apenas: “A-do-ro!”, assim mesmo separando as silabas...

No telefone. -E então eu troquei o numero com ele Rubens...
-Mau começo viu Nico... Começa trocando os números, depois cê vai ver o que acontece...
-Será?
-Não tenho duvidas... E tenho um autódromo austríaco inteirinho por testemunhas...

20 de jan de 2010

A via-crucis de Nick Heidfeld

-Alô? É da Renault? (...) Com quem to falando? (...) Então... Eu queria saber se aquela vaga para ser companheiro do Kubica ainda está aberta? Está? (...) Poxa, que beleza! Eu posso mandar meu currículo? Olha... Se precisar de referencias pode pedir ai pro narigudo que ele dá... (...) Que narigudo? Como assim o Ralf Schumacher não está na equipe? Quem foi que falou em Ralf? Eu disse que se precisar de referências é pra pedir pro Kubica, entendeu? (...) Ah! Ce só entendeu a parte do “dar”, por isto pensou em Ralf. (...) Narigudo é o Kubica, tá certo? Eu trabalhei com ele na BMW, aliás, pode perguntar sobre mim pro Mario Thissen... E pro Peter Sauber também... (...) Como assim não vale? O Mario Thissen era o chefe da BMW! Tem de valer alguma coisa o cargo que ele ocupava... (...) Ah! Tá certo, se ele fosse uma boa referencia na área a BMW não tinha pulado fora da categoria, entendo... Mas e o Peter Sauber? Este é dos bons... É garageiro até a raiz do cabelo... Pede minhas referencias para ele! (...) Também não vale? Mas por quê? (...) Como assim? Contratou o De La Rosa pra ser companheiro do Kobayashi? Tá certo. Depois desta eu nem quero que ele de referencias sobre mim... -Bom dia, é da USF1? Eu queria me candidatar a uma das vagas para piloto da equipe. (...) Não.. Eu não sou americano não, eu sou alemão... (...) Mas isto ai não é desculpa não... O fato de eu não ser americano, olha só, vocês andaram divulgando ai nomes de possíveis contratados e vai vendo... O Lopez é argentino, o Bourdais é francês, o Villeneuve é canadense e o Klien é austríaco. Não tem nenhum americano nesta lista. (...) Como assim todos eles dirigem como americanos? (...) Ah tá, nenhum deles é ou vai ser melhor que o Michel Andretti na F1... Mas o Villeneuve foi campeão do mundo! (...) Do que ce tá rindo? Hei! Para de rir... Fala comigo... Para de rir...
-É da Campos Meta? Oi eu queria saber se ainda tem uma vaga pra ser piloto ao lado do Bruno Senna? (...) Não diga? Quer dizer então que estão sem dinheiro até pra pagar um piloto só? (...) Não... Eu não vou pagar para correr não, brigado. (...) Se eu quero uma indicação para trabalho? Quero sim! É para piloto? Claro, pode me dar o telefone? (...) De onde é este numero? (...) Do Brasil? Bem... É minha ultima chance, vou ligar sim. Obrigado! -Alô? O pessoal da Campos Meta F1 me deu o telefone de você e disse que estão precisando de um piloto. Eu sou piloto! (...) A grana é pouca? Não ligo... (...) Eu topo. Mas eu não sabia que o Brasil tinha uma equipe de F1? (...) Ah! Não é F1? É o que então? (...) Como assim? Piloto de testes de vacina pra gripe suína?

19 de jan de 2010

Um conto funesto

Ah! A morte...
Mão pesada que tudo perdoa e a todos iguala, para o bem e para o mal dependendo do ponto de vista.
Para ela não há jeito.

Para a corriola de puxa sacos o morto era um semi-deus.
-Grande homem!-Bom coração!-Generoso...
-Diz que era bom marido, bom pai...

Para o valhacouto de desafetos era um mequetrefe de marca maior.
-Pulha.
-Canalha! Mão de vaca...
-Até a mãe dele o odiava.
-Ouvi dizer até que era viado...

E os indiferentes.
-Bem... Morreu que há de se fazer.
-Que vá em paz. Ou não.
-Já contei a vocês aquela piada do defunto que não aceitava que morreu?
-Não... Conta ai!

Os grupos cochichavam entre si sem, no entanto ouvirem um ao outro.

O fato é que Miguel tinha morrido devido a um enfarte naquela noite e foi encontrado em condições muito estranhas: nu na casinha do cachorro às duas e vinte da manhã.
Estes detalhes chegaram, para o espanto de todos, aos jornais que os presentes a seu velório já haviam lido.
Embora não comentassem, olhavam para o caixão com um grande ponto de interrogação sobre suas cabeças:
"-Na casinha do cachorro? E pelado?"

Quem contou aos jornais? E por quê?
A principio os únicos que viram foram: sua esposa; a empregada da casa, que foi quem o encontrou lá; seu filho, que foi o que o tirou de lá e claro: o cachorro que, óbvio, morava lá.
Embora este nunca conte nada a ninguém.

Já os outros...
Sua mulher o traía, há muito tempo e com muita gente.
Porém era apenas o troco...
O odiava, talvez não o quisesse morto.
Realmente não queria, mas já que morreu... Que se danasse!

Seu filho só vinha para casa uma vez por ano, não tinham contato e nem relação de pai e filho. Desde moleque só o chamava pelo nome e às vezes de coroa.
tanto fazia se morto ou vivo desde que ainda houvesse dinheiro em sua carteira.

A empregada era apenas isto mesmo, e como se sabe dificilmente uma empregada guarda segredo sobre as coisas dos patrões.
Nem que seja para ter o que falar em rodas de fofoca entre domesticas.
Com ele morto talvez não ficasse na casa.
Que seja, vida que segue – a dela, claro! – arrumaria outro emprego.

Até onde se sabe era mesmo um sem vergonha, safado, mas nunca foi zoófilo e ao que se sabe seu cachorro também não gostava dele.
Curiosamente era o único que aparentava alguma tristeza.
Não balançava o rabo.

De onde se encontra - não se sabe se céu ou inferno - olhava tudo com certo desprezo.
O mesmo desprezo que tinha por todos em vida: puxa sacos, desafetos, familiares, indiferentes e até o cachorro.
E mais, além de dividas e alguns bens que com certeza não as pagarão, deixa a dúvida: porque nu e na casinha do cachorro?

Ah a morte... Que tudo perdoa e a todos iguala, para o bem e para o mal, depende do ponto de vista.
Para ela não há jeito.
E pelo visto, nem respostas...

18 de jan de 2010

O velho Lua

-Mestre Lua, eu vou com o senhor nesta turnê, mas vou daquele jeito...
-Mas rapaz... O que lhe aflige? Vamos tocar para nossos fãs e irmãos lá da nossa região...
-Eu sei mestre, e o senhor sabe o quanto eu gosto de voltar para nossa terra e tocar lá, ver aqueles rostos felizes. Lá onde tudo começou pra gente.. Mas fico cabreiro...
-Mas homem, se gosta de voltar pra lá, gosta de tocar lá, se gosta do povo... Qual o problema?
-É o avião mestre... Não gosto de voar e não escondo isto de ninguém. Se fosse pra este nordestino aqui voar o Pai eterno teria me feito carcará...
-Mas olha que bela lembrança... João do Valle... “Carcará pega mata e come”... Mas Dominguinhos, eu não sabia deste teu medo de voar não. É verdade isto ou você está de fuleiragem?
-É a mais pura verdade. Se tiver de voar, eu vôo. Mas gostar mesmo eu não gosto não.
-Deixe de bestagem rapaz... Isto aí e o transporte mais seguro do mundo, a melhor invenção do homem... Imagina se não tivesse o avião a gente tava lascado pra poder fazer show neste país tão grande...
-Eu sei...
-E tem mais... Pensa comigo... Quanta gente não vai nisto ai todos os dias... O avião carrega quanta gente pra lá e pra cá todos os dias?
-Eu sei... Mas e se cai?
-Não cai... Nele vai todo dia gente muito importante, gente muito famosa... Isto leva gente do porte de FHC, Paulo Maluf, ACM...
-Eu sei, mas...
-Mas nada, se avie... Se não cai carregando estes trastes todos você acha que vai cair com dois sanfoneiros que nunca fizeram mal a ninguém?

Escolhi Luiz Gonzaga para retornar as atividades normais já que estava afastado por conta de outras necessidades... E também por que o mestre Lua é fantástico, genial em sua simplicidade.
E claro... Por vontade minha...
Agora vou me inteirar dos assuntos para poder voltar ao rítimo.

14 de jan de 2010

Armario

- Eu disse que não queria te ajudar a arrumar este guarda-roupa, não disse?
- Besteira, esta história de não querer lembrar do passado é conversa pra encobrir tua preguiça...
- Não é... Juro! Vê por exemplo este boné dos Utah Jazz...
- Que é que tem? É só um boné bobo de um time de basquete dos Estados Unidos. Nem sei por que você comprou... Nem gosta de basquete.
- Comprei porque o ‘j’ de jazz era um saxofone, achei bonito e todo mundo sabe que adoro jazz.
- Foi verdade! E por que você parou de usar?
- Por conta da gozação...
- Como? Que gozação?
- Foi uma aporrinhação só, no futebol, nos churrascos, no bar era todo mundo perguntando: “Como é que você consegue juntar duas coisas tão ruins na mesma peça de roupa?”.
-Você só pode estar falando daquele ‘botton’ do Santos Futebol Clube...
- Ta vendo, até você!
- To brincando, não encana... Mas, o que é isto aqui?
- Isto o que?
- Não, nada não!
-Como ‘nada não’? Agora quero ver...
- Não!
- Ah vou sim, me dá aqui! Vixe! Uma fantasia de coelhinho? Aquela fantasia de coelhinho? Hahahahahahah.
- Não ria... Eu só comprei esta coisa para te fazer uma surpresa, queria que aquela noite fosse inesquecível.
-E foi! Acredite foi... Eu lá, tinha morrido com uma grana naquela suíte de motel, deitado na cama, com os braços algemados na cabeceira e você me aparece do banheiro pulando. Vestida de coelhinha e pulando... Hahahahaha (cof,cof), com focinho de coelhinho, orelhas e pompom no rabinho... Hahahaha (cof,gasp,cof)...
- Ah... Para! Eu acredito mesmo que foi inesquecível... Você até broxou!
- Errr... Vamos mudar de assunto.
- É vamos, assim a gente para de enrolar e arruma logo este armário...
- Ah não! Vamos para uma pizzaria...
- Não... Vamos arrumar isto agora.
-Tá. Já que insiste... E isto aqui é para jogar fora?
- Isto o que? É meu?
- É!
- Ta bom! Vai querer pizza de que? Vamos logo... Depois ponho tudo isto no lixo.

13 de jan de 2010

Ele vai fazer falta...

Vamos sentir falta de Kimi Raikkonen na F1 deste ano, e não só porque ele é um campeão mundial e poderia travar boas brigas com os outros quatro que disputarão este ano.Quatro por enquanto, já que ainda corremos o risco de ter o canadense Jaques Deusmelivre guiando em um cockpit de equipe nova. Tadinha...

Mas como dizia sentiremos falta também das boas histórias, suas entrevistas esclarecedoras, seu bom humor e claro... Suas presepadas off pista.
Como esta:
De passagem por sua terra natal, Espoo, durante as férias de meio de ano da F1, Kimi encontrou velhos amigos do tempo de sua adolescência.

-Olha ai se não é o Kimi? – diz um de seus velhos amigos de nome Kaal.
-E ai Kimi? Faz tempo que não pinta por aqui em Espoo,heim? – diz outro, Jorgensen.
-E ai... Ainda pilotando aqueles carrinhos lá? – Diz Mika, mas não o Hakkinen.
-É ainda estou, quase não sobra tempo pra vir aqui e rever os amigos... – responde Kimi.
-Já deve até ter esquecido das vodcas finlandesas, só tomando champagne, né? – diz Kaal.
-De jeito nenhum... Ainda sou capaz de dizer de onde vem cada uma delas só de provar.
-Ah tá... Isto é lenda. Pode fazer agora, aqui, pra gente ver? – provoca Jorgensen.
-Claro... Cês tem as vodcas ai?

Então Mika, que não é o Hakkinen se encarrega de ir até uma adega buscar algumas garrafas de vodca e tapar-lhes os rótulos para que Kimi não saiba a procedência.

-Toma... Prova esta aqui. – oferece Kall.
-Esta... Hum... Vem da cidade de Ekenas. – diz Kimi após provar.
-É... Tá correto! – diz Kaal descobrindo o rotulo.
-Agora toma outra, esta aqui... – Kall lhe serve outro copo.
-Esta é boa... Vem da cidade de Hanko.
-Acertou de novo! – diz Mika mostrando a garrafa.
-Agora toma esta outra. – novamente Kaal.
-Nossa! Esta sim é pura... Vem da cidade de Mikkeli.
-Não é possível! Acertou de novo... – diz Kall Jorgensen, que até ali se mantinha quieto e desconfiado resolveu tirar a prova dos nove desta história de saber a procedência da vodca pelo sabor.
Entrou no bar, pegou uma garrafa qualquer e encheu de água da torneira, voltou ao grupo e serviu um copo com o conteúdo da garrafa para que Kimi provasse.

-Hum... Esta está difícil... Olha! Realmente... Esta está difícil de verdade... – e prova um grande gole – Realmente... Tá difícil. Vou falar... Não sei.
-Ahá! Eu sabia que cê tava de onda... Isto ai que te dei pra beber é água! – revela Jorgensen.
E enquanto todos dão boas risadas Kimi, com o olhar assustado apenas diz:
-Ah! Então isto que é água?

12 de jan de 2010

Dois personagens fantásticos

Ele estava dormindo em um banco de praça, ainda bêbado da farra da noite anterior e então chega um policial. -Hei dorminhoco, acorda!
-Hum... Agora não...
-Acorda rapaz. Vamos que banco de praça não é cama de pensão!
Aao tomar umas sacudidelas o homem finalmente desperta, encara o policial com cara de quem não gostou nada de ser acordado àquela hora da manhã.
-Teje preso! - diz o policial.
-Mas seu guarda... Eu não estou fazendo nada! - defende-se.
-Por isto mesmo, vai ser preso por vadiagem... Documentos!
Ao mexer nos bolsos à cata de algum documento que o identificasse, achou apenas um papel muito do amarfanhado.
O policial pegou o papel da mão do dorminhoco que continua a vasculhar os bolsos e lê:

“Quando o apito da fábrica de tecidos/Vem ferir os meus ouvidos/Eu me lembro de você/Mas você anda/Sem dúvida bem zangada/Ou está interessada/Em fingir que não me vê/Você que atende ao apito de uma chaminé de barro/Porque não atende ao grito/Tão aflito/Da buzina do meu carro”

-Mas... Isto é um samba do Noel Rosa! – diz o guarda sem entender nada.
-Isto! – e sorri – E eu sou o Noel Rosa.
Feliz por encontrar alguém tão ilustre àquela hora da manhã o guarda além de desistir de prender o boêmio, ainda saca de uma flautinha e termina a manhã acompanhando o violão de Noel em alguns sambas.

O mais curioso é que Noel era a encarnação dos sambas que compunha. Esperto, cheio de amores e boêmio. Só não gostava de ser chamado de “malandro”, preferia “rapaz folgado”.
Ah! E claro... Nunca teve carro para poder buzinar para as moças nas portas das fabricas...




Lalá foi até uma agência dos Correios e telégrafos enviar um telegrama. A moça que o atendeu ficou muito mal impressionada em ver aquela figura parada a sua frente ditando o telegrama com uma foz fina, quase esganiçada.
Logo após anotar o telegrama, ainda com o lápis na mão a atendente bateu uma mensagem em código Morse para a colega de trabalho que estava em outro balcão:

"O-lha que ra-paz ma-gro, fe-io e de voz fi-na!”
Sem pestanejar e nem perder a compostura, o homem magro, feio e de voz fina pegou o lápis da mão da mocinha e bateu de volta:
“Ma-gro, fe-io e ex-te-le-gra-fista.”

Lamartine Babo, foi uma espécie de multimídia dos primórdios: humorista, compositor de sambas, apresentador de programa de rádio.
É responsável por todos os hinos dos grandes clubes de futebol do Rio de Janeiro.
Caprichou em todos, mas se superou mesmo com o Hino do América, seu time do coração como atesta a própria letra.

“Hei de torcer, torcer, torcer/ Hei de torcer até morrer, morrer, morrer/ Pois a torcida americana é sempre assim/ A começar por mim/ A cor do coração é a cor do nosso pavilhão.”




Estas duas pequenas histórias não tem nenhum razão especial para estar aqui.
Estão apenas porque quero mesmo... Divirtan-se.

11 de jan de 2010

Show de Calouros da F1 com Ron Groo - pt 6

Narrador: -Estamos de volta, agora com o verdadeiro SHOW DE CALOUROS DA F1 com o apresentador mais imitado do País: Ron Groo! (Aplausos) Ron Groo: -Muito bem amigos, estamos de volta agora também com o patrocínio da quitanda Ralf Schumacher: “Legumes que o fruta vende”...
Hoje teremos uma atração diferente, pela primeira vez neste palco teremos uma atração cultural. Apenas para apresentação e apreciação. Ou seja, não vai concorrer e por isto mesmo não será gongada.
É uma espécie de divulgação, afinal trata-se de uma arte nova, contemporânea. Arte pop mesmo.
Com vocês, para apresentar um quadro com Body Paint, Jarno Trulli!
Alguns aplaudem, outros vaiam, outros ainda ensaiam um coro de “viadinho, viadinho”.

RG: -Seja muito bem vinda Jarno, aqui na ficha diz que você vai apresentar obras em body paint... É isto mesmo?
JT: -É isto mesmo Ron, body paint. Chique né?
RG: -Explica pro nosso telespectador o que é body paint...
JT: -Então Ron... É aquele estilo de arte plástica em que fazemos pinturas direto sobre a pele do modelo, sabe? Desenhamos sobre o modelo nu roupas, fantasias... Estas coisas...
RG: -Ah sim, você pega um modelo nu e pinta as roupas nele... Que interessante e você trouxe uma modelo?
JT: -Não... Eu trouxe um modelo, É homem... Ou pelo menos se apresentou assim...
RG: -Legal... Pode entrar então o modelo pintado pelo Trulli...
(Aplausos)

JT: -Neste modelo como vocês podem ver eu fiz a aplicação de tinta verde direto sobre a pele e com meus desenhos e pinturas e caracterizei este modelo franzino no incrível Hulk...
(Aplausos) RG: -É Jarno, realmente muito interessante, ficou um trabalho muito bem feito na parte de cima, mas, olha aqui embaixo, você trocou a parte da frente pela de trás... E esqueceu de desenhar uma cueca ou os restos da calça que cobrem o Hulk após a transformação... Ou seja você pintou o Hulk completamente nu e com a bunda na frente...
JT -Ih... É mesmo... Que gafe... Mas, sendo assim eu também desenhei o pênis na parte traseira do modelo... Vira ai meu filho...
(Espanto)
RG: -Jarno, com o perdão da má palavra, mas... Cê desenhou o pinto do Hulk na bunda do modelo... E ereto?
JT: -Não!
RG: -Sim... Olha ai... Não é produção?
Produção: -É sim... E que pintão!
JT: -Ai que vergonha...

Narrador: -Ron, antes de terminarmos o quadro queria dar uma ultima palavra...
RG: -Pode falar ...
N: -Mas não é com você não, meu caro Ron, e sim com este modelo que está com um pênis nas nádegas... O senhor já esteve aqui não?
Modelo: -Já... Em um dos primeiro programas...
RG: -Mas, que isto... Não podia... Tá no regulamento.
JT: -Meu modelo?
N: -Não Jarno, trata-se de Nico Rosberg tentando se disfarçar para ganhar um pouco mais de exposição, já que vai ser ofuscado pelo companheiro de equipe, porém é como se diz: Uma vez criador de pintos, sempre criador de pintos... Esta desclassificado.
(Aplausos)

Narrador: -Voltaremos a qualquer instante com um novo calouro e agora com maior fiscalização nas inscrições...

Parte 1
Parte 2
Parte 3

parte 4

parte 5

8 de jan de 2010

As estrelas confirmadas da temporada...

O que diriam em entrevista ao Blig Groo...

Jenson Button, sobre: Lewis Hamilton.
-É uma honra correr com ele!
Lewis Hamilton, sobre Jenson Button:
-É uma honra correr com ele?

Nico Rosberg sobre: a equipe.
-Eu acredito em igualdade.
Michael Schumacher sobre: Rosberg.
-Ele tem razão em acreditar em igualdade. Vai ser igual ao Rubinho...

Sebastian Vettel sobre: Mark Webber.
-Para um cara na idade dele, até que ele é legal...
Mark Webber sobre: si mesmo.
-Se eu ainda fosse jovem eu responderia, mas não me lembro exatamente o que...

Felipe Massa, sobre sua volta:
-Eu vou dar o meu melhor, estou com mais vontade que nunca!
Fernando Alonso, sobre Felipe Massa.
-Não sei de nada, não vi nada... E nem tenho nada na cabeça... Tão rindo de que?

Nico Hulkenberg sobre: Barrichello.
-Sei que posso aprender muito com ele, principalmente ultrapassar, vou repetir sobre ele os exercícios de ultrapassagem toda vez.
Rubens Barrichello, sobre ele mesmo, de novo, de novo e de novo.
-Este vai ser meu melhor ano, vou com a faca nos dentes, por que eu sou só um brasileirinho...

Vitantonio Liuzzi sobre: a equipe.
-Se o carro for bom como o do ano passado, jogo flores no Ganges...
Adrian Sutil: respondendo.
-E quem disse que vou deixar ele me jogar em algum lugar?

Sebastien Buemi.
-Por mim ficaria como único piloto da equipe, não vão encontrar ninguém como eu...
Franz Tost.
-Ainda bem... Dois daquele ninguém agüenta...

Jarno Trulli sobre a sua nova equipe: a Lotus.
-A equipe é boa, pena o outro piloto, que é ruim...
Heikki Kovalainen, sobre a sua nova equipe: a Lotus.
-A equipe é boa, pena o outro piloto que é ruim...

Bruno Senna sobre: as expectativas
-Se eu fizer metade do que fez o Ayrton já estou feliz...
População brasileira, em coro:
-Se ele fizer metade do que fez o Ayrton, todos nós ficaremos felizes... E muito.

Timo Glock sobre: si mesmo.
-Eu mereço estar aqui, e serei o primeiro piloto.
Lucas Digrassi sobre o companheiro:
-Se alguém for o primeiro que seja ele... A abandonar.

Peter Sauber sobre: Kamui Kobayashi.
-Este é o piloto que eu queria... Sempre quis!
Kamui Kobayashi sobre: a equipe.
-Eu queria um carro, podia até ser este mesmo... Fazer o que?

Pessoal da USF1:
-Alguém ai quer pilotar pra gente? Qualquer um? Até argentino serve... Ninguém?



Bernie Ecclestone sobre a competitividade da categoria:

7 de jan de 2010

Enter: as novatas

USF1
-Hey man! Como andam os trabalhos com o carro de nossa equipe.
-Very good! Já está tudo right... Nosso carro será o mais americano possível...-Oh Yeah! Vamos mostrar que nós podemos competir na Europa tão bem quanto os europeus competiram em nossas 500 milhas em Indianápolis.
-Vamos mostrar que temos gente tão genial quanto o tal do Collin Chapman...
-Yeah!
-Yeah! Mas vamos ver o carro... Good job! But... Por que as rodas estão travadas para a esquerda? Esqueceu que na F1 os carros também fazem curvas para a direita?
-Oh shit!

VIRGIN RACING -Sr. Branson... O que é para fazer com esta peça aqui?
-Rapaz, se eu soubesse o que fazer com ela não contrataria você, eu mesmo faria.
-Sr. Branson... Aqui no “do it yourself” do carro diz que tem por mais asa em pista de baixa velocidade...
-Eu achei que íamos construir carros de corrida e não aviões.
-Ai meu Deus... Senhor Branson, os nossos consultores de marketing, aqueles que trabalham na sua gravadora, disseram que o nome Virgin Racing não é bom o suficiente.
-Ah é? O que mais eles disseram.
-Que não representa o time de forma direta... Que não remete ao seu dono...
-E o que eles sugeriram?
-Filhadaputa Racing Team.

CAMPOS META.
-Senores, yo quiero parabenizar a todos usteds pelo trabajo que realizam aqui.
-Muito obrigado patrão. – diz um funcionário.
-Fiquei feliz por termos contratado el Bruno Senna.
-Eu também estou feliz de estar aqui... – responde o primeiro sobrinho.
-Espero que consigamos hacer uma ótima temporada. E para isto contratei o melhor comandante que poderíamos ter para ficar no pitwall. O homem que mais entende de Campos.
-Mas senhor Adrian, o senhor não vai ser o chefe da equipe? – diz um mecânico.
-No, no... Perto desta minha contratacion io so café pequeno.
-E quem é este mago da administração que o senhor contratou? – insiste o mesmo mecânico.
-Antony Garotinho... Este entende de Campos... Foi prefeito lá duas vezes... -Vixe... Agora sim... Agora vai. – todos os funcionários juntos, desanimados...

LOTUS
-Senhor Tony Fernandes, o projeto da Nova Lotus é sério mesmo?
-Si, si...
-E podemos contar com a presença do carro de vocês no grid no Bahrein?
-Claro que si.
-E o carro será competitivo?
-No hay dúvidas, seremos los melhores entre las novatas.
-Garante isto? -Si, claro, como no? La garantia soy yo!

6 de jan de 2010

Nada como um dia após o outro?

Nelson Tuitinho bateu o carro de propósito em uma curva em Cingapura.
Começava ali a história de um dos mais escabrosos escândalos do automobilismo mundial.Flávio Safatore, que aliado e com a conivência de Pat Imunds arquitetou o plano sinistro foram julgados – naquelas – e foram condenados.
Imunds a um gancho de cinco anos, que pode muito bem ser encarado como férias.
E Safatore, o torresmo que anda, a uma pena que penso nunca ter sido aplicada no automobilismo mundial: o banimento.
Se alguém souber de outro caso, por favor, põe ai nos coments...

Pois bem...
Agora o tribunal de Paris resolveu devolver ao Toucinho italiano a liberdade em relação ao automobilismo. Está perdoado. Foi desbanido.
Ele que a partir da promulgação da pena não podia sequer vender amendoins nos autódromos, agora pode voltar a empresariar pilotos, chefiar equipes, ser dono de uma delas ou até mesmo se candidatar a presidente da FIA, em um cenário surreal, claro!

Abrindo este precedente, provavelmente a mesma lógica seja aplicada ao outro trapaceiro e é capaz de aparecer trabalhando em alguma das novas equipes. Como premio de consolação ou reparação moral... Vai saber?

Um desenrolar de fatos e atos que lembrou o congresso nacional brasileiro, que cassou os direitos políticos de Fernando Collor em uma ação nunca antes vista no país e algum tempo depois ai está ele! Senador da república e perigando candidatar-se novamente a supremo botequeiro do bar Brasilis.
Ganhar ou não é outra história que não cabe comentar aqui, mas assim como o Pururuca que vendia roupas, pode.

Ok... Vá lá!
Oficialmente não houve punição ao moleque do Tuiter, mas depois de delatar todo mundo – não importando os motivos – e ser “perdoado”. Assim mesmo, entre aspas, não consegue vaga nem para lustrar carenagem de F1.
A pergunta é: até quando vai o “banimento” do Playmobilson Piquet? Se até os responsáveis pela coisa toda foram – ou serão – perdoados e reintegrados ao circo - no qual nós acabamos sendo os palhaços - por que será que o garoto não volta?
Certo que ele também não era nenhuma maravilha pilotando, porem com tantas vagas e tantos cabeças de bagre aparecendo...

Ah sim... Faltou falar do Asnonso que alegou que não sabia de nada, não viu nada e não teve participação alguma.
Considerando os últimos acontecimentos que o envolvem – fora das pistas – agora sou capaz de acreditar nele... Não viu nada, não fez nada e não teve participação nenhuma em nada...
Rosário que o diga.

5 de jan de 2010

Enter F1

Enfim...
A F1 entra no ano de 2010 prometendo ser um dos melhores campeonatos da história...
Ingredientes não faltam:



  • Um alemão com sangue nos olhos pilotando uma Red Bull, carro que melhor terminou o ano passado e que deve dominar as atenções dentro da equipe, em detrimento do outro piloto que - parece - vai apenas cumprir prazo para a aposentadoria.

  • Uma equipe inglesa, a McLaren, com uma dupla inglesa e que ainda por cima são os dois últimos campeões mundiais. Ok! Há quem conteste o titulo de Jenson Button atribuindo ao carro mais de 80 por cento do êxito.

  • Uma equipe alemã, com uma dupla de pilotos alemães sendo que um deles é nada mais, nada menos que sete vezes campeão do mundo. O outro... Bem o outro ainda tem muito a provar. Desde que é um piloto realmente rápido e constante até... Maldade.

  • A Ferrari aposta em uma dupla que tem tudo para ser explosiva: um espanhol (mal caráter, diria Miguel Falabela) e um brasileiro que até antes daquela amolação na Hungria era o que mais e melhor evoluía.


E isto sem contar as mudanças no regulamento e na construção dos carros.

  • Mudanças na pontuação. Quantidade de pilotos pontuando e numero de pontos em disputa.

  • Fim do reabastecimento e por consequencia...

  • Tanques maiores que obrigarão engenheiros a pensar carros com outras configurações de distribuição de peso.

  • Pneus dianteiros menores que fatalmente bagunçarão toda a aerodinâmica já tão comprometida ano passado com o fim dos penduricalhos.

  • Mais equipes no grid, embora isto não garanta qualidade, embora possa ser exatamente o contrário.

    Equipes novas das quais podemos esperar tudo... Inclusive nada.

  • Americanos doidos que tem tudo, menos carro.

  • Paraguaios tão falsos que resolveram nascer na Malásia resolveram – não se sabe por que – ressuscitar o sagrado nome da equipe de Collin Chappman. Não bastasse isto ainda chamam Jarno Trulli, o popular “xuquinha” para guiar.

  • Um espanhol que parece sério, mas até onde sabemos esta com a grana curtinha..

  • E por ultimo um maluco que não tem onde por mais dinheiro e resolveu brincar de F1.
    E ainda temos a Renault que não é novata, mas que com a nova direção, de um grupo de nome Genii, provavelmente deixarão Robert Kubica ainda mais feio – de raiva.
Eis ai o panorama para a temporada que se aproxima, sem duvida é animador.
Não vejo a hora de tudo começar realmente.
E olha que ainda falta gente neste circo, ainda tem vaga nas jaulas...

4 de jan de 2010

Enter 2010.

E começa o ano novo...
Zapeando por ai encontrei este "causo" que você lê clicando aqui.
Que deu origem a isto aí embaixo.


-Não Fernando, não dá mais, assim não posso.
-Rosário, cê tem que entender... Isto nunca aconteceu comigo antes...
-Mas começou a acontecer desde que você soube da volta do alemão para as pistas.
-Mas...
-Mas nada... Adeus Fernando. Vou ficar com alguém que não falhe comigo...

Com a saída da esposa, Fernando se senta no sofá e põe-se a refletir...
Por que teria Rosário o abandonado?
Jovem, bonito, vitorioso, rico e um monte de outros atributos... Por quê?
Levantou-se e foi até a janela ainda a tempo de ver o táxi partir.
Serviu-se de uma taça de vinho tinto e até tentou ouvir musica para se distrair, porem os únicos cd´s que ela deixou foram os da banda Sueño de Morfeo, talvez por não precisar mais deles para ouvir a voz de sua vocalista...

Fernando esvazia a garrafa de vinho tinto e vai dormir, afinal no dia seguinte – com trauma da separação ou não – terá de se apresentar ao seu novo emprego.

No aeroporto esforçava-se para não pensar no assunto, mas o sistema de auto falantes dá a todo o momento informações de pousos vindos da ilha de Lesbos, na Grécia.
Já dentro do avião senta-se ao lado de um jovem brasileiro que o reconhece e lhe pede um autógrafo.
Estranhamente solicito e simpático – dizem que tanto as grandes tragédias quanto as pequenas desgraças pessoais humanizam as pessoas – resolve conversar com rapaz, que usa fones de ouvidos.

-Que são estes fones de ouvidos? – pergunta ele.
-Meu iphone... Estou ouvindo algumas musicas de minha terra...
-Verdade? Adoro musica brasileira... Posso ouvir também?

O rapaz sente-se honrado e lhe cede um dos fones...
Meio sem graça Fernando ouve uma canção e devolve o fone, alegando que precisa dormir.
Na verdade não gostou de ouvir o “Rock das Aranha”.

Finge que dorme até aterrissar na Itália onde um funcionário de sua nova empresa o espera.
No carro o motorista, também brasileiro, insiste em ouvir Reginaldo Rossi no mp3 player:
“Garçom, nesta mesa de bar...”.

Ao entrar na fábrica é saudado por todos, como pensou que seria mesmo...
Com seu chefe imediato vai até o carro que usará.
Fica feliz com o projeto e por um instante esquece de sua situação emocional.
De saída encontra o homem ao qual sucederá.
Aperta-lha a mão calorosamente e deseja boa sorte em suas novas empreitadas.
Em retribuição recebe um presente.
-É da minha terra... – diz ele – Vai lhe trazer boas vibrações.
Agradece e promete que usará...
Feliz vai para sua nova casa italiana já completamente esquecido do que lhe aconteceu nas ultimas semanas.
Porém tudo acaba por retornar a lembrança quando ao desembrulhar o pacote e encontra lá dentro um capacete viking.___________________________________________


Blogf-1.com

E não deixe de conferir a nova fase do Blogf-1 do grande amigo e parceiro Felipe Maciel, completamente repaginado e agora em endereço próprio: www.blogf-1.com
Mas sem jamais perder a qualidade que faz do espaço um dos melhores sobre F1 na grande rede.